Avançar para o conteúdo principal

O país da sonsice

O espectáculo inenarrável em torno do que se passou no Meco ultrapassa os limites do bom senso. Mas somos o país que abranda quando vê acidentes, que está em velórios a discutir em detalhe o estado clínico do defunto, bom, em nós coabita uma porteira voyeur com atracção pelo lado mórbido. 
Há um grande espanto, e choque, pela forma como foi o sobrevivente do Meco entrevistado. E, pior, como essa espécie de "peça jornalística" foi validada e emitida, sem que os editores tivessem posto cobro a tamanha insensatez. 
Pel'deuses... É a CMTV, caramba, onde raio está a surpresa? A serio, pessoas, isso é que é negação! 
Ou só quando é muito grave salta a indignação e no resto dos dias, assobia-se para o lado e ignora-se o desconforto? 
O mundo é dos sonsos! 




Comentários

Pedro Almeida disse…
Quase bateu aquele momento em que emboscaram a Barbara Guimarães à saía de casa para levar os miúdos à escola e em frente a estes lhe perguntaram..."É verdade que o seu pai tentou abusar de si?"

Um dia em que transmitam execuções públicas já se sabe que canal terá o exclusivo.
Mónica disse…
Uma pessoa tem que rever por causa da versão corrida aos saltinhos ou continuada troca do microfone na cara do putativo entrevistado quando a proto jornalista é que falava é de repente lá se lembrava que o microfone devia estar do lado dela. Só nível

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência.  O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas.  A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado. E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade.  A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

na verdade, estou lá (4)

Villa Amanda The Corridor - Blue Sea, Cabo San Lucas, Mexico via Luxuary Retreats

na verdade, estou lá (6)

Calandra Porto Rotondo, Sardinia, Italy via Luxuary Retreats