Avançar para o conteúdo principal

O mundo da escolha

É proverbial dizer-se que no processo de optar, há sempre algo que se perde.

Por mais racional que seja a escolha, por mais óbvios que sejam os dividendos (um beijo apaixonado, uma caricia de um filho, uma viagem a África, um por de sol com um bom vinho, uma sessão de cinema), o que é preterido encerra em si uma perda. Pode ser menor, mas é algo que não fazemos / vivemos / experimentamos/ ganhamos num determinado contexto.

Tenho andado a amassar pão desde há anos (figurativo, asseguro). Com alegria, boa disposição, de porta aberta (da cozinha... sim, figurativo), com vontade de partilhar o resultado, com amigos por perto, com tristeza, desilusões, muita lágrima, com uma dor que atravessa, instala-se, comprime, bloqueia. E sempre a bater na massa, com esperança que o pão ganhasse forma e ficasse bem cozido.

Eternamente, uma carcaça.

No entanto, encontrei fermento. E não o vou largar. A vida é feita de prioridades. E neste momento sei qual é a minha. Contra os gurus, as vozes da experiência, os ditadores do calendário de vida.

Tenho uma opção que me faz sentir realizada, satisfeita, que exije que eu vá mais longe. E que me obriga a abdicar de tempo e de pessoas. Ou melhor, a racionalizar melhor o tempo e apenas usá-lo com algumas pessoas.

A escolha pode incluir perdas mas estas só o serão se não sentirmos como basilares ou não aproveitarmos ao máximo as opções que fazemos.

Vou ganhar prémio miss simpatia? Não. Vou bater recordes de socialização? No way! Vou dormir muito? Espero bem que sim ou dar-me-á fanico. Mas estou muito segura e optimista. E é bom.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência.  O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas.  A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado. E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade.  A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

na verdade, estou lá (4)

Villa Amanda The Corridor - Blue Sea, Cabo San Lucas, Mexico via Luxuary Retreats

na verdade, estou lá (6)

Calandra Porto Rotondo, Sardinia, Italy via Luxuary Retreats