Avançar para o conteúdo principal

é natal, é natal... pois sim!

É minha modesta opinião que uma pequenina parte da minha falta de espírito natalício se deve ao facto de ter sido poupadinha a comprar umas armações de óculos de 24,50€ (deixando o meu coração a bater por umas armações da RayBan lindas!) para depois pagar um total de 205€!!!!! Isso! 90€ cada lente. Fiquei louca. Ainda não recuperei! E nem o bom humor. Ando com o maior dos cuidados à volta da porcaria das armações de 24,50€, não vá adormecer com elas ou assim...

O resto do espírito natalício esfumou-se entre decepções com amigos (gosto particularmente daqueles que adoram vangloriar-se de algo, incessantemente, sabendo que isso causa mau estar em pessoas que até gostam deles), com uma tristeza que não passa, com o estar cansada de remar contra a maré quando o barco encalhou há tanto tempo, e com a falta de força vontade que alguém me apontou, de forma certeira mas ligeiramente cruel nos últimos dias. 

Mas se isso não ajudasse, as pessoas chegam a esta época e transformam-se. Tipo noivas: até estarem para casar são do melhor que há de moças, quando se aproxima o momento... PASSAM-SE. Solta-se-lhes o caprichoso, a petulância, a arrogância e a ganância. Não quero generalizar, mas já vi noivas que com os presentes de casamento se transformaram em seres que envergonhavam o Armando Vara.

Assim acontece por este mês de Dezembro. Uma pessoa sai à rua e tentam-na converter várias vezes a uma religião qualquer, com o advento de Cristo metido ao barulho. 

Ninguém respeita filas pra' nada e as compras de Natal servem de belíssima desculpa para estacionar o bólide em qualquer lado ou, melhor, acelerar e quase atropelar peões incautos. 

E, de repente, somos todos amigos, mesmo aquelas pessoas que mal nos falam durante o ano, que não têm 15 segundos para responder a uma mísera SMS a dizer "Olá, estou bem, que bom que te tenhas lembrado de mim!" Multiplicam-se jantares de Natal, que são cerimónias reais do espírito de Natal, e outros que são marcar presença porque fica bem. E quando uma pessoa tenta marcar mesa para 2 (duas amigas que vão jantar e matar saudades), está tudo cheio. Crise? As pessoas sabem que sim, mas é Natal, não conta.

Para finalizar, 3 momentos de alucinação:

1) os taxistas conseguem estar ainda piores do que o seu "ser" normal (maldispostos, refilões, impossíveis e ignorantes sobre as ruas de Lisboa, coisa que me deixa louca... é o trabalho deles, caramba!)

2) aparecem indianos, paquistaneses, o que sejam, a vender, pelas ruas da cidade, Pais Natal made in Bangladesh pirosos como só mesmo naquela parte do mundo, que se mexem ao ritmo de um Jingle Bells assassinado e acendem luzinhas, tipo as imagens da Nossa Senhora que se vendem em Fátima. A par dos Pais Natal, bailarinas da dança do ventre. A sério,não há multi culturalismo que aguente esta merda. 

3) O Circo Chen, com imitação baratinha, mas mui em moda do Cirque de Soleil, em Entrecampos. De cortar os pulsos. O circo, a imitação e a localização. Se há coisinha que não gosto mesmo nada no Natal*, é a festinha circense. As roupas, os animais presos em jaulas, a pobreza franciscana total, os palhaços. Desde os 2 anos que odeio circo e calha-me sempre um perto. 






*Também não acho piada a pessoas que não se esforçam a dar presentes, compram sem pensar na pessoa a quem vão oferecer. Não é uma questão de dinheiro, é uma questão de se se oferece é porque se nutre pela pessoa ofertada determinado sentimento. Isso devia valer alguma coisa. 





Comentários

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência.  O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas.  A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado. E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade.  A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

na verdade, estou lá (4)

Villa Amanda The Corridor - Blue Sea, Cabo San Lucas, Mexico via Luxuary Retreats

na verdade, estou lá (6)

Calandra Porto Rotondo, Sardinia, Italy via Luxuary Retreats