Avançar para o conteúdo principal

sindroma da casa vazia

nós tugas somos apegados ás variáveis da estabilidade: a familia, o casamento, o emprego de longo prazo, morar na cidade em que crescemos (até c/ preferencia pelas proximidades com zona ou bairro onde mais tempo vivemos).
somos saudosistas, pouco arrojados e gostamos do nosso cantinho sem grandes chatices. e com almoços de familia a darem-nos a lembrança que ali há sempre porto de abrigo por mais disfuncional que seja.
não é que tenha nada de mal mas faz-nos falta mais golpes de asa para nos atirarmos de cabeça
vía isso vezes sem conta na actividade profissional que desempenho, pessoas que nao iam de lisboa para o porto (havia mesmo pessoas que nao queriam trabalhar em cascais porque viviam em loures!!!).
contra mim falo... é a minha ultima noite na casa que eu escolhi (na internet), a unica que vi, a que reservei ao fim de 10m de visita. A casa que eu mobilei sozinha em volta de um sofá que havia no ikea. a casa onde arranjei vezes sem conta a maquina de lavar a louça. a casa onde durante semanas dormi no sofá em frente ao lcd que verdadeiramente á burguesa comprei. a casa onde fiz as minhas noites de natal desde 2005 sempre tão minhas e especiais.
está quase vazia a minha casa. sobrou o que não posso levar ou que não é prioritario. mais o pc (que bela porcaria!!!) e a cama mas amanha estarão paredes sujas da mobilia que saiu. e parte de mim fica agarrada ao ninho que montei por minha conta e risco. detesto ser assim tão tuga. acredito que o segredo do ikea para alem de serem os preços baixos é o de se ter encaixado inicialmente a uma cultura de norte em que a mudança e as raizes flutuantes propiciam o florescimento do negocio.
mas enfim, lá devo ter alguma coisa do galo de barcelos em mim.
amanha começa outra fase de risco. mas vai demorar a matar saudades deste sitio em que chorei, ri e vivi contente, coisa que parece já ser uma memória de outra vida.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência.  O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas.  A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado. E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade.  A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

na verdade, estou lá (4)

Villa Amanda The Corridor - Blue Sea, Cabo San Lucas, Mexico via Luxuary Retreats

na verdade, estou lá (6)

Calandra Porto Rotondo, Sardinia, Italy via Luxuary Retreats