Avançar para o conteúdo principal

Dias e dias

Há dias em que uma pessoa, cheia de boa vontade, põe o pézinho fora da cama, mentaliza-se que a bem da economia há que ir trabalhar porque senão passa-se a comer Farinha 33, e entra na casa de banho já semi desperta. Olha-se ao espelho e a vontade que dá é: ser um novo Forrest Gump! Correr, correr, correr e só parar quando já não se conhece ninguém, não se vê ninguém, nem nos vemos a nós próprios.

A partir daí, o dia vai ser doloroso. 
Ou não. 

"Provei" de um fantástico momento de vingança. Sim, sim, a vingança não é um sentimento "bonito". Pois, mas punham lá o couro a assar onde quase torriquei a moleirinha durante anos, sofram com a visão da maldade pura em estado real e depois não me venham dizer que pequenas vinganças não sabem a leite condensado saído directamente da lata. Não tenho problemas católicos. Fico mesmo contente com determinados males alheios. E, mais, feliz pela felicidade dos meus amigos.

Logo isso deu para animar. Em seguida, o trabalho correu bem dentro do género gosto do que estive a fazer e dei azo à minha veia organizativa. 

E quando uma pessoa vai ao cinema à sessão das 19h10, dá para parar e pensar: "Porra, que qualidade de vida!". Ver um filme, a uma hora decente, sem confusão nem pessoas a atender o telemóvel e de mão dada com o moço. Melhor: o moço não amaldiçoou o filme em momento algum!

Já antes, deambulando no El Corte Inglés, elogiaram-me as pestanas longas e o olho azul. Fui maquilhada, para passar o tempo, ofereceram-me uma mascara para as pestanas preta e descobri um perfume que me deu volta à cabeça. Estas pequenas coisas sublimam a existência. Adoro descobrir coisas novas que gosto muito.

E, assim, amanhã logo se vê como se alinham os chakras. Hoje já passou!

Comentários

Xana Branco disse…
Gostei da máscara de pestanas preta! Deve ficar a matar nos teus olhos... aliás, adorava ver-te com um smokey eye.

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência.  O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas.  A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado. E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade.  A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

na verdade, estou lá (4)

Villa Amanda The Corridor - Blue Sea, Cabo San Lucas, Mexico via Luxuary Retreats

na verdade, estou lá (6)

Calandra Porto Rotondo, Sardinia, Italy via Luxuary Retreats