Avançar para o conteúdo principal

O picnic do sem comentários

As gentes do Porto passam a vida a queixar-se da centralização de Lisboa. Que a capital goza dos privilégios de ser a capital (esta é difícil de contrariar, ora bolas) mais uma concentração de actividades. Há alguma legitimidade no argumento.

Posto isto, questão óbvia e pertinente: sendo o Continente uma empresa do Grupo Sonae, com sede na Maia, porque raio a ideia do pic-nic vem parar à Avenida da Liberdade? Não há uma maravilhosa Avenida dos Aliados para o fazer? Combatia-se a hegemonia "cultural" de Lisboa. 

Percebe-se que, perante a falta de verbas, a CM de Lisboa seja uma "perninha" aberta para patrocínios mas esta "coisa" (não consigo descrever a Av. da Liberdade carregada de grelos e afins ... não consigo, teria que recorrer ao palavrão!) é surreal. A Avenida principal da cidade está transformada numa festarola de aldeia. Certamente, até sorteio de ovelhas vai ocorrer. Lindo...

Imagino algo similar na 5ª Avenida ou nos Campos Elísios. Agricultores, excursões, pic-nics, girassóis e Tony Carreira! Com tanto sacaninha de pinhal espalhado por este país, vá de trazer o povo para o centro de Lisboa, arruinando por completo a vida aos alfacinhas. É que hoje, quinta feira, já o transito, com circulação apenas nas laterais, era um caos, quase às 9 da noite. Amanhã, dia de mais carros na cidade, tem-se o pior. E Sábado, é para esquecer.

É o ataque dos legumes assassinos ao coração de Lisboa. Com o Tony Carreira atrás.

Só sofisticação. Quem teve esta brilhante epifânia merecia um bom tratamento, ai se merecia

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência.  O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas.  A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado. E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade.  A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

na verdade, estou lá (4)

Villa Amanda The Corridor - Blue Sea, Cabo San Lucas, Mexico via Luxuary Retreats

na verdade, estou lá (6)

Calandra Porto Rotondo, Sardinia, Italy via Luxuary Retreats