Avançar para o conteúdo principal

caridadezinha

Este ano, a marca de lingerie e swimmwear , Calzedonia escolheu, para além da Sara Sampaio, a modelo australiana Robyn Lawley, uma das modelos mais conhecidas na categoria "BIG", ainda que a belíssima senhora quanto muito tenha curvas generosas, não sendo necessariamente gorda. É abonada em formas, digamos. 







Tudo muito dandy. A minha opinião sobre o tema não é para aqui chamada, agora.

O que me irrita profundamente é que isto seja motivo de debate nos media e nos blogs com as bloggers, magras de estúpidas, em bicos de pés, injectadas de provincianismo básico, a aplaudir esta decisão como se fosse já tempo de dar alguma atenção a uma minoria, as Gordas, the freakshow

É como os liberais brancos baterem palmas à eleição do Obama como 1º presidente negro dos EUA. Significa reduzir o homem, com as suas vastas qualificações e inegáveis putativas qualidades, a um estereótipo. À sua cor. Então mas Obama não era claramente o melhor candidato? A Robyn não é uma mulher bonita e sensual, não merece naturalmente ser rosto de uma campanha da Calzedonia? Mesmo com photoshop, em abono da verdade (o que revela o quão triste é na verdade esta puta de história).

E a eleição do Obama conduziu a uma redução drástica do racismo? Não creio. Da mesma forma, que esta campanha, enquanto acto isolado, não vai em nada mudar a mentalidade vigente no mundo da moda e na sociedade em geral. 

Continuaremos a ser vistas como ou portadoras de defeitos genéticos, ou bizarras porque não comemos sopa-alface dia sim dia sim, ou pessoas sem coluna vertebral porque não nos levantamos às 6 da manhã para ir correr pela cidade ou para uma passadeira até à exaustão, gastando dinheiro em dietas e ginásios (sim, nem todas podem ir ao ginásio e ter PT à borla, à custa de muita publicidade... as pessoas normais pagam! É uma chatice, mas é a vida), ou pessoas sem força de vontade para ingerir apenas seiva... até cair. Até estarmos tão perfeitas num bikini como as nossas amigas. Até não sermos alvo de comentários bichanados. 

Alguma magra que me diga que acha esta campanha o "máximo" como se a inclusão de roliças fosse um projecto social de caridade e leva com o meu peso todo em cima. 

Comentários

Mary disse…
Não acho nada que esta e outras campanhas do género sejam sinónimo de caridade(zinha). Gosto de pensar, sim, que as mentalidades estão a mudar - muuuuuuito devagar, é certo - e que, quando os meus filhos forem crescidos, talvez já não lhes seja exigido comerem alpista para serem estética e socialmente aceites.
Mónica disse…
Os teus filhos nunca vão precisar de comer alpista, tal como tu. E ainda bem. O que significa que não poses saber o q é ser-se socialmente mal-visto. O q custa não poder ir à zara sequer. É uma questão de perspectiva. Podes opinar mas não fazes ideia. Nenhuma.

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência.  O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas.  A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado. E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade.  A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

a importancia do perfume e a duvida existencial do mês

Olá a todos advogo há bastante tempo que colocar perfume exalta a alma; põe-nos bem dispostos e eleva-nos o bom espírito. Há semelhança do relógio e dos óculos de sol, nunca saio de casa sem perfume, colocado consoante a minha disposição, a roupa que visto e o tempo que está. Podem rir-se à vontadinha (me da igual) mas a verdade é que sair de casa sem o perfume (tal como sucedeu hoje) é sempre sinal de sarilhos. nem mesmo umas baforadas à socapa no táxi via uma amostra que tinha na mala (caguei para o taxista) me sossegaram, ate pq não era do perfume que queria usar hoje. E agora voltamos à 2ª parte do Assunto deste email: duvida existencial do mês Porque é que nunca ninguém entrou numa loja do cidadão aos tiros, tipo columbine, totalmente alucinado dos reais cornos? É porque juro que dá imensa vontade. Eu própria me passou pela cabeça mas com a minha jeiteira acabaria por acertar de imediato em mim pp antes de interromper qq coisa ou sequer darem por mim. lembram-se de como era p

Dos factos reais

Os anos, as histórias, as cicatrizes, as tatuagens, as noites ébrias, o acordar sóbrio, as dores, a dança descontrolada de emoções.  O orgulho, a entrega, a força, a paixão, a cegueira, o racional que cede ao mais descabido improvável. A raiva, o amor, a dúvida, a euforia, a esperança, o desmoronar.  O fugaz, o consumo rápido e descartável, o compromisso, o receio, a expectativa. A impaciência, a intolerância, a falta de vontade de começar do zero.  O desejo, a avidez, a imperfeição pautada por gargalhadas, a tesão em gotas de suor e olhos famintos.  A partilha, a distância, o querer tanto e tanto calar, a explosão arrebatada, a plenitude.  A tempestade, a tristeza, o vazio. O querer estar só, a solidão, a ânsia pelo abraço silencioso.  Os beijos que são tudo, os beijos estranhos de rostos que nem lembramos.  A auto punição, sensação de mais um erro, a pulsão do falhanço, o sintoma do irreparável. A certeza de que fazemos tudo mal.  É uma constru