Avançar para o conteúdo principal

Big Day, Rugby Day


Apesar de não ter ainda recuperado da derrota de Inglaterra pela selecção francesa (sim, pelos franceses!!!), hoje é dia decisivo no Rugby World Cup 2011 - New Zealand.

Como estamos com fuso horário de 12 horas de diferença, de madrugada em Portugal (tipo, 6 da manhã), começa o penultimo jogo dos quartos de final, em que espero bem que os australianos Wallabies arrumem os Springboks sul africanos. 

Duas horas e meia depois, é a vez dos All Blacks mandarem de volta para as pampas a equipa argentina.

Ainda não estou em mim, os sacanas dos Galos mantém-se em competição. Irritantezinhos do caraças!





Comentários

Dulce disse…
Os teus desejos foram ouvidos... os Springboks vieram para casa mais cedo (embora com um ligeiro sabor a injustiça, já que jogaram melhor que os adversários...) bem, pelo menos é o que a imprensa por aqui diz, que eu às 6 da manhã estava na caminha :)
Mónica disse…
A este nivel de competição há sempre gostinho de injustica porque a qualidade está balizada pra' cima ou o factor surpresa, caso da Argentina, também não ajuda. No rugby é uma questão do estado de maturidade de renovacao das equipas, de leitura do estilo do adversario e de inspiração assente em algo fundamental: trabalho de equipa. E depois cada 1 tem os seus preferidos. Nunca vou gostar dos franceses nem que joguem milagrosamente bem mas pelo menos ninguem pode dizer que foi o arbitro ou q foram beneficiados. That's the beauty
PFC disse…
Como sabes sou um springbok supporter...
Mónica disse…
ó springbok supporter, alguém tinha que ficar pra' trás. Eu preferia os Galos, confesso, mas o tempo do invictus já lá vai e tirando os Galos estes finalistas são catitas.

E com a quantidade de torneios, cups, campeonatos, jogos amigaveis, de preparação, taças a 6, a 3, a 5... bom, há sempre quem ganhe!!! That's the beauty!!!

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência.  O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas.  A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado. E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade.  A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

na verdade, estou lá (4)

Villa Amanda The Corridor - Blue Sea, Cabo San Lucas, Mexico via Luxuary Retreats

na verdade, estou lá (6)

Calandra Porto Rotondo, Sardinia, Italy via Luxuary Retreats