Avançar para o conteúdo principal

Raios'Partam a 2ª feira

Primeiro, foi o sono! Tanto, mas tanto, que já acordei pra' lá da hora devida. Em espanto. Tipo, "nah, isto não me está a acontecer!".

Depois foi a corrida ao banho sob o sacana do dia mais frio do ano. Adoro estes dias solarengos ainda que gelados mas não particularmente à saída da cama quente, atrasada e em stress.

Ainda não tinha entrado na banheira e já tinha uma unha partida. E outra. Parecia cena de filme, estando eu a ser vitima de uma bactéria fulminante. E num ápice lasquei o verniz. A bufar pelas orelhas, dediquei-me ao Guiness com o banho mais rápido e eficiente do mundo, contemplando mesmo assim exfoliação facial. Envolta numa manta de vapor vá de rapidamente tentar livrar-me do verniz azul escuro. Tarefa, amiguitos, que exige esforço, paciência e só muito algodão e diluente depois aquela porra sai. Quer-se dizer, ainda há restos, parece que andei a pintar paredes.

Passo seguinte: hidratação e maquilhagem. Quase de olhos fechados. Esqueci-me do pó compacto mas, pronto, siga.

Tank, vestido, collants, meias, botas, casaco sem mangas. Não, salta o casaco que ficava uma versão XXL da Popota, troca-se por casaco de malha fina, cachecol e... Pumba, já de oculos de sol numa mão e luvas noutra, os collants rompem-se. Pânico! E agora?

Mais 10 minutos a descalçar botas, difíceis pra' xuxu, e meias para trocar os ditos cretinos, ou verniz à moda do desenrasca e rezar para que se aguente até que as Amoreiras abram? Claramente, a segunda opção saiu-se vencedora de caras. Claro, tambem, que às 9:30, perto de um acesso de raiva monumental, já estava a cravar à miúda fixe do escritório que me comprasse, p'loamordasanta, uns collants  porque estava a pontos de ficar punk num instante. Apesar de ter verniz colado à perna e o vestido manchado.

Às 11 da manhã estava exausta e capaz de me armar em Nero.

Almocei quase às 4 da tarde. Ou melhor comi 1/6 porque tinha "n" coisas para fazer e uma ida ao médico ao fim do dia. E que bem que correu. Ainda ando à caça dos estilhaços. 

Pudera este  cansaço-

Comentários

Floripes Antunes disse…
Ai rapariga, que me deixaste exausta. E ainda tenho que enfrentar mais 4 dias de azáfama infernal!
Mary disse…
Sinto-me lisonjeada por ser a "miúda fixe do escritório" e culpada pelo teu almoço tardio. Balanço final? Para a próxima, vai aos pregos!!!
Mónica disse…
Disclaimer: eu não disse que a culpa de comer tarde fora de alguém se não minha, quanto muito. Que não tive tempo de ir à rua e dependi da bondade de estranhos para almoçar pouco pois fome... Puff!

Raio da miuda fixe e o mau feitio!
Mary disse…
Eeeeuuuuuuu...? 0:-)

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência.  O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas.  A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado. E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade.  A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

na verdade, estou lá (4)

Villa Amanda The Corridor - Blue Sea, Cabo San Lucas, Mexico via Luxuary Retreats

na verdade, estou lá (6)

Calandra Porto Rotondo, Sardinia, Italy via Luxuary Retreats