Avançar para o conteúdo principal

bloggar

A semana passada tive uma amena e saudável discussão com outra blogger (um espectáculo de pessoa, por sinal) sobre blogs e publicidade, tudo por causa de uma quantas bloggers que não se assumindo como "fazedoras" de publicidade, curiosamente, de repente, em dado momento, todas consomem os mesmos produtos aos quais reconhecem, por coincidência, as mesmas qualidades. Geralmente, aquelas que aparecem nos press release ou nos cds que acompanham as oferendas. 

Sempre disse que não fazia publicidade. Tudo o que comento são produtos que uso (comprando), que experimentei ou que gostava de usar. Felizmente, hoje em dia tenho acesso a um paraíso de produtos que tomara a muita fahionista wannabe e nem mesmo assim carrego o blog com todo o manancial que tenho à disposição. 

Também ninguém me pede. Se eu escrever qualquer coisa, sobre algo que eu gosto mesmo muito, agradecem-me  mas não faço parte do Big Bloggers Book.

Choca-me? Não. Quem sou eu para tal? Quem sou eu? Pessoalmente, acho que tenho gosto e noção de estilo acima da média. Tenho plena consciência que limitações físicas (e financeiras) não me permitem sair de casa como gostaria. Mas as minhas opiniões são o meu padrão de referência. PONTO.

Quer seja por terem budgets reduzidos, quer seja por estratégia definida como tal, as marcas apostam em bloggers que em, 85%-90%, dos casos, não são ninguém. Até podemos questionar a qualidade e o rigor das editoras de moda dos media cá do burgo, mas que elas sejam presenteadas com as novidades, levadas a sessões de divulgação XPTO, entende-se. É expectável que a sua sensibilidade pessoal e olho treinado, sejam sustentados pela experiência profissional e pelo background académico.

Agora não entendo que as marcas tenham esta atitude de prostrarem perante as Soraia, Margarida, Sónia, Raquel, Ana, Sofia, de Oeiras a Esposende, da Bica a Odivelas, do Estoril a Aveiro, de Lisboa a Gaia, que estudam, são professoras, vendedoras da Re/max, fisioterapeutas, organizadoras de eventos, que podem achar que Halston  Heritage é uma marca criada para a Sarah Jessica Parker e que a Primark tem qualidade. Quem são estas pessoas (bloggers) que as marcas consideram dignas de pôr num pedestal, levar a festas, cobrir de presentes, para que divulguem os seus produtos? Tal como eu, não são ninguém. 

Mas até vendiam fotos com os pés no estribos, caso uma clínica de ginecologistas pagasse!

A minha interlocutora defendia acerrimamente aqueles 10% de bloggers que profissionalizaram a coisa, pela transparência e pela honestidade.

Ok., mas também a este nível as coisas não são assim tão trigo limpo. O profissionalismo não se mede por argumentar "digam mal à vontade e insultem-me porque isso gera-me mais tráfego no blog, logo mais dinheiro". É um desabafo legitimo mas arrivista. O profissionalismo, a seriedade e a integridade das pessoas não pode ser proclamado como salvo conduto, quando imaginemos:

- o/a blogger X exibe um post a dizer que foi convidado/a pela marca de esquentadores XWZ para a apresentação da sua nova colecção (marca que sempre acusou "de xipatrão demasiado cara para comprar lá um esquentador!

- esquece-se de mencionar que o convite não veio da marca de esquentadores XWZ (a tal que antes era sempre muito cara) mas de uma revista que conseguiu levar um convidado e optou por este blogger, sem que a marca tivesse aberto a apresentação a bloggers portugueses.

- escreve que o novo esquentador amarelo é "amoroso", o azul "fofinho" e o "azul" é lindo de morrer, ie, um  post cheio de clichés que não traz nada de interessante sobre a colecção mas que nos dá a conhecer que o local é do mais chique.

- o post imediatamente a seguir é sobre os tempos mortos a deambular antes do regresso e como não conseguiu resistir em comprar um esquentador baratinho numa retalhista massificado. Aqui, só impera o mau tom e a falta de chá. 


O sucesso pode-se medir em números mas não se mede na falta de vergonha na carinha, por mais laroca que se tenha. Isto aplica-se a tudo. 

Grande parte do bloggers, amadores ou semi-profissionais, que tentam fazer do seu espaço na blogosfera um gerador de actividade comercial, são como os concorrentes dos reality-shows: até querem lucro, mas sobretudo querem protagonismo, aparecer, ser alguém. E usam as mesmas armas. 

E se é verdade que cada um lê o que quer, também deverá ser uma verdade inegável da moda: ninguém pode ter pretensão ou ser considerado um fashionista  quando assume que é a favor das contrafacções*. True story.



* já para não falar das questões éticas que este tipo de afirmações levanta




Comentários

Anónimo disse…
Presunção e água benta...
Dulce disse…
O texto, todo ele, e certeiro. Mas o penúltimo parágrafo resume tudo....
Lúcia disse…
Mónica, concordo! Vários blogs por onde passava ocasionalmente perderam totalmente a piada assim que se tornaram comerciais! Deixei de passar lá! Alguns tornaram-se até ridículos! E na minha modesta opinião, acho que há marcas que podem até gerar o efeito contrário ao que pretendem… A maior parte das vezes não reconheço bom gosto ou sentido estético à blogger em questão.
Acho que há formas e formas de fazer render o blogue, e muitas vezes estas wannabe´s só conseguem atingir um target muito muito baixo e sem dois dedos de testa!
Mónica disse…
Por acaso até sou bastante ateia ptt agua benta é uma coisa que não me assiste. E sou a 1ª a dizer que sou uma anónima sem importância. E como eu há muitas/muitos. Que são levados ao colo pelas marcas. Podem ser excelentes pessoas mas não têm argumentos que justifiquem esse protagonismo. Quer tudo acabar nos morangos com açúcar! :)
Mary disse…
Haveria taaaaaaaaanto para dizer sobre isto...!
Mary disse…
Mas elas não merecem o tempo que demoraria a dizê-lo;-)
heritage36 disse…
Mónica,não teria escrito melhor! Aos bloggers amadores como eu fica o consolo de "postar" por amor à arte e o prazer de saber que mesmo sem as ditas ofertas/opiniões patrocinadas alguém nos lê!
Beijinho!
Mónica disse…
tomara mta "pro" (com tds conotações LOL) ter o bom gosto do heritage. Grande bjo
heritage36 disse…
Mónica, obrigada =)! Acredita que o sentimento é recíproco! Para mim este blog é paragem obrigatória! Rio, comento e inspiro-me sempre que por aqui passo!
Beijo grande!

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência.  O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas.  A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado. E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade.  A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

a importancia do perfume e a duvida existencial do mês

Olá a todos advogo há bastante tempo que colocar perfume exalta a alma; põe-nos bem dispostos e eleva-nos o bom espírito. Há semelhança do relógio e dos óculos de sol, nunca saio de casa sem perfume, colocado consoante a minha disposição, a roupa que visto e o tempo que está. Podem rir-se à vontadinha (me da igual) mas a verdade é que sair de casa sem o perfume (tal como sucedeu hoje) é sempre sinal de sarilhos. nem mesmo umas baforadas à socapa no táxi via uma amostra que tinha na mala (caguei para o taxista) me sossegaram, ate pq não era do perfume que queria usar hoje. E agora voltamos à 2ª parte do Assunto deste email: duvida existencial do mês Porque é que nunca ninguém entrou numa loja do cidadão aos tiros, tipo columbine, totalmente alucinado dos reais cornos? É porque juro que dá imensa vontade. Eu própria me passou pela cabeça mas com a minha jeiteira acabaria por acertar de imediato em mim pp antes de interromper qq coisa ou sequer darem por mim. lembram-se de como era p

Dos factos reais

Os anos, as histórias, as cicatrizes, as tatuagens, as noites ébrias, o acordar sóbrio, as dores, a dança descontrolada de emoções.  O orgulho, a entrega, a força, a paixão, a cegueira, o racional que cede ao mais descabido improvável. A raiva, o amor, a dúvida, a euforia, a esperança, o desmoronar.  O fugaz, o consumo rápido e descartável, o compromisso, o receio, a expectativa. A impaciência, a intolerância, a falta de vontade de começar do zero.  O desejo, a avidez, a imperfeição pautada por gargalhadas, a tesão em gotas de suor e olhos famintos.  A partilha, a distância, o querer tanto e tanto calar, a explosão arrebatada, a plenitude.  A tempestade, a tristeza, o vazio. O querer estar só, a solidão, a ânsia pelo abraço silencioso.  Os beijos que são tudo, os beijos estranhos de rostos que nem lembramos.  A auto punição, sensação de mais um erro, a pulsão do falhanço, o sintoma do irreparável. A certeza de que fazemos tudo mal.  É uma constru