Avançar para o conteúdo principal

IT Girl(s)

O termo IT Girl é sempre ingrato. Dá a sensação que uma pessoa é um restaurante, uns sapatos, um perfume ou um cocktail.

As IT Girls  representam todas as mulheres (geralmente mais nos seus 20's, inicio dos 30, máximo!) que detém "aquela" qualidade -"It"- que exerce sobre os demais uma forte atracção.

O que hoje é visto como o supremo gesto de futilidade, deriva de uma utilização original de um laureado pelo Nobel, Rudyard Kipling, escritor inglês afamado que num conto, "Mrs. Bathurst", em 1904 introduziu o conceito de "It":

"It isn't beauty, so to speak, nor good talk necessarily. It's just 'It'.

Em 1927 a expressão ganhou visibilidade de maior dimensão com o filme It, protagonizado pela actriz Clara Bow, considerada a primeira IT Girl.

Hoje em em dia, IT Girls há muitas. Cada criador tem as suas musas que o acompanham indefectiveis, cada grupinho de amigas socialites, actrizes, cantoras, modelas, consoante o olhar de falcão e o interesse dos editores de moda.

Para mim, uma IT Girl é alguém com joie de vivre e que se diverte com a moda. Não em comprar tudo o que é tendência ou nova colecção, mas a descobrir acessórios, a misturar estilos, adaptando-se às circunstâncias, mantendo um denominador comum que traduz o seu modo de estar, adequado às subtilezas do seu estado de espírito. Alguém que não deixa de ser quem é em prol do "que está na moda". Só porque sim.

Vai daí, gosto muito do género desta sempre-a-rir Viviana Volpicella, Assistant Fashion Editor da Vogue Japão, espécie de braço direito de Anna Dello Russo.

Tem um look contemporâneo, elegante, usável, mas muito "cool". Acho que tem imensa pinta!!!


StreetStyle20110403_02
















Comentários

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência.  O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas.  A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado. E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade.  A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

na verdade, estou lá (4)

Villa Amanda The Corridor - Blue Sea, Cabo San Lucas, Mexico via Luxuary Retreats

na verdade, estou lá (6)

Calandra Porto Rotondo, Sardinia, Italy via Luxuary Retreats