Avançar para o conteúdo principal

Do Agora


Agora dizes que fui um ponto de inflexão. Que fui quem parou o jogo de máscaras. Que te antecipou as jogadas e apanhou o bluff. Que te leu. Despiu todas as estratégias de força. Que te desmontou as peças. Que te reconstruiu com mestria. Que fui eu que vi as vulnerabilidades e as transformei em setas hábeis. Que te injectou confiança num chuto de força com coragem.

Agora pedes para voltar. Que percebeste o quão fácil era seres tu aqui. Que neste território a agressividade era um estímulo. A paixão, avassaladora e orientada à transformação. Contínua. Que nenhum dia era igual ao outro. Que o desafio era estar à altura do desafio. Que as emoções ecoavam pelas paredes de tal a intensidade como queria viver o arrebatamento que nos unia. Que essa propulsão era lenha para a tua vontade de te entregares.

Agora queres que eu esqueça. Que antes nada disso te interessou. Que naqueles dias buscavas algo menos profundo para as noites. Ou algo mais dentro das linhas. Ou algo mais perfeito. Ou mais encaixado com as normas. Ou menos confidente. Menos cúmplice. Menos confiante. Menos receosa de estar só. Por tal tão consciente de que queria estar a dois.

Agora sabes que a convulsão cruzada com a atitude de quem questiona tudo é um salto de fé, não uma arma carregada. Que desperdiçaste amizade e afecto e tesão porque não era o momento, porque nunca é o momento. E porque eram muitas dimensões quando se está habituado a viver em cilos. E porque orgasmo da realidade era tão demais para quem nunca vivera assim.

Agora desejas que te ouça. Que te leia as mensagens e te responda com esperança. Que te abrace com saudade. Que te diga que vamos fugir no sofá e voltar só quando o corpo ceder. Que compreenda, que acarinhe. Que ria com todo o meu olhar posto em ti.


Agora tentas de mim algo que não consigo. Em mim existe tudo mas voltar atrás, retomar percursos onde me deixaram cair, fazer caminhos de terra batida onde coloquei toda a tracção sem medo de arriscar apenas para ficar sozinha na corrida, não é um crime que me permita.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência.  O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas.  A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado. E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade.  A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

na verdade, estou lá (4)

Villa Amanda The Corridor - Blue Sea, Cabo San Lucas, Mexico via Luxuary Retreats

na verdade, estou lá (6)

Calandra Porto Rotondo, Sardinia, Italy via Luxuary Retreats