Avançar para o conteúdo principal

Dos bruxedos

Exmo(a). Senhor(a) FdP que me rogou praga, agradecia que me retirasse a magia. Duvido que lhe tenha feito mal mas se o fiz, foi por distracção certamente. Sou dada ao impulso. Se é só maldade no seu coração, get a life, ok?
Já não há cu que aguente tudo, mas tudo a correr mal. Não há nada em que toque que não caia. O cabelo parece o de uma criança abandonada na selva, cheio de nós que só se desfazem quando madeixas inteiras saltam da cabeça. Todos os dias.
 
Ontem ia ao cinema ver um filme que queria muito ver. Um filme que contava ver sentada no sofá, mas falharam-me. As pessoas falham-me muito, tanto que já que nem me surpreende. Aliás, a minha impressão das pessoas não é assim muito generosa mas não é por aí que me atiram ao tapete.

Dizia eu que ía ao cinema. Estava a chegar à bilheteira quando toca o telefone e desatam a soar sirenes. O ferro de engomar, em fase de suicídio, provocava curtos-circuitos sempre que era ligado, os quais faziam o quadro eléctrico desligar e este, por sua vez, fartinho de andar naquela rambóia liga-desliga disparou um alarme, até então desconhecido. Lá corri para casa, lá se foi o Ewan McGregor, o fim de dia cinéfilo, uma puta de telha descomunal e uma enxaqueca que decidiu regressar.

E ainda tenho que gastar dinheiro num ferro. Coisa mais estúpida.

Hoje, de manhã, na banheira prestes a ter que lavar a cabeça pelo 500º milhão de vezes e já com esguichos de água, é que me lembrei que quando o sacana do quadro dispara, o gás é imediatamente desligado, por segurança, no quadro externo. Sai da banheira, veste o pijama, o roupão (e só porque não há uma burqa, porque o pavor de encontrar algum vizinho com algum pedacinho de corpo disforme à vista é grande), vou à casinha da manutenção cuja porta se fecha mais rápido que eu adormeço, fico às escuras, vou contra um contador, lá acerto com a merda da luz, até finalmente conseguir tomar um banho.

Tem sido assim toda a santa semana. Tanta treta de superar adversidades (desde 2008 a bater-me com elas, sem dar tréguas, mesmo que a morrer, ahn!!!), aceitar os maus momentos e dar a volta, ter força de vontade... quem é que pensa estas merdas? O Dr. Phil, não?

Tirem-me lá o cabrão do mau-olhado que estou tão cansada, mas tão cansada que até é um desperdicio de tempo e dinheiro. Vosso, seu. De quem seja.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência.  O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas.  A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado. E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade.  A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

na verdade, estou lá (4)

Villa Amanda The Corridor - Blue Sea, Cabo San Lucas, Mexico via Luxuary Retreats

na verdade, estou lá (6)

Calandra Porto Rotondo, Sardinia, Italy via Luxuary Retreats