Avançar para o conteúdo principal

Das certezas

Desde pequena (sim, como se tivesse crescido imensoooo...), que tenho duas grandes certezas: que sou do Benfica (always) e que não sou religiosa. Bom, naquela altura, não seria, de todo, católica, que era a única fé com a qual tinha contacto mais próximo.

Sempre me senti mal em igrejas. A solenidade eucaristical, o ambiente pesado, o silencio, o escuro, o respeito, o medo, o conteúdo discursivo, o cheiro a velas, a mofo, tudo me tirava o ar. Era o maior dos sacrifícios (pior que ir ao circo), era uma tortura, sentia-me verdadeiramente forçada a por um pé numa igreja, mesmo em visita. E esse sentimento durou muito tempo. Só em adulta consegui ser turista no reduto clerical.

E vá que desde antes dos 6 anos já boicotava as idas à missa como gente grande e ganhei uma aversão àquilo tudo de tal maneira que nem catequese, nem primeira comunhão.

Mantenho-me fiel agnóstica mas há dias em que penso que se não seria mais fácil ter a doçura da fé. Nela repousar a esperança e o lado positivo da vida. Nela encontrar o conforto de um melhor amanhã quando as coisas não têm o desfecho que queremos

Não pretendo mudar de opinião, mas assim, resta-me sofrer só em antecipação, sofrer quando tudo corre mal e saber que só posso contar comigo quando a desilusão se abate. O pragmatismo e o racional são algo solitários e pouco meigos nestes dias.

São as escolhas que nos justificam. Há que aceitá-las.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência.  O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas.  A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado. E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade.  A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

na verdade, estou lá (4)

Villa Amanda The Corridor - Blue Sea, Cabo San Lucas, Mexico via Luxuary Retreats

na verdade, estou lá (6)

Calandra Porto Rotondo, Sardinia, Italy via Luxuary Retreats