Avançar para o conteúdo principal

Fim de semana

Passou num ápice. E foi muito agitado. 


Não faltou passeio no Chiado, a encontrar amigos todos, assim como quem está  na mesma praia. Café no Starbucks, almoço no Fábulas, lanche (pra' alguns, há quem ficasse pelo café e 2 águas) na Bénard. Picámos o ponto na Zara, MD, Mac e Muu.


E muito evento cultural. Deitei-me eram quase 3 da manhã, no Sábado. A PURA DA LOUCURA (não sei como!)

Sábado


Sala Azul, do Teatro Aberto



Peça: O Senhor Puntila e o Seu Criado Matti, escrita em 1940, durante o exílio de Bertolt Brecht na Finlândia.
Amante da pinga, Puntila sofre de dupla personalidade: quando está sóbrio, é arrogante e egocêntrico, quando está ébrio, é fraternal e compassivo. Oscilando entre ambos os extremos, ele surpreende e confunde tudo e todos, amigos, subordinados e desconhecidos.
À altura de Miguel Guilherme que está magistral. E divertido. Bem secundado por Sérgio Praia, o criado. É uma parábola, mas longa. Podia ter menos meia hora, 45 minutos até. A cena das noivas é uma secaaaaaaaaaa. E apesar da musica em palco até trazer alguma animação e, em determinados momentos, contextualizar a história, as cantorias tipo escuteiros em missa estavam a dar comigo em doida.
Domingo
Sessão dupla de cinema, seguida, sozinha. Maravilha.
Sem pipocas, com muita 3ª idade ressonante na sessão das 13h30 mas sem companhia geradora de stress, qualquer que ele seja. E um livro para os tempos mortos.
1º Round - O Discurso do Rei.

Não há nada a dizer. Colin Firth, o meu mítico Mr. Darcy, esse ser capaz da atracção mais contida (e alucinada), está soberbo em toda a dimensão da sua personagem. O filme não dilecto, o irmão preocupado, pai carinhoso, príncipe criado ao sabor das nannies e das contrariedades de saúde que não ficavam bem na Família Real. O homem que não queria ser Rei, porque não estava à altura de falar ao seu povo. Magnifico! Não há mesmo nada a apontar. Uma pessoa sai do cinema a querer que aquele senhor perseverante e gago (e lindo!, apesar dos 50 anos) seja o nosso líder. ÓSCAR
Geofrrey Rush leva o seu papel com brilhantismo. Apenas isso. ÓSCAR
A narrativa é excelente, o décor está bem retratado, o Churchill está mal escolhido, a fotografia é boa e é um grande filme. A Time Out deu-lhe 5 Estrelas (ainda bem que não foi o Director Adjunto a fazer a critica pois seria a desgraça). Li umas criticas de de que o filme não explora bem a situação histórica da abdicação do irmão, mas ao amiguinhos da Sábado e da Visão, o filme é sobre o problema de gaguez que afectava aquele que veio a ser rei e não sobre os segredos sexuais chineses da Wallis, nem o gosto pela coca e pelo Hitler do Eduardo.
Acho que devia levar o Óscar para Melhor Filme (começo já a dar porrada nos Cohen por não gostar de western style!).

2º Round - O Cisne Negro

Não consigo dizer, muito. Fiquei muito tempo no cinema, depois do filme acabar, a ver o genérico passar, ainda em semi luz, a mastigar o murro no estômago. Gosto de ballet. Adoro o Lago dos Cisnes. A grandiosidade musical de Tchaikovsky arrepia e, ao vivo, emociona. 
Como um todo, o filme não é "O" filme, mas com a Natalie Portman tudo se engrandece. O seu  nível de empenho, de sacrifício para construir aquela singela personagem de choro fácil, sem peito e 40 quilos, com umas costas em que se notam todas as costelas, um torso seco esculpido à bailarina, a intensidade que põem em cada movimento, desarma. É de uma entrega violenta. 
A sua transformação em Cisne Negro, no final, é brutal. Há uma grande beleza no modo como se desenrolam as cenas finais, como se fossemos sugados para o ritmo frenético da sua demência, nunca sabendo quando estamos perante um twist de thriller ou mais um descalabro da sua vulnerabilidade. 
Mas se não consigo dizer mais sobre o Cisne Negro é porque Nina / The Swan Queen: 
  • é perfeccionista, sacrifica-se em prol daquilo que julga ser importante; 
  • não tem um lado B. Não consegue "viver", está presa à baixa auto-estima que a faz ser mecânica. 
  • é fruto de uma juventude emocionalmente complexa e tem uma existência fragilizada, tendencialmente fechada sobre si própria  por se bloquear aos outros. 
  • tem uma má relação com o corpo que é a sua identidade.
  • coça-se até fazer feridas.
  • não se consegue libertar da mother figure.

Ninguém entenderá o que quero dizer mas eu sei. E por isso, não posso acrescentar mais nada
E agora, jantar de aniversário da melhor amiga no Gemelli, chique a valer!




Comentários

Tozé disse…
..piroso! lol

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência.  O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas.  A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado. E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade.  A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

a importancia do perfume e a duvida existencial do mês

Olá a todos advogo há bastante tempo que colocar perfume exalta a alma; põe-nos bem dispostos e eleva-nos o bom espírito. Há semelhança do relógio e dos óculos de sol, nunca saio de casa sem perfume, colocado consoante a minha disposição, a roupa que visto e o tempo que está. Podem rir-se à vontadinha (me da igual) mas a verdade é que sair de casa sem o perfume (tal como sucedeu hoje) é sempre sinal de sarilhos. nem mesmo umas baforadas à socapa no táxi via uma amostra que tinha na mala (caguei para o taxista) me sossegaram, ate pq não era do perfume que queria usar hoje. E agora voltamos à 2ª parte do Assunto deste email: duvida existencial do mês Porque é que nunca ninguém entrou numa loja do cidadão aos tiros, tipo columbine, totalmente alucinado dos reais cornos? É porque juro que dá imensa vontade. Eu própria me passou pela cabeça mas com a minha jeiteira acabaria por acertar de imediato em mim pp antes de interromper qq coisa ou sequer darem por mim. lembram-se de como era p

Dos factos reais

Os anos, as histórias, as cicatrizes, as tatuagens, as noites ébrias, o acordar sóbrio, as dores, a dança descontrolada de emoções.  O orgulho, a entrega, a força, a paixão, a cegueira, o racional que cede ao mais descabido improvável. A raiva, o amor, a dúvida, a euforia, a esperança, o desmoronar.  O fugaz, o consumo rápido e descartável, o compromisso, o receio, a expectativa. A impaciência, a intolerância, a falta de vontade de começar do zero.  O desejo, a avidez, a imperfeição pautada por gargalhadas, a tesão em gotas de suor e olhos famintos.  A partilha, a distância, o querer tanto e tanto calar, a explosão arrebatada, a plenitude.  A tempestade, a tristeza, o vazio. O querer estar só, a solidão, a ânsia pelo abraço silencioso.  Os beijos que são tudo, os beijos estranhos de rostos que nem lembramos.  A auto punição, sensação de mais um erro, a pulsão do falhanço, o sintoma do irreparável. A certeza de que fazemos tudo mal.  É uma constru