Avançar para o conteúdo principal

los sueños no llevan edad

Estão sempre a acusar-me de ser uma deprimida (nah, a sério?!), sem ponta de vida, resignada às chatices e que desistiu... pura e simplesmente, enrolei-me na manta (metaforicamente porque com este FdP de calor...) e estou à espera que o tempo passe.

Pois, pode ser tudo muito verdade e eu ser uma grande seca, uma pessoa horrivel, um ser intragável, um tédio total, o raio que o parta, mas que me dá um gostinho especial ver a Cayetana na rambóia, mandar o rei às urtigas, pagar aos filhos para estarem mas é caladinhos e aos 85 anos viver os seus sonhos... pois dá!

Vox populi acha isto tudo uma falta de juizo da velha, capricho de rica... Ai, gentinha curta das ideias que dá dó.

Aos 18, aos 25, aos 30, aos 40, o mantra é "vive os teus sonhos", senão és um careta que nunca foi à puta da India, nunca plantou uma árvore, nunca fez um ménage à trois, nunca teve um filho, nunca ... VIVEU. Vive, vive, vive... Sai de casa, da cama, sai do sofá. Corre, caminha, viaja, vê as estrelas, apanha sol, faz noitadas, troca confissões, faz amigos, dispensa-os ao fim de 3 meses. Vive, faz acontecer, sente. Estás a sentir? Não? És um merdas.

Aos 85 anos, oh pá, nada disso. Andarilho, programa do Goucha com a rainha da feira de Mafra, Lindor e uma excursão de vez em quando a Ponte de Lima. Sonhar, viver, sentir já não se gasta com os velhos.

Ah, grande Cayetana. OLÉ!



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência.  O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas.  A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado. E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade.  A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

na verdade, estou lá (4)

Villa Amanda The Corridor - Blue Sea, Cabo San Lucas, Mexico via Luxuary Retreats

na verdade, estou lá (6)

Calandra Porto Rotondo, Sardinia, Italy via Luxuary Retreats