Avançar para o conteúdo principal

"Frankly, my dear, I don't give a damn!"



Quando estou mesmo muito triste, para lá do arrasada, do atropelada por um TIR, quando não tenho esperanças em nada ou ninguém, e duvido se a minha existência tem algum predicado significativo ...

Quando nem chocolate me acalma, a solução sempre foi: sofá e ver "E Tudo o Vento Levou". Já o vi pra' cima de 30 vezes, o que num filme de mais de 3 horas, é obra. Choro sempre. Que nem uma Madalena. Já li o livro (que é também assim meio pró páginas amarelas). Também chorei.

A Scarlett O' Hara será sempre a minha heroína. Por mais "bitchy" que fosse, mimada e obstinada, além de linda de morrer, a consciência de que se pode ser dona do seu destino, levando atrás quem quer que fosse, e usando toda a força de um olhar sedutor, sem voltar as costas aos problemas (adiando-os só para amanhã, que é algo que assimilei como modo de estar!), fazia (faz) daquela personagem um ícone da minha vida. 

E depois qualquer gaja gosta de um Rhett Butler. Seguro, confiante, gozão, elegante, apaixonadissimo, e rico. Nada falhava naquele homem. E tinha uma paciência.... 

Por me ter enamorado do filme aos 6 anos, achei que a minha vida podia ser um dia solarengo em Tara, eu que nem gosto de calor. Além de nunca conseguir andar a cavalo, não há espartilho que me vede e, no fim do dia, é lixado perceber que, pois, não, temos pena, mas é tudo uma grande merda

Hoje estou naqueles dias em que preciso de ver o filme. Faz-me falta um grande amor desencontrado com pronúncia do sul, um vestido verde de reposteiro e um "amanhã pensarei nisso!"

Escusado será dizer, que é o meu filme favorito de todos os tempos. E que só a musica do genérico me arrepia e me põe lágrima logo no canto do olho. O poder do cinema é este: filmes imortais.











Comentários

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência.  O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas.  A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado. E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade.  A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

na verdade, estou lá (4)

Villa Amanda The Corridor - Blue Sea, Cabo San Lucas, Mexico via Luxuary Retreats

na verdade, estou lá (6)

Calandra Porto Rotondo, Sardinia, Italy via Luxuary Retreats