Avançar para o conteúdo principal

segure bem os implantes

A história pode dar para rir, mas tem muita tristeza por trás. Ou quão inexplicável e mesquinha a raça "pessoa" pode ser.

Anos e anos depois de um casamento infeliz e de fachada, a T. deu-lhe uma travadinha de lucidez e contra tudo e contra todos, chocando a burguesia abastada e conservadora a norte, vá de um dia pegar nas 3 crianças, na empregada que tinha trazido  no enxoval e rumar a uma das casas de fim-de-semana, sua por sinal. Fartinha até à raiz da moleirinha das desconsiderações, de ser tratada como se não valesse nada, de ser humilhada e mal tratada na auto-estima e no respeito, cansada das amantes à vista desarmada.

Apoio, zero. Valeram-lhe os amigos fora da zona de influência. Penou com as palavras dos pais que só não a leiloaram em hasta publica com uma placa a dizer "separada" e outra "inútil" porque morriam de vergonha que os vizinhos comentassem. Arranjou emprego, à base da cunha, claro está, porque ao fim de quase 12 anos sem trabalhar, era difícil, mas aguentou-se, sozinha, com os miúdos e a empregada.

O processo de divórcio está a decorrer. O "ex" vive, ás clarinhas, com outra e, mesmo assim, despeitado por achar que a "sua" ainda mulher tem namorado, arrasa-a por todo lado que passa.

E exige tudo e mais um par de botas. Desde o dinheiro que lhe dava para as despesas domésticas (assim um valor em grande, à Alberto João Jardim, de acordo com os cálculos do senhor) até... aos implantes! Ah, pois é! Ele quer as mamas de volta. Quer dizer, ou as ditas ou o dinheiro que custaram, ainda não se percebeu bem.

Se isto faz jurisprudência, tanta mulher de cromo de bola, tanta cônjuge de construtor ou de imperadores de stands de automóveis, que poderão vir  a ser claramente esvaziadas de argumentos.  Tenham cuidado, eles andem aí.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência.  O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas.  A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado. E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade.  A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

na verdade, estou lá (4)

Villa Amanda The Corridor - Blue Sea, Cabo San Lucas, Mexico via Luxuary Retreats

na verdade, estou lá (6)

Calandra Porto Rotondo, Sardinia, Italy via Luxuary Retreats