Avançar para o conteúdo principal

a minha melhor amiga

É dura como aço. Directa, incisiva, esperta. Tem bom gosto. 


Dificilmente acredita na humanidade. Claramente acha-se melhor que os outros. Na prática, em tanta coisa, é-o de facto. 


Conhecemo-nos há 17 anos. Não há grandes chatices entre nós. É a única pessoa que fala comigo como se fosse minha mãe. Sem gritar. Magoa, vai directa às feridas com toda a força mas nunca discutimos. Eu só escuto. Porque apesar de ela ser mais nova do que eu, conhece-me mesmo muito bem, e consegue falar com autoridade moral que me faz abaixar as orelhas de uma maneira. Livra.


Esforça-se muito para que eu esteja bem. Preocupa-se. 


E eu preocupo-me com ela... Que se entusiasma e quando dá conta já está a navegar na via láctea, quando se dá por isso às 5 da tarde almoçou um iogurte e um maço de Marlboro ou dorme 3 horas por noite, dividindo-se entre 500 projectos e viagens tardias pró' Portugal profundo. 


A minha melhor amiga tem um escritório novo, lindo de morrer. Esmaga. Apetece trabalhar lá. E ainda nem sequer está pronto. Mas é MARAVILHOSO! E eu fico Happy Happy por ela, pelo que conseguiu, pelo esforço, pela vontade e ambição, pela capacidade de trabalho no meio do caos. Porque apesar de ser uma big boss de sucesso, tem um coração de algodão doce.


Vocês não estão bem a ver o luxo e a beleza do escritório da mula!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência.  O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas.  A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado. E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade.  A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

na verdade, estou lá (4)

Villa Amanda The Corridor - Blue Sea, Cabo San Lucas, Mexico via Luxuary Retreats

na verdade, estou lá (6)

Calandra Porto Rotondo, Sardinia, Italy via Luxuary Retreats