Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Outubro, 2013

Este gajo sabe-a toda

Esta mulher tem sempre razão

Se as condições estiverem reunidas, sou a pessoa mais flexível que podem conhecer.  Caso contrário, está difícil! 

Desordem Obsessivo-Compulsiva...

... MNC's style. Estava acabar um, vá de trazer outro pra' casa! Mas é um Pérez-Reverte, há atenuantes. E mais uma BIC quadrifásica... Mas prateada! Podia ter falta de canetas! Ó deuses! 

Na verdade, estou lá ≠ 83

Château Rhianfa Beaumaris Anglesey

Xitex, Xitex

Quase, quase. Num corner perto de si Suspiro ! 

Pensar, isso que nos distingue

Hannah Arendt, filosofa judia alemã que viveu nos EUA, fugida da Europa anti-semita, teve a coragem de pensar por si e manter-se fiel aos seus raciocínios por mais contestados que fossem. Por mais lhe custassem amizades e lhe gerassem ataques de carácter. Quando tudo o que quis foi compreender e compreender não é perdoar.  A sua teoria da "banalidade do mal", desenvolvida após o julgamento de Albert Eichmann, raptado em Buenos Aires e julgado em Israel por crimes nazis (já de si, a legitimidade do exercício da justiça é questionável), assenta em pessoas que não são más por natureza, mas apenas "Zé-ninguens" que abdicaram da sua capacidade de discernimento. Eichmann, como outros burocratas nazis, revelavam incapacidade de pensar. Sem a força corrosiva e desconstrutiva do pensamento, qualquer acção é possível, qualquer lei pode ser racionalmente justificada, qualquer acto é aceitável: aqueles homens, mulheres e crianças morreriam de qualquer maneira, quer Eich