quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

o país anda mesmo pela rua da amargura

Quando Albano Jerónimo, e o seu pujante queixo, é eleito o homem mais charmoso de 2012 (vá, pelos leitores da Caras, mas eu também leio - não voto, é um facto!).

É como na politica: quem lidera é mau, mas a oposição também é fraca. benzadeus!

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Pubmaternidade

Vanessa Oliveira terá programa novo? (O que faz mesmo a moça dos seios fartos e grandes orelhas?)

Ou vai estrear em breve e não pode ainda adiantar pormenores? (descodificado: estou disponível, contratem-me, ando a ser sondada pela concorrência...).

Ou simplesmente precisa de mobilar o quarto da criatura que aí vem, mais o enxoval, o carrinho, o ovo, a bomba de extracção de leite?

É que todas as semanas lá está ela nas revistas com os seus saltos muito altos a falar das alegrias da maternidade ao 4º mês de gravidez, do quão desejado é o bébé, bla bla bla. Todas as semanas. Nada de novo. Ela e as suas grandes orelhas.

É isto.

sábado, 26 de janeiro de 2013

Small drops of depression

Fim de semana encerrada nas confinadas paredes do lar.

Salvam-se os livros.

Amén.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Muito frente ou a história do costume

Há coisas na vidinha de cada um que a cada um diz respeito, seja famoso, conhecido, vagamente destacável na praça publica ou abençoadamente anónimo.

O caso da filha da Adelaide Ferreira choca-me não pela gravidez e pelo aborto, ainda que ilegal em terras de Vera Cruz (nem quero pensar que tenha sido opção ser lá vs. legal cá para fugir ao escândalo) mas pelo o quadro de misérias de parentalidade.

Uma miúda de 15 anos namora com um jovem adulto de 21 com quem, aparentemente, partilhava águas quentes e frias em Lisboa, e com quem foi de férias para o Brasil, para casa dos "sogros", desde Setembro.

Oi?

E a escola? E viver como se tivesse 15 anos? E os pais? E serem pais?

Já sei, não sou mãe, não tenho legitimidade.

Diálogos que são um luxo

Monsieur Candie
-"O teu chefe parece um pouco verde para dedicar-se a desportos violentos como combates entre negros.

Django
-Não, ele so não está habituado a ver um homem a ser desfeito por cães.

Monsieur Candie
- Ah, e tu estás?

Django
-Estou mais habituado aos americanos do que ele. "

É isto. Fabuloso.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Duvidas...

Rui Veloso dizia que não se amava quem não ouvia a mesma canção.

E quem não percebe puto de quem somos e do que gostamos ou nos faz feliz?

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

the beautiful things

Caixa de Brigadeiros do Atelier do Brigadeiro

Dor!

www.pontocondensado.com

vai-se andando

Vinha decidida em escrever um texto inflamado, decepcionado e contestário ao status quo.

Aquela espécie de coisa que lidera o PS apoiar como candidato à CM de Cascais o João Cordeiro, o Padrinho da ANF, tirou-me do sério. É esta a oposição que se tem ao actual governo (desnorteado, enredado em teias de interesses, irresponsável e  incapaz de distinguir um boi de uma girafa)? Uma oposição titubeante, impreparada e demasiadamente comprometida com outros caciques? A credibilidade, baixissima, passou a nula. Seguro não vale nada. E nós precisamos de valências, não de mais idiotas armados a brincar aos chefes, algo que lhes devem ter ensinado nas jotas mas cuja aprendizagem é má porque fica só pelo tom de quarto de brincadeiras. Precisamos de pessoas adultas. E sérias. Já bastam as que estão no governo actual.

Podia também opinar sobre os regulamentos internos da Assembleia da Republica que advogam que “a palavra do deputado faz fé, não carecendo por isso de comprovativos adicionais”. Isto porque a deputada apanhada bêbada a conduzir (ou seja, num acto criminoso), infracção pela qual poderá não ter que responder se invocar imunidade (não sei se o fará, mas já é mau poder fazê-lo num caso desta natureza: conduzir já zombie com uma taxa altíssima não deveria ter ónus de desculpabilização por se ser deputado, jamais), nos dias seguintes à detenção faltou ao seu trabalho (que nós pagamos à mula) alegadamente por estar doente (assumamos que o alcoolismo é doença e então a senhora precisa de reabilitação) e não tem que apresentar justificação porque a AR não o exige.

Qualquer empresa no sector privado exige ou atestado médico ou baixa para justificação de faltas. Na AR basta a palavra de um deputado... OI? Sabemos bem que são pessoas com uma verticalidade à prova de bala. Certamente que haverá alguns honestos, mas a maioria já sabemos que tem muitos problemas com a seriedade, com a pontualidade e com a assiduidade. A senhora com vergonha não deve estar para ir umas horas por dia ao parlamento (vergonha é algo que rareia também) mas devia sentir-se incomodada com o acosso dos media nos dias subsequentes à sua gloriosa condução embriagada e para escapar-se a isso, vá de dizer que estava doente.

Ora, doentes estão os serviços da AR que aceitam que ressaca é igual a doença apenas porque uma deputada o diz.

E eu podia continuar. A verdade é que se está tudo a cagar pra' cena. O país está submerso pelo medo e pela tristeza, que já de si nos é caracteristica, mas de forma não tão expressa, e não reage. Nem pela positiva nem para partir coisas. Estamos num "big denial moment" colectivo. 

Enquanto isso ontem o vento era tanto, que levei com a porta traseira do carro na perna de tal maneira que tenho uma mega nódoa negra. Estou farta de dizer palavrões e estou de mau humor.

Vai assim a vidinha.  




the beautiful things

- Penny?
- Yes, Sheldon?
- Sing for me

...

- Soft kitty
Warm kitty
Little ball of fur

Happy kitty
Sleepy kitty
Purr purr purr

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

domingo, 20 de janeiro de 2013

Maratona

Sou gaja para chegar a casa à sexta feira noite, entrar em modo de fim de semana e até segunda feira às 7 da manhã, não sair mais à rua. É uma alternância entre dormir, ler, dormir. Aos domingos, então, em 52 que existam num ano, asseguro que 30 passo-os na cama, sozinha, muitas vezes sem ligar a TV. 

Pois no que foi certamente o domingo mais frio da colecção Outono-Inverno, e chuvoso como um raio, não só corri o risco de mais um duche com água gelada (não concretizável, menos mal), como saí do pijama, maquilhei-me e enfiei-me das 13h10 às 18h00 num cinema, depois de pagar 10€ (facada!).

Mas valeu a pena!


Filmaço! 

Sabendo nós de antemão o final, caraças, a ultima meia hora é de uma intensidade brutal. Tenso, duro, incisivo mas sem bullshits, nem cenas fáceis, alavancadas por efeitos especiais de encher o olho. 

Fui ver sem grandes expectativas (não vi o oscarizado filme de Kathryn Bigelow), não obstante acho-o um grande filme. 




Tomem as medicações, é o que vos digo!

Um ode às diferenças e ao arriscar. Ao amor indefectível no seio da família.

Adoro a ausência de filtros da personagem do Bradley Cooper. 


sábado, 19 de janeiro de 2013

Wash Away

Ontem uma pessoa que me é próxima soube os resultados de exames médicos que fizera há um mês. E o que podiam ter sido más notícias, nāo foram.

Foi um alivio às 10h50 da manha. Uma tensão que se acumulou exponencialmente durante toda a semana toldava os músculos do pescoço.

Com todas as notícias arrasadoras que nos chegam, as vidas viradas de avesso, a pressão que os novos tempos nos trazem diariamente, estas merdas obrigam-nos a centrar, ignorar o ruído em redor e soltar um longo suspiro.

Era bom que este vento todo e esta chuva fria e sem fim lavassem as energias negativas. Precisamos muito de parar e respirar fundo.

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

the beautiful things



és Grande!

I have a dream

Com estas maravilhas sociológicas todas com as quais temos sido brindados, nós comuns mortais, arredados das luzes da ribalta, do brilho da sofisticação e dos front rows, tão a milhas dos seres bling bling da blogosfera, considero sinceramente ser generosa com um canal de televisão nos antípodas da minha pessoa.

Ora, tivemos a Samsung com o bando de tontos e sua inerente incapacidade para articular uma ideia interessante que fosse nos seus fofos monólogos. 

Hoje foi o deslumbre do vídeo promocional do Diário de um Baton ao som do George Michael (temi que a moça tivesse também lingerie made in Fotosport e a mostrasse). 

Amanhã vai rodar a baiana de como há muito blogger a ganhar e bem com esta coisa das marcas baixarem as calcinhas e os posts serem, nos blogs com mais visualizações, 10% inocentes (e todo o restante, pagos)... Há sempre aquele momento delicioso em que "A" anda 2 semanas a escrever, a fazer previews e a mostrar fotografias da campanha das galochas do Jumbo, que protagoniza, e 3 dias depois vai à festa (muito mais gira e chique) das galochas das Hawaianas! 

E o tema é empurrado para os jornalistas que recebem amostras de produtos, mas e então e os jornalistas-bloggers que sem problemas assumem que alugam banners nos seus blogs mas também usam estes quer para divulgar os seus trabalhos jornalisticos como para arranjar conteúdos para peças (pelo meio a carteira jornalistica, onde anda mesmo?).

Assim sendo, proponho uma Casa dos Segredos Bloggers! É um "programa" popular nestes circulos blogosféricos, haveria casais, rivalidades, disputas, ciumeiras, Ipads para status em real time no Facebook,  podiam andar de equipamento de running, tão em voga para essa gente toda, o dia inteiro, com menus detox Liquid-Origem, e quando a fomeca apertasse era ver o estilo Primark a vir ao de cima e a louça partir toda. Ía ser um sucesso.

E, depois, saiam e escreviam cada um o seu livro a contar a história (assim como assim já andam pra' aí armados em grandes referências da literatura pop-moderna ou do styling icónico massificado) e faziam um grande jantar num hotel a precisar de promoção (nunca no Ritz ou na Lapa porque saberiam lá pegar nos talheres, pelos deuses!). Eu aposto na gaja com as mamas maiores. Já ganhou! 

TVI, temos programa? Vale ouro!

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

reload?


Play it again, Sam

3 músicas definem-me. Pelo menos no "eu" que sou hoje (sabe-se lá como estarei em um ano!).

- Shake It Out, Florence + The Machine

- Everybody Hurts, REM

- Fix You, Coldplay

Porque os demónios agarraram-se às minhas costas e mataram-me a vontade de viver. Todas as manhãs são baby steps.

Porque aprendi a não confiar em ninguém, não baixo a guarda e prefiro estar sozinha, no pouco tempo que tenho para mim. Mesmo com as pessoas que me merecem o maior respeito, carinho e que me ocupam o coração, retraio-me e bloqueio emocionalmente e não consigo estar a 100%. Tornei-me dettached, tive uma boa quota de desilusões e já não concebo dar o beneficio da duvida. E acabo por também magoar alguns.

Porque tentei e falhei, sinto-me cansada, mas mesmo assim todos os dias espero que as feridas cicatrizem. Não será o Chris porque não sou uma Gwyneth e isso eu entendo. É preciso fazer 3 horas de ginástica diária, ser vegetariana e parva de gira para alguém escrever uma musica linda a propor-se ajudar a superar a dor.


terça-feira, 15 de janeiro de 2013

aquela coisa anual

Faço anos. Daqui a uns dias (too close).


Todos os anos, sobretudo nos últimos 3 anos, tenho-me sentido uma merda quando chega a data.


Cheira-me que não vai ser excepção. 


Não sou pessoa para conviver bem com a idade vs. não me sentir propriamente feliz com aquilo que sou e com a velocidade do tempo e como de repente parece esse tempo se esvaiu sem darmos conta. 

Citando algo que o Herman José outro dia escrevia no Facebook, "profite de ta jeunesse, c'est elle la vraie richesse...", que lhe terá dito São Schlumberger para exemplificar na perfeição o que sinto. E fico com uma puta de uma neura.


Para baralhar isto tudo, com as Tabelas de IRS a bombar mais a Taxa de Solidariedade (sacana de nome mais lixado!) estou ainda com os nervos mais em franja e com uma vontade desvairada de consumir... 

Assim, coisas que se pudesse oferecia a mim mesma para me animar:



Ipod 169G branco
(porque o Iphone não tem capacidade suficiente para Apps, fotos e musica e irrita-me andar sempre a ouvir o mesmo)






Viagem a Milão
(ou Londres ou Amesterdão)




Hermés Click H










Cheques Zara, Massimo Dutti ou Uterque. 
(dado que não há, em bom rigor, budget para ir às compras)

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

mea culpa

"No one can make you feel inferior without your consent"
Eleanor Roosevelt.

É tão verdade.

Ter permitido que me fizessem isso, uma pessoa via proximidade inquestionável natural que não se ousa (pensamos nós) contestar, outra pela posição de poder a que erradamente não menosprezei, é uma herança que estou a pagar com juros. 

Não só deixar que alguém, ou muitos, nos façam sentir uma merda dá cabo da auto-estima de uma pessoa (e é preciso ter tomates de aço para resistir e não se deixar afectar) como ter noção de que, em ultima analise, a culpa é nossa, que o permitimos, que não dissemos "basta", agrava a sensação de fracasso,   a frustração e é algo que nos persegue. 

É lixado.

sábado, 12 de janeiro de 2013

the beautiful things

Encomendadinha pra' moi même.

A tempo de ser o meu singelo presente para aquele fatídico dia em que levo com mais um ano no lombo.

Happy, Happy (não pelo ano a mais no lombo!, entenda-se)

the beautiful things

eu e óculos, óculos e eu 
(dava uma razoável modelo de óculos ... fica-me tudo bem!)






Mistério da Praça das Flores

O Hamburguer do Honorato deve ser o maior mito urbano dos últimos tempos.

É muito bom, toda a gente gosta, as batatas fritas são, consta, do melhor que há, mimimi, mas e comprová-lo?

4 tentativas! Q-u-a-t-r-o! Pois sim! Ora era culpa da EDP, ora problemas técnicos, ora problemas na cozinha, ora problemas técnicos... De novo!

Não creio que vá tentar 5ª vez, por muito boas que sejam as batatitas. Desconfio que é uma campanha de marketing.

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

the beautiful things

5.
Um bom numero.


Explicái melhor!



É uma coisa que me custa imaginar. Deve ser suposto dar um look sensual! De impressionar. Mas não consigo visualizar como será a causa e, por arrasto, a consequência.

Assim, de repente, concebo uma estrela rodeada por 3 guarda-costas tipo armário, very petit, de óculos de sol, boné, a andar aceleradamente com pequenos passos, pelo meio de uma multidão em delírio e flashes non stop, assim como que em pânico. Not sexy at all.

Depois temos a versão, mulher perseguida pelos credores, ainda menos interessante. E muito mais assustadora.

Acredito nas melhores boas intenções do Sr. de la Renta, até porque é connaisseur das mulheres, mas é pá, não estou a ver como é que isto funciona!


segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Na verdade, estou lá #65

Dom Pedro Laguna Beach Villas & Golf Resort
Ceará













via www.dompedro.com

PORQUÊ???


Na adolescência eu tinha tudo para ser um caso de insucesso e baixissima (nenhuma?) popularidade. E era-o. Consegui, pois, ser muitíssimo bem sucedida em ser um falhanço. 

Pois eu tinha peso a mais, usava óculos, usava aparelho, não era propriamente a pessoa mais atlética, dava-me, de longe, melhor com rapazes (fatal!), tinha boas notas, tinha uma personalidade forte, resposta para tudo, não era dada ao álcool, à noite passava o tempo todo a dançar e fora isso andava sempre a ler. Condenada a ser todo um hit, portanto. 

Mas coisa de que não padeci foi de acne. Consegui passar a barreira dos 16, dos 18 e até dos 20 e tal anos sem ter a cara massacrada. 

Ora, pois então alguém me explica, porque raio as borbulhas insistem aparecer agora?!!! Já nem é acne tardio, é um acne pré idoso, o sacana! E doloroso, pois são daquelas borbulhas que antes de emergirem, começam a doer como cornos enquanto se formam por baixo da derme. 

Portanto, os óculos desapareceram (obrigada, laser!), o aparelho também já voltou mas cessou funções, a personalidade não mudou, só fiquei com menos paciência, menos tolerância e menos joie de vivre. Gosto mais de álcool, já não sei sequer o que é dançar, o peso chegou, instalou-se e acomodou-se como se eu fosse hotel de 5 estrelas grátis. Nice! E o bónus da sabedoria, da puta da idade, tenho borbulhas como se não houvesse amanhã.

Sou um misterioso caso de Benjamin Button pervertido.  E continuo a não ser uma mulher muito popular, como se calcula. 

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

é isto!

"Não fique deprimido ao recordar a lista de amigos do Presidente que devem fortunas ao BPN, as quais você vai ter de pagar por eles."

Miguel Sousa Tavares, in Expresso


Não fique porque os antidepressivos e ansioliticos são caros como raios.

Olhe, se vir algum destes amigos do PR, devedores e impunes, parta-lhes as trombas. É bem saudável.

superheróis

Gosto de ver filmes do Batman. Não que goste de super-heróis ou de banda desenhada mas de todos a unica personagem com a qual simpatizei foi com o Batman (pronto, sou fanzaça da Turma da Mónica mas já estamos no campo dos mitos icónicos!).

O Bruce/Batman é giro, inteligente, culto, sabe estar, cai bem, conquista mulheres que não usam/usaram Pandoras, tem uns carros catitas, mexe-se nas horas para a porrada e tem sempre, apesar do lado trágico que lhe marcou a vida, como fim ultimo o bem colectivo de Gotham City.

Não o move a vaidade pessoal, a adoração das boas gentes de Gotham, deslumbradas pelo efeito-morcego, a adulação que lhe faça inchar o ego de tal modo que ao ver-se no bat-espelho na sua bat-caverna se sinta irremediavelmente superior aos demais.

Ele é. Tem os recursos para dar luta. Tem o espirito para ir à luta. Não se acomoda
perante o status quo de vilania reinante e apesar de ser um privilegiado, não baixa os braços e incute nos seus concidadãos a mensagem que desistir perante uma situação adversa não é a melhor opção.

Não obstante, os seus actos não exibem arrogância, pretensiosismo ou jactância (admitamos que a fatiota e o bat-mobile são um nadinha exibicionistas mas vá!).

Bruce/Batman nunca se arma em Grande Lider do mundo ocidental, dono da razão e sabichão irritante só porque deu cabo dos cornos do maléfico Joker, olarilas. E não rebaixa ninguém só porque não andam pelas ruas no fato de latex negro, em boa condição fisica, a pontapear a adversidade com as mesmas armas que ele ou da mesma forma.

Bruce/Batman, multimilionário, podia ser um pedante sobranceiro. Não é.

Quem sou eu, mas se me fosse permitido, num assomo de arrojo, opinar numa optica construtiva, recomendaria aos (auto-perspectivados) Superheróis da blogosfera, cheios de si e de uma ideia de si mesmos como possuidores de uma energia unica e especial, que vissem os filmes do Batman.

É que ... menos, pá!, no discurso messiânico. Parecem saidinhos de uma convenção da Cientologia.

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Cenas adultas no quarto

Dia grande cá em casa.

Por fim, temos um edredon de adulto! Nanana ... já não há guerras de edredon ora puxa para um lado, ora puxa para outro, bendito edredon de corpo e meio a sobreviver no meio da querela. Mas prova provada que a malta aguenta com o que há, enquanto se está bem, não é essencial mais.

Mas, enfim, 10 anos depois, e 5 deles em edredon-sharing, a Ikea venceu-me com as opções 1 em 3 e agora tenho a cama toda tapada por um edredon fofo, anti-alérgico (vivo com um "menino", por deuses), que tem intensidade 6 no inverno (sim, estamos mesmoooooooo na Suécia!) e 1 para a primavera e outono (ou seja de Março a Maio e de final de Setembro a Dezembro, sendo muito realista). Ou seja, somos uns pedantes com um edredon desfazado das nossas necessidades. Sim, porque se não vou à praia também não vou dormir de fato de banho!

Mas tem um aspecto mesmo de quem diz: "deita-te, dormeeeeeeee!". É um facto.