Avançar para o conteúdo principal

Match Point (coisas que não entendo 2)

Gosto de ténis. Não sou especialista nem fã compulsiva e muitas das regras são para mim ainda um mistério, mas gosto de ver jogar. É um desporto elegante, dinâmico, aguerrido, jogado com técnica, força e inteligência. Alia mente e corpo, o que define a diferença entre um praticante e um desportista.
Sempre que posso vejo uma partida na tv. Gosto particularmente do Nadal e gostava do Boris Becker e do Ivan Lendl. Do que me recordo. Em mulheres, nunca tive grandes preferências mas sempre torci pelas Williams pelo nivel de força que punham em jogo. Não duvido que esteja a afirmar um sacrilégio para os verdadeiros amantes mas gostava delas. E ver ao vivo um bom jogo é sempre vibrante.
Isto tudo para dizer que perante o que tenho visto e lido nos media, acho vergonhoso que o Estoril Open se tenha tornado numa Feira das Vaidades de pseudo famosos que não pescam um corno de ténis e que tambem nao querem saber, mostrando um desrespeito brutal pelo jogo em si. Querem o croquete, a champanhe e mostrar-se aos flashes nas tendas dos sponsors.
O Estoril Open acaba por reflectir um mal que arrasa com o país de lés a lés: o provincianismo. Quer sejam os saloios das berças, a arraia miuda, a subcategoria de pessoas wanna be até a individuos com responsabilidades economicas / politicas / sociais, há um virus provinciano que se generaliza.
Somos o suburbio de tudo o resto e parece que gostamos. É uma merda porque esta atitude atrasa o país e transforma uma franja maioritária da população em pessoas desinteressadas e desinteressantes. E pouco exigentes. É uma pena.
Aliás, é muito triste, na verdade.

Comentários

MB disse…
Tens mesmo toda a razão. Já pensei nisso várias vezes. Quanto às preferências dos bons velhos tempos... Steffi Graff, minha amiga, Steffi Graff...
Tigrão disse…
Eu só gostava do Boris Becker pois, era alemão e fazia-me as delicias quando era chavalo e gostava daquela irreverência educada num jogo de senhores. Ah! também simpatizava com o Stefan Edberg. Porquê? Porque também era educado e hoje acho que o facto de ser sueco e de conhecer suecas tinha a sua relevância...
Hoje em dia não tenho a mínima dúvida: Roger Federer. Apesar de actualmente estar um pouco na mó de baixo ("só" está na segunda posição do ranking ATP) é delicioso ver a frieza, a concentração e sobretudo a elegância com que bate as bolas. O ténis feminino nunca me cativou por aí além, ainda que admita que a Graff tinha uns belos encantos...
Relativamente a croquetes, há-os bem catitas aqui na tasca ao fim da rua onde também há Sporttv paar ver o ténis, sem necessidade de ir aturar essa gente fatela que conspurca o ideal tenista.
Mónica disse…
acresce que a tasca da esquina tem uns caracóis que me deixaram aguada desde que os vi. mnham mnham

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência.  O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas.  A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado. E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade.  A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

na verdade, estou lá (4)

Villa Amanda The Corridor - Blue Sea, Cabo San Lucas, Mexico via Luxuary Retreats

na verdade, estou lá (6)

Calandra Porto Rotondo, Sardinia, Italy via Luxuary Retreats