Avançar para o conteúdo principal

Bad humour







Hoje falei com uma pessoa que só me queria pedir um favor. 

Apenas me queria pedir se lhe enviava um envelope e um selo para que me pudesse devolver algo que lhe tinha sido solicitado. Queria fazê-lo e cumprir com uma diligência resultado de um erro que não havia sido seu, apenas mais uma incompetência do costume. 

Porém, não o podia fazer porque está dependente da ajuda financeira de terceiros e não conseguia pedir mais uns cêntimos para o selo e o envelope. 

E uma pessoa que não conheço, que não vou conhecer (à partida), que teve a sua sucessão de azares, doenças e más decisões (estas conclusão daquelas, talvez, não sei) que não posso ajuizar ou comentar, partiu-me o coração. 

Não sou nada dada a estas coisas e tento sempre reagir com pragmatismo e uma palavra positiva. Mas de repente nem palavras, nem chão. Puff, foi-se tudo!

Custa muito ouvir coisas destas. Na primeira pessoa. Na nossa vida normal. É a miséria que não se contabiliza. 

Não sendo propriamente um exemplo de aforradora brilhante, muito pelo contrário, lido mal com as dificuldades dos outros. 

E cada vez me faz muita (mesmo, muita) confusão aquelas pessoas que tendo uma vida afortunada, nos tempos que correm, que conseguem manter um bom nivel de vida, pelo seu trabalho (consideremos apenas estes, for argument sake) e por não terem sido afectados pelo desaire económico que assola o país, que assumem uma atitude de "Ok, sim, é verdade, há uma crise, é lixado, mas eu estou bem, a mim não me toca, não vou entrar numa onda de neurose colectiva. Querem ver fotos das minhas férias no Brasil? Ou dos meus Louboutins acabadinhos de comprar? Ou da placa vibratória que acabou de aterrar cá em casa para eu ficar ainda mais em forma?"

Onde abunda prosperidade (mesmo que mais do que merecida), falta bom senso e sentido de pudor. Não estou a dizer que comecemos todos a distribuir os nossos bens à força, ou a deixar de consumir (nada apologista disso, de todo), ou a punir quem tem e pode... Mas, caraças, algum respeito pelos outros. O novo riquismo é aflitivo. É uma praga. Odeio pessoas assim. É uma nova forma de arrogância. 

Estou destruída. Aquela conversa afectou-me. Não me acordou para a vida. Mas mexeu comigo. 

E, não, não estou naqueles dias. 

Comentários

Lúcia disse…
E a blogosfera está cheia de exemplos, há uma necessidade imensa de mostrar, que acaba por ser mais forte do que o pudor de se expor.
E sim a crise já não é só conversa da comunicação social, mesmo quando não nos afecta directamente a nós, afecta e muito alguém ao nosso lado. É impossível passarmos ao lado, porque quer queiramos ou não, ainda que indirectamente acaba por nos afectar.
A classe mais baixa e que nunca conseguiu o seu pé de meia, e que de repente não tem trabalho está a passar muito mal.
Anónimo disse…
Vivemos dias tão estranhos, tão desequilibrados e tão injustos... é tão estranho não sermos todos iguais, não termos todos, à partida, as mesmas oportunidades.
Quando eu era pequena aprendi que éramos remediados e que era de gente do bem ajudar quem mais precisava.
Hoje há tanta gente a precisar e precisar de ajuda ou não ter sorte na vida tornou-se uma vergonha.
Mónica disse…
é lamentável que num momento em que as coisas estão tão mal, tão generalizadamente, haja que haver vergonha. pelo contrario, devia haver sentimento de comunhão, apoio e entreajuda. e quem está mal, vê a vida a andar para trás, ainda parece ser tratado como criminoso. Claro que todos fizemos más escolhas, eu se soubesse nao teria comprado casa, por exemplo, entre outras alucinaçoes, mas estas dão sal e pimenta à minha vida. E outros nem sequer se esticaram ou viveram acima das suas posses, tinham uma vida organizada ao milimetro e bastou uma peça cair, para tudo se desmoronar. A isto soma-se a dificuldade em voltar ao mercado de trabalho, a quebra nos salarios, o aumento dos encargos...

Obviamente que quem pode, pode e nao tenho nada contra quem pode viver bem. As pessoas não vão deixar de ter mais um vestido, ou jantar fora todos os fins de semana, ou ter mais um filho, ou ir de ferias para o estrangeiro porque há uma maioria que nao pode. Sempre haverá quem tem (mt) dinheiro e quem não (tanto) dinheiro.

O que me custa é o exibicionismo e ostentação nestes tempos por cima do argumento, óbvio de quem antes nada tinha e passou a ter, e não o encaixou com humildade e elegancia, de que a crise nao os afecta, o dinheiro é ganho com suor, sangue e lagrimas e ninguem tem nada a ver com isso. Tudo verdade, mas tudo discurso de m****. São pessoas mal formadas. É como estar no meio de uma epidemia em que a grande maioria está de quarentena e nada pode fazer, e uma parte da populaçao, ainda saudavel usufrui de um status quo para lá do normal que nao se coibe de mostrar aqueles que estao metidos no isolamento. Tristes.

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência.  O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas.  A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado. E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade.  A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

a importancia do perfume e a duvida existencial do mês

Olá a todos advogo há bastante tempo que colocar perfume exalta a alma; põe-nos bem dispostos e eleva-nos o bom espírito. Há semelhança do relógio e dos óculos de sol, nunca saio de casa sem perfume, colocado consoante a minha disposição, a roupa que visto e o tempo que está. Podem rir-se à vontadinha (me da igual) mas a verdade é que sair de casa sem o perfume (tal como sucedeu hoje) é sempre sinal de sarilhos. nem mesmo umas baforadas à socapa no táxi via uma amostra que tinha na mala (caguei para o taxista) me sossegaram, ate pq não era do perfume que queria usar hoje. E agora voltamos à 2ª parte do Assunto deste email: duvida existencial do mês Porque é que nunca ninguém entrou numa loja do cidadão aos tiros, tipo columbine, totalmente alucinado dos reais cornos? É porque juro que dá imensa vontade. Eu própria me passou pela cabeça mas com a minha jeiteira acabaria por acertar de imediato em mim pp antes de interromper qq coisa ou sequer darem por mim. lembram-se de como era p

Dos factos reais

Os anos, as histórias, as cicatrizes, as tatuagens, as noites ébrias, o acordar sóbrio, as dores, a dança descontrolada de emoções.  O orgulho, a entrega, a força, a paixão, a cegueira, o racional que cede ao mais descabido improvável. A raiva, o amor, a dúvida, a euforia, a esperança, o desmoronar.  O fugaz, o consumo rápido e descartável, o compromisso, o receio, a expectativa. A impaciência, a intolerância, a falta de vontade de começar do zero.  O desejo, a avidez, a imperfeição pautada por gargalhadas, a tesão em gotas de suor e olhos famintos.  A partilha, a distância, o querer tanto e tanto calar, a explosão arrebatada, a plenitude.  A tempestade, a tristeza, o vazio. O querer estar só, a solidão, a ânsia pelo abraço silencioso.  Os beijos que são tudo, os beijos estranhos de rostos que nem lembramos.  A auto punição, sensação de mais um erro, a pulsão do falhanço, o sintoma do irreparável. A certeza de que fazemos tudo mal.  É uma constru