Avançar para o conteúdo principal

Movie Marathon


Era suposto ser uma comédia. 

Mas a existência da madrinha é tão triste que não me consegui rir.




Expectativas baixas. Menos mal, no fim. 

Tem NY. Tem os Hamptons. Pronto, não há pachorra para a Kate Hudson. Mas, vá, depois do Horrible Bosses... Bom para o fim de tarde.


Que m****

Eu sei que a ideia de um file com chefes déspotas e FdP a serem alvos de vingança cruel me enchia as medidas e talvez me entusiasmava um pedacinho mais que o normal... mas da-se, não me arrancou uma única gargalhada. 
Um sorriso, ainda vá, entre a Jennifer versão slut (tão nada a ver!!!) e o seu assistente idiota e estilo esquilo mas ... MAU, MAU, MAU

Perda total de tempo. 
Nem o acabei de ver!






Admito... Estou farta de rir com o Justin Timberlake. A sério. 

Nice & Smooth!

Talvez se eu fosse mais parecida com a ucraniana e tivesse aquela voz, a minha carreira de headhunter tivesse sido mais bem sucedida. Isso e viver em NY. E não ter um horrible boss. E ser podre de boa, como a Mila Kunis.

Comentários

Anónimo disse…
Caraças! Já me deste cabo das expectativas. Vou deixar de ler este pasquim :)
Então o "Horrible Bosses" é uma merda? Raios! Eu que eu já tinha esse preparado na lista para ver este fim-de-semana, mas assim ... Mas é assim tão mau? Sei lá, pior que este "How Do You Know" que eu tive o desprazer de ver este feirado e que me fez chicotear pelo facto de ter sido masoquista ao insistir vê-lo até ao fim?
O Justin ... embirro com ele. Não sei explicar. Existem actores e actrizes com que embirramos. Até podem ser bons, mas ... o grau de embirração é mais forte.
Simpatizo com o John Krasinski por causa do The Office. Mas depois de ter visto alguns filmes com ele, percebi que ele não cosegue perder os tiques que tinha na série. Na prática, versatilidade é uma coisa que não lhe assiste.
O da despedida de solteira, só mesmo se tropeçar nele num zapping que esteja a fazer pelo TVCine

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência.  O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas.  A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado. E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade.  A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

na verdade, estou lá (4)

Villa Amanda The Corridor - Blue Sea, Cabo San Lucas, Mexico via Luxuary Retreats

na verdade, estou lá (6)

Calandra Porto Rotondo, Sardinia, Italy via Luxuary Retreats