Avançar para o conteúdo principal

Notícias do rato

Votei convicta em Antonio Costa.

Como lisboeta, fiquei satisfeita pela sua decisão de não abandonar o compromisso que estabeleceu para com os seus eleitores. Independemente das suas razões reais não serem necessariamente as declaradas, é agradável ver que há um político que honra o mandato e não vai a correr atrás da ambição. Gostei.

Quanto à possível candidatura de Assis vou ali benzer-me. O senhor até pode ter os maiores dos créditos e qualificações mas enquanto lider do grupo parlamentar do PS defendeu, de modo veemente, o deputado ladrão de gravadores de jornalistas. Em vez de o pôr a andar pra' Madeira, de onde veio fugido de outros escândalos (bem mais graves), Assis validou o (mau) carácter de um ladrãozeco que prevaricou na própria AR.

Essa não me esqueço e, por tal, Assis o meu voto de confiança / apoio não terá. Tenho memória de elefante e tenho lutado pela expulsão de Ricardo Rodrigues até do pais.

Comentários

Dulce disse…
Bem lembrado!
Por essas e por outras embirro com Assis.
E para bem da democracia espero, apesar de não ser este o meu partido, que Seguro ganhe!
Anónimo disse…
Monica, muito bem visto. De facto, é de louvar a postura do António Costa. O seu momento de concorrer à liderança do partido há-de chegar e não será agora. Agora é tempo de honrar o compromisso com a CM de Lisboa. Imaculado.
Já os restantes, caso não existam mais candidatos, só vão contribuir para o PS não seja uma alternativa. O Assis por esse triste exemplo, se bem que, em política, esse tipo de coisas até passa despercebido. Mas felizmente que vai havendo quem tenha memória de elefante, e só é pena que a maioria não tenha uma memória assim. Já o Seguro, tenta seguir o exemplo do Passos. E nestas coisas, só é pena que não tente mostrar primeiro serviço como ministro, e só depois se candidate a líder.

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência.  O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas.  A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado. E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade.  A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

na verdade, estou lá (4)

Villa Amanda The Corridor - Blue Sea, Cabo San Lucas, Mexico via Luxuary Retreats

na verdade, estou lá (6)

Calandra Porto Rotondo, Sardinia, Italy via Luxuary Retreats