sábado, 29 de junho de 2013

O que é ser eu

Imaginem que saem à rua de vestido/roupa branca. E já quando estão fora de casa, e não têm hipótese de voltar atrás, ou de ir a correr uma loja em SOS, se apercebem que têm uma mega nódoa estranhissima, enorme e, por tal, altamente visível. 

Além disso, o vestido/roupa tem um grau de transparência acima do que o bom senso dita. E, pior, algures, durante o dia, lembram-se que não lavaram o cabelo por esquecimento há 2 dias. Pode não ser óbvio mas vocês sentem que o cabelo deve estar um nojo. 

Imaginem o dia todo assim. 

Ninguém vos diz nada mas há um desconforto pessoal horrível e uma vontade incrível de que um buraco se abra no chão e vos engula sempre que alguém se cruza no vosso caminho ou vos dirige a palavra. A auto consciência da vergonha. A sensação de "ignorem-me, por favor" e de querer voltar para casa rapidamente para acabar com o pesadelo. 

Conseguem vislumbrar? 

Bom, se sim, bem-vindos aos meus dias. 

quinta-feira, 27 de junho de 2013

The single gal

Hoje deu um dos meus episódios preferidos do Sexo e A Cidade. Daqueles que me lembro recorrentemente. 

Carrie vai a uma festa de uma amiga, casada e com filhos, à entrada é obrigada a descalçar-se (regras da anfitriã) e no final da noite alguém rouba-lhe os Manolos. Alguém também deixou um par de sandálias mas a amiga nem se preocupa em falar com a convidada que poderá ter levado os sapatos por "engano", porque com marido e 3 criancas não há tempo para futilidades (levava com um salto na testa), como ainda critica o preço dos sapatos (485$), próprio de alguém sem muita responsabilidade. Basicamente, humilha a desgraçada que já estava descalça. 

Ao reflectir sobre o tema, Carrie percebe que aos amigos que fizeram a escolha de casar e ter família, ofereceu presentes nas datas importantes (noivados, bodas, nascimentos) mas ela, enquanto solteira, nunca teve a direito a ser "celebrada". Depois da faculdade, sem casamento, não há direito a mais nada e mesmo que as escolhas sejam pagas pela própria, até essas são alvo de criticas. 

Ás vezes recordo-me disto. Não pelos sapatos mas como os solteiros têm as suas opções sempre debaixo do olho do furacão. 

Caramba, eu nem recebo presentes de aniversario dos meus amigos porque não me apetece fazer festa. Saio fora dos carris, e BAM... Punida! 

Ele há coisas... Go figure! 

Ideias para presentes: ATM's

A malta tuga adoraaaaaaaaa máquinas multibanco.

Esta coisa de sermos muito inovadores e de termos posto as máquinas ATM's a fazer tudo menos darem-nos massagens ou dizerem-nos o tempo (tema que muito apreciamos debater!), levantar dinheiro pode ser uma tarefa assaz dificil. 

No sábado tinha um cavalheiro à minha frente numa galeria comercial praticamente vazia, nem eram 11 da manha, e desde do momento que cheguei até ao momento em que por fim consegui chegar às teclas, fez 8 -OITO- pagamentos! E ainda levantou dinheiro, com 2 cartões diferentes. 

Hoje, três caixas multibanco. Uma sem dinheiro. As restantes ocupadas. Numa, uma senhora com uma resma de contas para pagar (ainda lá deve estar) e noutra, um cavalheiro munido de três cartões que iam entrando e saindo do ATM para ora vê saldo, ora paga, ora saca dinheiro, ora imprime saldo, ora o raio que o parta.

Pois bem, estas facilidades são todas muito catitas. Dão um grande jeito, é verdade. Nem todos têm acesso à internet para ter banca online. De acordo. Mas dado que está mais do que provado que coisa que não abunda nos genes dos lusitanos é o bom senso, estas possibilidades infinitas de utilizacão dos multibancos deviam estar confinadas a algumas caixas, por exemplo, as que estão em balcões ou em shoppings, onde existem muitos ATM's. 

Ou isso, ou criar umas máquinas mais pequenas para ter em casa como as de cerveja à pressão, já que as pessoas deliram em estar coladas aos multibancos. Entre o LCD e a playstation, até era bem jeitoso para a fotografia da boda. Para levantar dinheiro podiam utilizar as máquinas normais. 

Há mais de 20 anos (25?) que o Herman fazia uns anúncios institucionais com base na frase chave "Portugal não é só teu" (e o sacana do multibanco já era um dos visados). Ficou alguma coisa nestas moleirinhas de galinha?

quarta-feira, 26 de junho de 2013

No way, José



Eu faço o meu trabalho de casa. 

Mas não há cá sacana algum a fazer por mim. 


terça-feira, 25 de junho de 2013

Face brutal facts




É verdade. É tão verdade. Pra' lá da verdade. 

Politicamente correcto: negar. Que o que conta é a personalidade, lalala. 

Não é verdade. 

Simplesmente, não é. 



Na verdade, estava lá #73

Hotel Splendido & Splendido Mare
Salita Baratta 16 

Portofino - Italia















segunda-feira, 24 de junho de 2013

Admito, não sou assim

Eu tento. Já muito pouco. Mas tento. 

Olho para pessoas de quem gosto, pessoas com quem simpatizo, pessoas que conheço, pessoas assim-assim, pessoas que apesar das contrariedades, das dificuldades, do nervoso miudinho do dia a dia, parece que isso lhes passa ao lado e demonstram sempre uma nesga, um rasgo, uma entrega. 

Isso é de valor. Não sei como raio conseguem. 
Estou pra' aqui na duvida do prémio evento do mês Junho: 

a) pic nic Tony & animais do campo descem à cidade (sendo que se é cidade é porque não se é campo, mas tudoooo bem a Sonae paga, invadam lá espaços urbanos com galinhas). 

b) mercado boho-chic organizado pela supermummy Toddlers & Tiaras.

c) férias altamente publicitadas no Club Med algarvio ao estilo Splash - "vejam-me, consegui passar da Quarteira ao alto da plataforma, vejam-me, vejam-me, já não sou banal, sou um reality show".

Hesito...

Mal, por mal, o Tony e os porcos, e as alfaces são mais autênticos.

sábado, 22 de junho de 2013

Em cada louco varrido há razão



O infame Charles Saatchi, esse septuagenário que se excede nas discussões conjugais publicas ao exprimir as suas opiniões directamente na jugular da mulher, repetidamente, afirmou em tempos que lidava bem com o facto da sua Nigella (e pescoço, presume-se) ser uma mulher considerada bela e cobiçada. Aliás, questionava o ancião, "quem é que quer uma mulher que ninguém cobiça?". 

Pois, minha boa gente, se vocês soubessem o quão verdadeiro o raio do homem  estava a ser! 

True story.



quinta-feira, 20 de junho de 2013

Back Report

Ida ao osteopata ou cobaia nas práticas de dor da Mossad? Há momentos em que a pressão no pescoço me dá algum receio de que vá sucumbir ao desmaio mas lá me aguento. 

Ponto de situação: omoplata colada com várias contraturas em redor, mantém-se. Ligeiras melhorias. 

Grande novidade: segunda omoplata colada. Com menos contraturas mas igualmente lixada com "F" maiúsculo. 

Dandy. Gotta' love 2013. 

Como me disse um amigo, sabiamente, talvez o meu corpo seja diferente e tenha esta disposição anatómica. Tipo (estou a citar, adorei um gajo dizer-me "tipo"), de outra forma desfaço-me. É um excelente argumento. Eu sou tão anormal que poderia ser possível e, como me disse o massagista, literalmente suporto os problemas às costas. Sendo asim, se me arranjam as costas, os problemas desfazem-me. 

Ora, está muito certo! 


quarta-feira, 19 de junho de 2013

& I wonder ...

Já aqui mencionei que uma das coisas que menos gosto na blogosfera são os Anónimos. 

Também não acho muita piada quando em blogs os donos dos mesmos (ou visitantes) atacam Anónimos (independentemente das opiniões destes serem para lá de estúpidas ou ofensivas, algumas vezes) com base unicamente no argumento do anonimato quando esses mesmos blogers (ou comentadores) ... também o são. A diferença é que têm um nick, um endereço de mail para o qual se pode enviar um email a chamar de "querida" para baixo mas, a bem da verdade, 80% das pessoas que os lêem não sabem quem está por trás do blogger. 

Nada contra. É uma opção que dá liberdade, oh se dá. 

Se não tivesse o meu nome aqui exposto o divertido que seria este blog! Porque para contraponto à aridez das minhas emoções, há tanta coisa surreal e deveras divertida noutras dimensões da minha existência, que poderia dissecar. Porém, como há pessoas que aqui me visitam e que de uma coisa hiper-mega privada retiram ilações publicas descabidas e alucinadas e propagam boatos sobre terceiros, a minha opção é não dar azo a historias sobre outros (excepto quando não haja hipótese de criar dano a quem quer que seja). Seria terapêutico mas aguente-se. 

Voltando aos Anónimos: não gosto. Ao menos, um nick. A sério. 

Curioso, não obstante, como os Anónimos que enchem de comments tóxicos essas caixas de comentários pela blogosfera fora, de repente brotaram que nem cogumelos no Boom Festival no blog da Stylista por causa de um Giveaway (conceito paralelo à Pandora: arrepia-me até o ultimo pelo que não tenho nos braços!) de uma clutch verde-alface (!) da Prada. 

Há pouco: 870 nomes e emails escancarados e a grande maioria dos users eram Anónimos. 


Giro, não?


(não estou contra o sorteio, promoção, whatever; NADA! Só acho engraçado como as pessoas expõe dados que consideram suficientemente privados para se registarem mas que entretanto estão totalmente disponiveis para quem quer ver!)

Beautiful Things

Livros e carteiras? 

Hello? Bliss total?

Top, top!




terça-feira, 18 de junho de 2013

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Na verdade, estou lá #72

Capella Lodge
Lagoon Road, 

Lord Howe Island - Australia


A minha eterna pancada pela Austrália. Efeito unilateral de boomerang