Avançar para o conteúdo principal

Paris Fashion Week - Street Looks

Da Moda Lisboa não me ouvirão uma palavra, não me lerão uma frase.

Não estou para ser acusada de anti nacionalista, ou invejosa ou afins sou porque tenho uma opinião. Daquelas que ninguém gosta. Sobretudo se for uma "nobody" a expressá-la. 

Posto isto, vou-me deliciar com os looks de Paris. Não é Milão (sim, comecem lá atirar-me as pedras, mas há qualquer coisa em Paris que me faz preferir Milão... talvez, os parisienses... só uma hipótese).


Julia Restoin-Roitfeld na 1ª fila (quando o 1st row significa qualquer coisa)



 Poppy Delevigne - 1



 Poppy Delevigne - 2


  
Poppy Delevigne - 3



Bianda Brandolini d' Adda by Giambattista Valli



Clémence Póesy



Rachel Zoe, black & white. Love the pants!



 Amanda Brooks impéc! Top clássico em forma de pijama, calças pretas, umas sandálias giras e ... tá-se!



From Russia with Love: Miroslava Duma  com friozinho, de fato feito à medida: vestido e capa em tom taupe. 
Linda



Amanda Brooks num look minimalist num vestido verde by 3.1 Phillip Lim.



Miroslava Duma, muito Chanel, a caminho do desfile da Chanel.



A Rachel Zoe que conhecemos e amamos. Maxi Birkin. Maxi chapeu. Bangles que mal se aguentem no mini-mini pulso e Louboutins. Dramatically black.



 Não sou fã do padrão mas gosto do design estilo envelope e da cor da clutch, combinada com os tons do vestido e do cinto.



A Chiara Blonde Salad não tem mesmo sorte com a Harper's Bazaar que a continua a chamar de showgoer, apesar de a ter fotografado em Londres, em Milão e, agora, em Paris, com um vestido floral, pumps castanhos e uma Birkin média, branca. 




UAU!!!! 
Uber-Zoe num estilo sooooooooo '70s com um vestido branco boho-maxi.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência.  O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas.  A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado. E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade.  A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

na verdade, estou lá (4)

Villa Amanda The Corridor - Blue Sea, Cabo San Lucas, Mexico via Luxuary Retreats

na verdade, estou lá (6)

Calandra Porto Rotondo, Sardinia, Italy via Luxuary Retreats