Avançar para o conteúdo principal

aquela coisa anual

Faço anos. Daqui a uns dias (too close).


Todos os anos, sobretudo nos últimos 3 anos, tenho-me sentido uma merda quando chega a data.


Cheira-me que não vai ser excepção. 


Não sou pessoa para conviver bem com a idade vs. não me sentir propriamente feliz com aquilo que sou e com a velocidade do tempo e como de repente parece esse tempo se esvaiu sem darmos conta. 

Citando algo que o Herman José outro dia escrevia no Facebook, "profite de ta jeunesse, c'est elle la vraie richesse...", que lhe terá dito São Schlumberger para exemplificar na perfeição o que sinto. E fico com uma puta de uma neura.


Para baralhar isto tudo, com as Tabelas de IRS a bombar mais a Taxa de Solidariedade (sacana de nome mais lixado!) estou ainda com os nervos mais em franja e com uma vontade desvairada de consumir... 

Assim, coisas que se pudesse oferecia a mim mesma para me animar:



Ipod 169G branco
(porque o Iphone não tem capacidade suficiente para Apps, fotos e musica e irrita-me andar sempre a ouvir o mesmo)






Viagem a Milão
(ou Londres ou Amesterdão)




Hermés Click H










Cheques Zara, Massimo Dutti ou Uterque. 
(dado que não há, em bom rigor, budget para ir às compras)

Comentários

Pedro Almeida disse…
Ofereço-te compreensão e solidariedade, chega ou és pedinchona?
Mónica disse…
Caro PA, chega e sobra. Se já não pagar IRS sobre essas grandes oferendas até faço o pino e bebo uma garrafa de vinho de alegria!
Muito obrigada, sim?
Saudinha eu que lhe desejo. Tão bom moço
Chic Maria disse…
Por acaso quando faço anos fico um bocadinho neurótica tb. Porque o tempo passa tão depressa que parece nem dar tempo para realizarmos os nossos sonhos... Tanta coisa que eu ainda quero fazer... e as tabelas de IRS não vieram ajudar nada. Porque o dinheiro não compra felicidade mas ajuda! :X Olha apesar disso, temos que ser felizes e mais um ano de vida não significa Velhice mas sim Experiência! Xoxo *

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência.  O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas.  A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado. E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade.  A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

na verdade, estou lá (4)

Villa Amanda The Corridor - Blue Sea, Cabo San Lucas, Mexico via Luxuary Retreats

na verdade, estou lá (6)

Calandra Porto Rotondo, Sardinia, Italy via Luxuary Retreats