Avançar para o conteúdo principal

Há dias assim...

A semana passada vi um filme de 2006, Friends with Money, a história de 4 amigas que estão ou aproximam-se dos 40 anos, com evoluções de vida dispares. O filme mostra como elas e respectivas familias interagem com estas novas realidades da vida de cada 1 e como se criticam pelas escolhas e diferenças que cada uma delas teve. É um drama / romance bem pensado e escrito. Entre outros, o filme conta com actrizes como Frances McDormand, Jennifer Anniston e Joan Cusak.
Uma das personagens, bem sucedida e endireinhada, a certa altura deixa de lavar o cabelo. toma banho, veste-se de forma meio abandalhada mas o cabelo não leva água nem à força da bala. Quando amigos e familiares a chamam atenção para o facto ela desdramatiza sucessivamente até admitir que lavar o cabelo diariamente dá muito trabalho. está cansada e os braços custam-lhe a estar no ar a ensaboar a melena.
Bizarro? Não, nada. Entendo-a na perfeição. Há coisas, pequenas coisas, rotinas, que em determinados dias ou momentos da nossa vida são 1 frete. Aliás, tudo é uma seca e arrastamo-nos durante o dia à espera que chegue o sofá ou a cama. Há um cansaço e uma falta de motivação para coisas mesmo as mais básicas.
Hoje estava assim, e não conseguia parar de rever as cenas do filme na minha cabeça e fazia sentido.
Há dias mesmo lixados.
PS. descansem, continuo a lavar o cabelo mas que já chateia ao fim de 33 anos, já!!! :)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência.  O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas.  A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado. E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade.  A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

na verdade, estou lá (4)

Villa Amanda The Corridor - Blue Sea, Cabo San Lucas, Mexico via Luxuary Retreats

na verdade, estou lá (6)

Calandra Porto Rotondo, Sardinia, Italy via Luxuary Retreats