Avançar para o conteúdo principal

Ideias para presentes: ATM's

A malta tuga adoraaaaaaaaa máquinas multibanco.

Esta coisa de sermos muito inovadores e de termos posto as máquinas ATM's a fazer tudo menos darem-nos massagens ou dizerem-nos o tempo (tema que muito apreciamos debater!), levantar dinheiro pode ser uma tarefa assaz dificil. 

No sábado tinha um cavalheiro à minha frente numa galeria comercial praticamente vazia, nem eram 11 da manha, e desde do momento que cheguei até ao momento em que por fim consegui chegar às teclas, fez 8 -OITO- pagamentos! E ainda levantou dinheiro, com 2 cartões diferentes. 

Hoje, três caixas multibanco. Uma sem dinheiro. As restantes ocupadas. Numa, uma senhora com uma resma de contas para pagar (ainda lá deve estar) e noutra, um cavalheiro munido de três cartões que iam entrando e saindo do ATM para ora vê saldo, ora paga, ora saca dinheiro, ora imprime saldo, ora o raio que o parta.

Pois bem, estas facilidades são todas muito catitas. Dão um grande jeito, é verdade. Nem todos têm acesso à internet para ter banca online. De acordo. Mas dado que está mais do que provado que coisa que não abunda nos genes dos lusitanos é o bom senso, estas possibilidades infinitas de utilizacão dos multibancos deviam estar confinadas a algumas caixas, por exemplo, as que estão em balcões ou em shoppings, onde existem muitos ATM's. 

Ou isso, ou criar umas máquinas mais pequenas para ter em casa como as de cerveja à pressão, já que as pessoas deliram em estar coladas aos multibancos. Entre o LCD e a playstation, até era bem jeitoso para a fotografia da boda. Para levantar dinheiro podiam utilizar as máquinas normais. 

Há mais de 20 anos (25?) que o Herman fazia uns anúncios institucionais com base na frase chave "Portugal não é só teu" (e o sacana do multibanco já era um dos visados). Ficou alguma coisa nestas moleirinhas de galinha?

Comentários

Cailin disse…
porra é exactamente assim, e parece que estão sempre a nossa frente na fila essas pessoas!

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência.  O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas.  A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado. E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade.  A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

na verdade, estou lá (4)

Villa Amanda The Corridor - Blue Sea, Cabo San Lucas, Mexico via Luxuary Retreats

na verdade, estou lá (6)

Calandra Porto Rotondo, Sardinia, Italy via Luxuary Retreats