Avançar para o conteúdo principal

Da firmeza em nós



Em algum dia tinha que estourar. Esticamos tanto a paciência, a espera, os limites da tolerância pelo que nos dão, pelo que nos sonegam, pelas meias respostas, pelos silêncios, pelos entusiasmos renovados seguidos por abruptos “já era”, pelas indecisões, pelas palavras sem conteúdo.


No fundo, exaustos pelas promessas dos anúncios, dos livros, dos amigos, das infinitas possibilidades à disposição de um click. E nada, de facto, verdadeiramente revelador, substancial, honesto, genuíno, se desenrola.

Tudo continua no seu ritmo de peças que não encaixam, de jogos que temos que jogar, de aparências para não mostrar entusiasmo inusitado, ou distância que não revele que também caçamos, ou um sinal de putativa carência que possa ser a queda do arame.

Num dado momento, já não podemos ser o garante de tudo e todos. Assumir o nosso egoísmo é somente a sequela. Firmar o pé, com total segurança. Basta de apenas receber quando é oportuno aos outros. De termos que dar vários passos atrás para que de repente a nossa presença seja alvo de saudades.

Os nossos limites vão-se desgastando. 

Não apagamos as dúvidas mas ganhamos certezas de que o tempo é valioso, é nosso e não o podemos esbanjar com oportunidades que sabemos de antemão são perdidas. Navegar no vago não tem propósito, excepto enganar-nos. E dar-nos algum conforto, esperança, ainda que saibamos que é ténue, frágil. Então, rasguemos os panos e assumamos que somos (muito) mais e mais fortes quando estamos numa paz tranquila, natural, rica, com os que nos rodeiam. E connosco.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência.  O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas.  A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado. E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade.  A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

na verdade, estou lá (4)

Villa Amanda The Corridor - Blue Sea, Cabo San Lucas, Mexico via Luxuary Retreats

na verdade, estou lá (6)

Calandra Porto Rotondo, Sardinia, Italy via Luxuary Retreats