Avançar para o conteúdo principal

Das rejeições

Uma pessoa podia dizer que tenta dar o benefício da dúvida. Seria uma insincera afirmação, coisa que não faz bem o meu estilo, mas enquanto se cá anda também não se perde por ali acreditar que algures alguém faz alguma coisa de jeito. Caramba, UMA que seja. 

Mas os divórcios não acontecem só com pessoas, os afectos também se perdem com as referências espacio-culturais. Tenho um profundo desencaixe com este país, admito que será um problema meu e dai que estar aqui é já só algo passageiro. 

Quando Cristina Ferreira é uma das novas embaixadoras de uma iniciativa/ programa do Ministério da Economia apropriadamente denominado "Portugal Sou Eu", destinado a promover a excelência dos produtos nacionais, sinto uma espécie de calafrio de rejeição. Como se fosse um coice, vá. 

Não estou a questionar a iniciativa, nem os seus méritos, nem se faz algum sentido, porque não conheço, e a bem da verdade, assim sendo nem vou aprofundar. Basta associar Cristina Ferreira e a frase "Portugal Sou Eu"... Pois que não. Não quero ser deste pais. Também não quero medalhas nem condecorações, portanto fiquem lá com a Tininha. 

Comentários

Pedro Almeida disse…
Porque anda tão triste amiga Mónica?

Tome lá uma cantiga bonita
https://www.youtube.com/watch?v=EEPa7GOCatA

Espero que a aprecie mais do que outra pessoa que disse que era música de elevador :-)
Mónica disse…
Amigo Pedro, obrigadissíma pela trova tão catita. Como o meu elevador bomba RFM, é um claro upgrade! E desengane-se, a Tininha não me deixa triste. Deuses, que seria! Despertar-me instintos agressivos? Sim! De facto! Tristeza, não

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência.  O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas.  A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado. E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade.  A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

na verdade, estou lá (4)

Villa Amanda The Corridor - Blue Sea, Cabo San Lucas, Mexico via Luxuary Retreats

na verdade, estou lá (6)

Calandra Porto Rotondo, Sardinia, Italy via Luxuary Retreats