Avançar para o conteúdo principal

Manias

(continuando o processo de auto-análise)


Tenho a mania de:

  • Só usar colheres de plástico. Não suporto a ideia de colheres de aço, prata ou ouro.
  • Odiar cebola e brócolos. Posso levar meia hora a retirar pedacinhos de cebola visíveis antes de começar a comer.
  • Ter pavor (pânico) de balões!.
  • Não gostar de ser vista em publico. Já me basta a dolorosa exposição por motivos de trabalho. Evito socializar fora de casa.
  • Preferir ir ao cinema e às compras sozinha.
  • Considerar dormir um hobby.
  • Ter tendência para dizer o que penso sem ser necessariamente diplomática.
  • Ser fiel aos amigos mas também muito honesta com eles.
  • Odiar calor.
  • Que folclore  e campismo me provocam urticária. Dor de cabeça. A raiar a histeria. Zero paciência.
  • Colocar perfume várias vezes ao dia. Para me sentir mais animada.
  • Usar sempre relógio.
  • Nao gostar de fazer anos.
  • Ter pancada por revistas. Todas.
  • Não suportar andar de fato.
  • Não ter tolerância para pessoas que gostam de saber pouco ou mesmo nada. Que não querem evoluir. Que são "curtinhas" de intelecto.
  • Às vezes (demasiadas), tudo me ser indiferente.
  • Se decidir abolir alguém da minha vida, ser mestre em seguir em frente sem olhar para trás. Acabou.
  • Que possuo uma noção de estilo 5 estrelas (infelizmente 20 kg a mais estragam o meu potencial de "queixo caído").
  • Não ir a praia.
  • Só beber leite frio. Morno ou quente é inaceitável.
  • Que um dia vou ser feliz. Se calhar.
  • Que sou única.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência.  O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas.  A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado. E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade.  A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

a importancia do perfume e a duvida existencial do mês

Olá a todos advogo há bastante tempo que colocar perfume exalta a alma; põe-nos bem dispostos e eleva-nos o bom espírito. Há semelhança do relógio e dos óculos de sol, nunca saio de casa sem perfume, colocado consoante a minha disposição, a roupa que visto e o tempo que está. Podem rir-se à vontadinha (me da igual) mas a verdade é que sair de casa sem o perfume (tal como sucedeu hoje) é sempre sinal de sarilhos. nem mesmo umas baforadas à socapa no táxi via uma amostra que tinha na mala (caguei para o taxista) me sossegaram, ate pq não era do perfume que queria usar hoje. E agora voltamos à 2ª parte do Assunto deste email: duvida existencial do mês Porque é que nunca ninguém entrou numa loja do cidadão aos tiros, tipo columbine, totalmente alucinado dos reais cornos? É porque juro que dá imensa vontade. Eu própria me passou pela cabeça mas com a minha jeiteira acabaria por acertar de imediato em mim pp antes de interromper qq coisa ou sequer darem por mim. lembram-se de como era p

Dos factos reais

Os anos, as histórias, as cicatrizes, as tatuagens, as noites ébrias, o acordar sóbrio, as dores, a dança descontrolada de emoções.  O orgulho, a entrega, a força, a paixão, a cegueira, o racional que cede ao mais descabido improvável. A raiva, o amor, a dúvida, a euforia, a esperança, o desmoronar.  O fugaz, o consumo rápido e descartável, o compromisso, o receio, a expectativa. A impaciência, a intolerância, a falta de vontade de começar do zero.  O desejo, a avidez, a imperfeição pautada por gargalhadas, a tesão em gotas de suor e olhos famintos.  A partilha, a distância, o querer tanto e tanto calar, a explosão arrebatada, a plenitude.  A tempestade, a tristeza, o vazio. O querer estar só, a solidão, a ânsia pelo abraço silencioso.  Os beijos que são tudo, os beijos estranhos de rostos que nem lembramos.  A auto punição, sensação de mais um erro, a pulsão do falhanço, o sintoma do irreparável. A certeza de que fazemos tudo mal.  É uma constru