Avançar para o conteúdo principal

a catástrofe da autoanálise

Uma pessoa sábia, há umas semanas, recomendou-me que eu me auto-analisasse e percebesse a pessoa que sou. O que me torna única. E daí pensar no futuro.


Pois, a minha grande proclamação de auto-análise é que eu cheguei ao ponto de não ter desfeito ainda a árvore de Natal. Isto sou eu no século XXI.


Desinteressada, cansada, sem energia e com o substrato de calanzice elevado ao máximo. Acomodei-me à companhia das luzinhas. Como me acomodei a tanta coisa.


Esta coisa da auto-análise provou que sou única. Um único zero à esquerda. Se vivesse nos EUA estava a meio caminho andado do trailler park de pijama todo dia a ler e a mandar vir as compras pelo Continente online lá do sitio.


Única, uma merda!

Comentários

Filipe Toulson disse…
Pois eu acho que tens de mudar isso... montas um negocio de ir a casa das pessoas desfazer arvores de natal e já está! conheco quem te encomende um destes trabalhos... ou talvez até dois.... que tal????
Joana Menano disse…
E se eu te disser que só há bem pouco tempo desfiz a minha árvore de Natal?? Serei única e um zero à esquerda?
Deves continuar a dita auto-análise... Pensar no futuro? Não. Para mim, deves pensar é no Presente e em ser muito mais que aquilo que mencionas e que de certeza que és!!

Bjinhos :)

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência.  O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas.  A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado. E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade.  A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

na verdade, estou lá (4)

Villa Amanda The Corridor - Blue Sea, Cabo San Lucas, Mexico via Luxuary Retreats

na verdade, estou lá (6)

Calandra Porto Rotondo, Sardinia, Italy via Luxuary Retreats