Avançar para o conteúdo principal

a terra dos famosos

Há uma moça, ex corista, actriz revisteira, que frequentava a mesma clínica que eu. Moi même, na altura, só queria saber do seu aparelho, e portanto entrava no corredor dos dentistas. A "jove" bastante roliça (alá castiga, estou a pagar isto caro... incha porca!) era acompanhada por um terapeuta da dieta south beach ou algo dentro do género.

Aquilo lá deve, de facto, ter resultado, pois Cristina Areias chegou a ser capa da Playboy. Upa, upa!!!


foto: Correio da Manha, www.vidas.pt



As declarações dela ao Vidas do CM, de que "fazia topless antes de ser famosa" são prova provada do mal que grassa neste minúsculo rectângulo. Não é pequenez geográfica, é a pequenez provinciana das mentalidades.

Mas a menina é famosa... de quê? De onde? Qual seu feito relevante ou contributo real?

Andei a pesquisar o significado de "FAMOSO", de forma metodológica (aka, Net), e a palavra significa conhecido, ilustre, notório, proeminente, ou mesmo, notável. A menina, de facto, é algo conhecida mas em circuitos restritos, e de notório ou proeminente só se forem as mamocas, aquelas que ela agora tapa com pudor, desde que é "famosa".

Oi? Perdão?

Ela arroga-se ao direito de se achar famosa. Problema de falta de discernimento do individuo. O pior é darem-lhe atenção exactamente por ela (e outros) dizerem e acharem estas merdas. Está giro. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência.  O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas.  A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado. E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade.  A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

na verdade, estou lá (4)

Villa Amanda The Corridor - Blue Sea, Cabo San Lucas, Mexico via Luxuary Retreats

na verdade, estou lá (6)

Calandra Porto Rotondo, Sardinia, Italy via Luxuary Retreats