Avançar para o conteúdo principal

Silêncio a dois

 A um minuto da tua presença esquivei-me por entre labaredas que me levavam a desaparecer para longe. Longe demais para saber o nome, datas ou ter memórias.  Não te podia, no entanto, negar porque partilhávamos as mesmas esperanças vãs nestas quatro paredes que nos albergavam e ambos temíamos cada segundo que passava, receosos que o equilíbrio frágil que havíamos inventado sucumbisse ao peso do nosso passado, aos sonhos partidos de que nos havíamos alimentado.

A música soava baixinho da tua velhinha rádio, lias o jornal, enquanto eu tentava concentrar-me no livro, como se não estivessemos verdadeiramente ali, pois na realidade andávamos à deriva nos nossos próprios oceanos. Não consigo ainda perceber porque a solidão nos castiga mesmo quando partilhamos o mesmo espaço; será então preferível partir à descoberta do que há para lá de nós, buscar em outras estradas outros destinos incertos, que não nos matem lentamente perante aquilo que não vivemos apesar de o parecer?

Teria sido melhor que nunca me tivesses olhado como o fizeste da primeira vez, com aquele sorriso nervoso e expectante. Teria sido melhor que não me tivesses soprado ao ouvido toda a tua vida, não me tivesses feito sentir naturalmente parte dela, não me tivesses acolhido na tua pele que sussurrava o meu nome ao mínimo toque.

Agora, impera uma estranha espécie de código impenetrável, num avassalador desconhecimento, que no coloca frente  a frente mas distantes, para lá de uma qualquer fonte em que nos podíamos baptizar e redimir o passado e começar unidos. Porém, não o fazemos porque não temos passado. Não nos lembramos do que fomos porque começámos a existir naquele momento em que nos cruzámos. Mesmo assim, não é suficiente, nunca será suficiente na medida em que não temos poderes para abdicar, de sacrificar, de ceder. Somos egoístas, somos obcecados com a não intrusão nos nossos domínios. Temos medo, no fundo. Receamos, preferimos sofrer. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Do acosso

Este calor que se abateu com uma força agressiva consome qualquer resistência.  O suor clandestino esbate vergonha e combate qual sabre as dúvidas.  A noite feita à medida de libertinos cancela as vozes interiores que alertam para mais uma queda dolorosa. A brisa quente atordoa, embriaga no contacto com a pele. O tempo pára, as palavras suspendem entre olhares que sustentam no ar tórrido toda a narrativa; qual pornografia sem mácula, mas plena de pecado. A lua cheia transborda e dá luz à ausência de sanidade que percorre no corpo. Tudo parece possível, uma corrente de liberdade atravessa-nos com o sabor do quente esmagado. E, mesmo assim, pulsa algo mais intenso. Mais derradeiro. Mais dominador. Mais perverso que o toque dos dedos. Mais agressivo que a temperatura irrespirável. O freio da impossibilidade.  A intuição luta com o medo e na arena o medo mesmo que picado tem sempre muita força. O medo acossa-nos.

na verdade, estou lá (4)

Villa Amanda The Corridor - Blue Sea, Cabo San Lucas, Mexico via Luxuary Retreats

na verdade, estou lá (6)

Calandra Porto Rotondo, Sardinia, Italy via Luxuary Retreats