Avançar para o conteúdo principal

ser parva

Eu diria que estas coisas me tiram do sério se não fosse já reagir a elas com uma indiferença mortífera.

Tenho muitos defeitos, um deles é a minha tendência para ajudar. Ajudo amigos, conhecidos, desconhecidos, o que vier à rede. Não o faço à procura de medalhas, condecorações ou dinheiro. Faço-o naturalmente e se me for possível. Não sou nem missionária nem tontinha para me oferecer para ajudar em coisas que me escapam ou requerem que eu vá a pé a Coimbra B. 

O Moço está sempre a chamar-me à razão de que podia eu própria pedir ajuda. Mas isso já é uma tarefa muito complicada. 

Não faço nada à espera de retribuição (isso chama-se ou trabalho ou corrupção), quanto muito por uma expectativa "piquena" de que o cosmos um dia também me dê uma ajudinha, coisa que claramente está escassa. Se o faço é porque na minha ideia todos devemos fazer algo pelos outros, se tiver nas nossas capacidades. Mesmo que seja a única pessoa no cabrão do universo a pensar assim, que seja. Não vou mudar o meu modo de ser por causa dos outros, dos quais eu seja diferente.

Tendo trabalhado anos e anos numa determinada área, tenho consciência que fui muito abordada por interesse. Isso é que me irrita. É receber emails de pessoas com quem não falo há meses, às vezes anos, com um "Olá, tudo bem? Temos que almoçar. Já agora...". Menos, gente, menos. Eu não me importo que apareçam de repente a pedir ajuda mas façam-no de modo honesto. Não com floreados hipócritas. A lata tem que ter limites.

Também acho particularmente interessante, de um ponto de vista sociológico, e de falta de vergonha na cara, pessoas que estão na merda, pedem descaradamente por favores (networking, descobrir informações, divulgação de actividades, por exemplo) e quando já não precisam, eliminam-me da cadeia alimentar e, inclusive, recusam-se a dar-me uma força.

Se vou mudar? Dificilmente. 

Mas sim, quando digo que odeio pessoas, em conceito macro, não estou a ser uma drama queen. 


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência.  O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas.  A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado. E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade.  A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

a importancia do perfume e a duvida existencial do mês

Olá a todos advogo há bastante tempo que colocar perfume exalta a alma; põe-nos bem dispostos e eleva-nos o bom espírito. Há semelhança do relógio e dos óculos de sol, nunca saio de casa sem perfume, colocado consoante a minha disposição, a roupa que visto e o tempo que está. Podem rir-se à vontadinha (me da igual) mas a verdade é que sair de casa sem o perfume (tal como sucedeu hoje) é sempre sinal de sarilhos. nem mesmo umas baforadas à socapa no táxi via uma amostra que tinha na mala (caguei para o taxista) me sossegaram, ate pq não era do perfume que queria usar hoje. E agora voltamos à 2ª parte do Assunto deste email: duvida existencial do mês Porque é que nunca ninguém entrou numa loja do cidadão aos tiros, tipo columbine, totalmente alucinado dos reais cornos? É porque juro que dá imensa vontade. Eu própria me passou pela cabeça mas com a minha jeiteira acabaria por acertar de imediato em mim pp antes de interromper qq coisa ou sequer darem por mim. lembram-se de como era p

Dos factos reais

Os anos, as histórias, as cicatrizes, as tatuagens, as noites ébrias, o acordar sóbrio, as dores, a dança descontrolada de emoções.  O orgulho, a entrega, a força, a paixão, a cegueira, o racional que cede ao mais descabido improvável. A raiva, o amor, a dúvida, a euforia, a esperança, o desmoronar.  O fugaz, o consumo rápido e descartável, o compromisso, o receio, a expectativa. A impaciência, a intolerância, a falta de vontade de começar do zero.  O desejo, a avidez, a imperfeição pautada por gargalhadas, a tesão em gotas de suor e olhos famintos.  A partilha, a distância, o querer tanto e tanto calar, a explosão arrebatada, a plenitude.  A tempestade, a tristeza, o vazio. O querer estar só, a solidão, a ânsia pelo abraço silencioso.  Os beijos que são tudo, os beijos estranhos de rostos que nem lembramos.  A auto punição, sensação de mais um erro, a pulsão do falhanço, o sintoma do irreparável. A certeza de que fazemos tudo mal.  É uma constru