Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Abril, 2014

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Absolut Maria!

OO facto de eu admitir que até gosto de passar a ferro, já por si dá azo a risos. Eu acrescentar que pode ser relaxante, não ajuda. Assumir que em dias de calor, e com muita roupa para passar, chegar a abrir uma garrafa de vodka, pôr gelo no copo, musica alta e vamos a isto, dá um certo ar decadente à coisa... 
Mas eu podia invocar, em meu abono, que há quem escreva livros sobre aquecer "um nadinha" (esse preciosismo de bradar aos ceus) de vodka com infusões, ou o que era, de alfazema, e usar essa "mistura" para perfumar a roupa, qual receita caseira. 
Não invoco, porque não estou alcoolizada. E porque apesar dos livros estarem publicados e à venda, o estilo crónica feminina da metrópole lusitana não me calha (um nadinha) bem.