Avançar para o conteúdo principal

uma questão de adjectivação

Há um problema, derivado quase de certeza da ignorância, na aplicação de adjectivos aos tugas. 

Estes não são piegas. 

São uns fiteiros. Queixam-se, mas na verdade mal apanham uma segunda feira véspera do não feriado de Carnaval e ... ala, que é vê-los rumar às pousadas, ao Brasil, à neve. Crise? Cortes nos salários? Impostos? Qu'é lá isso? É preciso desanuviar porque a malta anda stressada. Todos os santos dias de lamentações, para uma grande fatia da população, deduz-se, portanto, é fita. 

Outro adjectivo que nos assiste. Marimbeiros. Ou egoístas. As pessoas estão-se a borrifar para o país com o qual se dizem preocupar tanto. À primeira hipótese de mobilização, ó sim Passos, fala aí pra' Massamá, que nós faltarmos aos festejos de pobre do Carnaval? No way! Vale tudo, até a desobediciência civil de câmaras com histórico carnavalesco como... Vila Nova Gaia. Poupem-me. 

Sem-vergonha, outro bom adjectivo, pois então. 

Queixinhas também vai bem. Queixamo-nos do estado em que estamos. E do tempo de espera para descer uma pista na Serra Nevada. E das pavorosas low-costs (esta subscrevo mas viajo pouco, isso é coisa de gente fina), e da quantidade de pessoas que estão da DisneyParis, do difícil que é arranjar mesa no Nobu em Londres. 

E, por fim poucos. Somos poucos. Ou bem que estes poucos que restaram são mesmo MUITO produtivos ou estes 2 dias serão o enterro final. E não é do entrudo. Ficou quem já não tinha férias para gozar, quem não podia mesmo escapar, quem tinha prazos a cumprir, quem  não teve autorização para tirar férias, quem não tinha orçamento algum para ir nem sequer à Trafaria, aqueles (pouquíssimos) cujas empresas trabalharão normalmente (Clap Clap) e aqueles que acreditavam no statement. Ainda que com valor zero. Mesmo assim, a medir pelo transito de Lisboa, produtivos ou nem por isso, fomos uma amostra mínima. 

O adjectivo que nos falta: uns merdas. 

Comentários

Anónimo disse…
Só uma pergunta: a menina amanhã trabalha? (clap clap)
Mónica disse…
sim. onde haja um computador esta moça (menina ni me gusta! manias...) trabalha. aliás, está a fazê-lo agora.
Anónimo disse…
Então clap clap para a menina e moça.
Aqui o je também trabalha e não é funcionário do Estado
Mónica disse…
tambem nao trabalho no estado e a bem da verdade a epresa estará encerrada mas trouxe o pc e os meus papeis e amanha vai ser business as usual. a diferença: de pijama e talvez faça mais do que uma hora de almoço e nao comece as 8h da manha. Louca. Só extravagâncias!!!
Anónimo disse…
Business em PJ???? Essa modalidade não conheço!
Se bem que há dias em que bem me apetecia receber os meus clientes em boxers...
Anónimo disse…
Pois pois foram os trabalhadores que puseram o país nesta situação, então bora la tirar-lhes subsídios, feriados, férias e tudo ...
Mónica disse…
Obrigada pelo comentario. Enquanto cidadaos votantes todos temos quota parte de respinsabilidade. Claro. Todos. Uns mais activos, outros pela passividade. E sendo eu trabalhadora (o que deve querer dizer que nao sou dona de nada... Nem politica) tambem sou lesada com as decisoes que estao a ser tomadas. Sou duplamente lesada porque nem votei neste governo e tenho que levar con ele mas como votei em socrates acho que tenho uma divida para com a sociedade. Como quem votou em cavaco para 1ºM, essa divida, upa upa! Nao obstante, há medidas com as quais concordo em absoluto e a revisao dos feriados é una delas, e sobretudo a extinção do carnaval (temporárua, que seja) subscrevo na integra. O pais não está para folias muito menos para parar 2 dias. Pior, para haver uma mobilização generalizada contra a decisao do governo. Isso é condenavel num estado de direito. So mesmo no reino da bandalheira a que chegamos. Independentemente do governo se habilitar com a falta de jeito.

Dou muita importancia ao trabalho. Mesmo. Porque ja tive sem ele e custa muito. Dai que nao alinho por esse diapasao sindicalista. Todos somos lesados. Ha muita injustica é um facto. Mas basicamente quem quer trabalha sobretudo quando escasseiam trabalhos. E todos precisamos que se trabalhe bem, com logica e eficiencia. Quem nao quer, vai de carnaval. Mesmo nao sendo feriado. Nem este ano nem nenhum (está sempre dependente da aprovacao anual do governo en DR).

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência.  O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas.  A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado. E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade.  A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

a importancia do perfume e a duvida existencial do mês

Olá a todos advogo há bastante tempo que colocar perfume exalta a alma; põe-nos bem dispostos e eleva-nos o bom espírito. Há semelhança do relógio e dos óculos de sol, nunca saio de casa sem perfume, colocado consoante a minha disposição, a roupa que visto e o tempo que está. Podem rir-se à vontadinha (me da igual) mas a verdade é que sair de casa sem o perfume (tal como sucedeu hoje) é sempre sinal de sarilhos. nem mesmo umas baforadas à socapa no táxi via uma amostra que tinha na mala (caguei para o taxista) me sossegaram, ate pq não era do perfume que queria usar hoje. E agora voltamos à 2ª parte do Assunto deste email: duvida existencial do mês Porque é que nunca ninguém entrou numa loja do cidadão aos tiros, tipo columbine, totalmente alucinado dos reais cornos? É porque juro que dá imensa vontade. Eu própria me passou pela cabeça mas com a minha jeiteira acabaria por acertar de imediato em mim pp antes de interromper qq coisa ou sequer darem por mim. lembram-se de como era p

Dos factos reais

Os anos, as histórias, as cicatrizes, as tatuagens, as noites ébrias, o acordar sóbrio, as dores, a dança descontrolada de emoções.  O orgulho, a entrega, a força, a paixão, a cegueira, o racional que cede ao mais descabido improvável. A raiva, o amor, a dúvida, a euforia, a esperança, o desmoronar.  O fugaz, o consumo rápido e descartável, o compromisso, o receio, a expectativa. A impaciência, a intolerância, a falta de vontade de começar do zero.  O desejo, a avidez, a imperfeição pautada por gargalhadas, a tesão em gotas de suor e olhos famintos.  A partilha, a distância, o querer tanto e tanto calar, a explosão arrebatada, a plenitude.  A tempestade, a tristeza, o vazio. O querer estar só, a solidão, a ânsia pelo abraço silencioso.  Os beijos que são tudo, os beijos estranhos de rostos que nem lembramos.  A auto punição, sensação de mais um erro, a pulsão do falhanço, o sintoma do irreparável. A certeza de que fazemos tudo mal.  É uma constru