quinta-feira, 30 de abril de 2009

ódios de estimação 1

faz bem para exorcizar as nossas pequenas raivas e dar à má lingua!!!!

aqui vai o TOP 5:


nº 1 inquestionável: Filipa Castro... ex mulher de jogador de futebol, mãe de 2 crias, mais não terá feito do que isto na vida. A minha teoria é que o "de" antes do castro veio no pack promocional do silicone que colocou ainda casada porque isto há que chulá-los bem antes de dar o berro pela independencia e pelo encornanço costumeiro dos cromos da bola. Já não há pachorra para a ver em tudo o que é festa como se fosse o ser mais mediatico do planeta pela excelente contribuição para a Humanidade. Soltou a franga (e quem quer que a apanhe) e tem péssimo gosto. Veste-se mal que doi. Preferivel vê-la nas revistas de gajo semi nua, ainda q mesmo assim os bikinis sejam sempre pirosos... e anda esta espécie de coisa nao pensante num Audi Q7. Realmente o mundo anda ás avessas.




nº 2 o cliché: Clara de Sousa .... a historia da cinderela dos tempos modernos.



A moça roliça da cintura industrial casa com o namorado da faculdade, forma familia, coloca naperons por cima da tv, vão progredindo, são bem sucedidos mas ela sempre mt sopeirinha valha-nos Deus até que... mulher encornada, mulher renovada. E mais uma que soltou a franga, versão quarentona. Vá de se produzir, escanchar-se nas revistas como se fosse a nova miuda dos morangos com açucar, arranjar 1 gajo novo a quem possa por fim dar ordens e muda-se o look... tudo com a subtileza de um elefante numa loja da Vista Alegre. Mau, mtº mau o resultado. Mantém-se sopeiral mas com roupa de marca. Recuso-me a ver noticias dadas por ela... não é credivel, será que está a fitar a camara / publico ou a olhar-se ao espelho? prefiro o piscar de olho ordinarote do José Rodrigues dos Santos

nº 3 a sem explicações: Lucy ... não há nada que escreva que possa explicar esta coisa.





Desde a pronuncia chunguita das berças, à floribella, à roupa que devia ser seriamente investigada pela ASAE, à familia disfuncional, às mensagens para o yannick djaló, bem tudo é perversamente mau na menina pobre que se tornou rica mas que parece saida sempre de um bar de alterne (sem ofensa para as alternadeiras que me merecem respeito... esta espécimen, NAO!!!).



nº4 a deslumbrada ... Maya: alguém sabe se alguma vez acertou alguma coisinha relativamente aos seus prognosticos astrológicos? Claramente mais inteligente que os outros ódios mencionados, é espertalhaça e tb gosta de sacar miudos. Não é parva não, é só mesmo irritação. É rainha da noite, viperina, invejosa e como diria a Teresa Guilherme com as hormonas pimpilantes. Será a menopausa??? É que há tratamentos harmonais. Mas verdade seja dita, nenhum aumento de mama foi tão visto / falado como o dela... mas PORQUÊ??? essa é a questão... a culpa não é dela, é dos tugas desencabestrados com o rumo do país!



nº5 o macaco amestrado: cristiano Ronaldo... sem querer negar o talento da criatura e o esforço / dedicação que coloca no que faz e que lhe permitiu progredir na carreira e deixar para trás uma infancia pouco privilegiada, a verdade é que tudo nesta coisa me irrita (os abdominais são ok!). É tudo em excesso. As acrobacias em campo qual macaco no circo; as roupas espalhafatosas à atirar para o bicha rasca; a colecção de carros exibicionista (o MTV Cribs pode fazer 1 programa sobre o gajo); as prostitutas e as outras sem direito a titulo de tal numa manifestação de masculinidade bacoca de 1 gajo que não sai das saias da mãe; a familia vampiresca em fato de treino e mtº mal penteada; e, pior, ter dinheiro para mostrar, sem aproveitar para cultivar e melhorar-se como individuo. É igual a qualquer rapper americano que se preze. Não é 1 atleta... não tem cabeça para tal. É 1 desportista. Se não fosse famoso e jeitoso com a bola, passava bem por trolha às compras ao fim de semana em fato de treino.

Amanhã há mais!!!


terça-feira, 28 de abril de 2009

ainda há esperança

para o ser humano ou o poder da Internet.
Ver aqui a historia comovente e inspiradora que vai certamente salvar a Marta

segunda-feira, 27 de abril de 2009

o meu profesor de meditação chamou-me tótó...

... salvo seja.
Estávamos na onda de aplicar a bondade ao nosso dia a dia (metta-bhavana) como forma de estar bem com nós mesmos e com os outros. Praticar metta é cultivar um coração aberto, inteiro, ciente e na meditação trabalhamos ao nivel da motivação, semeando boa vontade, bondade, amor para connosco e com o mundo.
Ou seja, numa situação de conflito com alguem que nos está a tratar mal e a ser agressivo, a lógica é aceitar aquela pessoa como ser humano, com perturbações (especificas ou continuadas) e que retaliar ou responder na mesma onda, só serve para alimentar o monstro da raiva e da estupidez. Portanto há que usar discernimento para aliviar a situação e contornar o problema. Mas com bondade e não sendo bonzinho...
Aqui reside o busilis... isto não significa dar a outra face e ser abusado e humilhado continuadamente. Esses são os tótós! (e explica-se o titulo!!!).
Em teoria isto é strictly good sense mas Buda, até sendo um tipo porreiro com clarividencia e inteligencia superiores, não deve ter encontrado mts anti-cristos na vida, os quais desmantelam a teoria de que todas as pessoas são seres humanos. E de facto há pessoas que nos fazem mt mal e que não merecem sequer uma meditação de coração aberto, procurando uma conexão que supere essa maldade que nos fazem. Como lidamos com isto com sanidade?
Assim, só para aqueles que merecem (porque não consigo ser um individuo melhor e generalizar e nem mesmo mtª meditação me deve rectificar este problema)
- que eu esteja bem, que eu seja feliz e que eu encontre a paz;
- que vocês estejam bem, sejam felizes e encontrem a paz.

demasiado vodka

o mundo estará louco???
ver aqui

os russos passam-se...

sexta-feira, 24 de abril de 2009

O Lado Negro da Força

Nunca tive nada contra o pepe, mesmo jogando no FCP. Sabia quem ele era porque era o brasileiro estranho que independentemente da temperatura jogava sempre com uma camisola de gola alta por baixo da t-shirt.
Durante mt tempo achei que ele tinha uma horrivel cicatriz que não queria mostrar. Depois tornou-se mesmo só estranho. Mas como ele se diferenciava pela positiva naquela equipa do DEMO (s/ tattoos, sem grande malvadez nas jogadas e low profile). Depois gostei da postura dele na selecção, mesmo nao sendo a favor das naturalizações interesseiras (ex: DECO), sempre me pareceu que o moço se tinha adaptado a portugal e nao tinha "usado" o país.
E de repente, este fim de semana, o homem passa-se e além de uma falta, vá de agredir sem grande dó e zero piedade o adversário (ok, era do Getafe e ainda me custa a acreditar que existe um clube na 1ª divisão espanhola chamada Getafe!!!). ver aqui
Anda, assim, meio mundo entre o incrédulo e recriminatório (um atleta tem que saber controlar-se) e a absolvição (o Pepe nao sabe o que lhe passou pela cabeça, está visivelmente abalado com a situação e até ponderou abandonar os relvados) e eu tenho que opinar (porque sim)!
Quando soube da situação achei que não havia nada que explicasse uma agressão assim violenta, mesmo vindo de um jogador que não é propriamente o jorge costa ou o fernando couto e mt menos um malfadado paulinho santos. Depois vi as imagens e ouvi-o em declarações. E comecei a pensar que a mim me podia acontecer a mesma coisa... salvo as devidas diferenças, sobretudo de eu não saber jogar à bola.
O que eu quero dizer é, que quantas vezes já me apeteceu pontapear com a mesma garra e violencia alguém que me fez qualquer coisa (grave, pelo menos na minha acepção)? Muitas. Várias vezes. A sério... A verdade é que não o faço. Mas tenho à mesma a vontade e um dia talvez passada da cabeça o venha a fazer. Não estou a desculpar o Pepe e o seu ataque de kickboxing mas mesmo ele dizendo que não sabe o que lhe passou pela cabeça, eu entendo-o. Provavelmente terei uma alma negra e vou virar para o lado errado da Força, mas juro que há momentos na nossa vida, que depois de tanta merda que nos fazem aturar, seria libertador pontapear quem nos irritasse mais da conta (tenho já alguns alvos pré-alinhados).
Ou seja, gostava de ter o tamanho do Pepe e a oportunidade. Logo, não posso criticá-lo apesar do outro desgraçado aparentemente não ter feito nada demais, excepto atravessar-se à frente dele.
Stª Prada, preciso mesmo de terapia!

quinta-feira, 23 de abril de 2009

o meu casal preferido




quando era miuda dizia a toda gente que queria ter filhos mulatos; tenho um trauma desde pequena com este tom de pele à ideal de Petrarca que mais parece que sofro diariamente de ataques vampirescos nocturnos que me deixam branquela e translúcida.

Assim, queria filhos mulatos com aquele tom vibrante e bochechas cheias de vida. Isso implicava arranjar um pai preto. Eu era algo precoce. Os meus pais nem ligavam mas as amigas da minha mãe, bafientas, benziam-se com o que eu dizia. E aos 11 anos dizia que queria adoptar 1 chinês... Angelina e Madonna, move on, o que voces fazem já bailava na minha cabeça há 22 anos. De novo, precoce.

Por isso adoro o casal Seal-Klum. Adoro a voz quente e sensual daquele homem que compensa a falta de uma beleza óbvia por uma aura de cavalheirismo e amor pela sua germânica que dá gosto. E ela linda [magrérrima, a cabra :) ], com o sorriso traquina e ar bem disposto.

O próprio Seal anunciou num concerto em New York City concert no dia 16 Abr 09 que ele e a Louraça estão à espera do 4º filho.

Há esperança pro' mundo. E aí vem mais um mulato fantástico que vai ter aquela voz a embalar-lhe os sonos. Only in America...

new look

Hoje as minhas amigas extensões hindu-italianas, oferecidas c/ amor e carinho no Natal, despediram-se de mim e cairam no chão do cabeleireiro, de onde mt louras ficaram a olhar para mim.

Mas como não posso dar paz ao meu cabelo (é contra natura, o meu cabelo acompanha sempre as minhas revoluções emocionais internas), passei a ter melena natural mas toda alisada mt fashion. E está naturalmente comprido e brilhante. Estou feliz. O meu cabelo dá-me alegria.

Às vezes é bom ser gaja e poder ser futil e deixar o cabelo ditar-me a boa disposição. Passa depressa mas é reconfortante sentir-me bem com o meu fabuloso cabelo :). Hoje vou dormir como se fosse Natal

Amanha regresso ao meu estado Woody Allen :)
Até amanhã

mp

quarta-feira, 22 de abril de 2009

Odeio gente magra!

Eu sei que estou gorda (não é estar com peso a mais, ou roliça ou rechonchuda ou mais forte!!! é mesmo gorda) mas porque todos me apontam isso? Até de quem mais custa ouvir?

Major Ego killer!

Estou magoada... e nao posso compensar com doces ou bolachas ou gelados! É triste

eu queria uma forma de bolos em formato de coração...

... era o grande motivo para ir ao IKEA, mas os desgraçados dos suecos são uns sacanas a criar expectativas e depois descontinuar os produtos.

Eu queria uma forma de bolos em formato de coração e tal como os sabonetes aqueles vikings deram cabo da coisa... Shame on you... uma loja que defrauda boas intenções... NAO GOSTEI!!!

Entretanto já temos mesa para DVD's para ficar debaixo da TV, uma estante para os meus livros (finalmente, sinto-me mais tranquila!!!), velas azuis a condizer com os cortinados do quarto.... A casa de Entrecampos ganha vida própria a ritmo alucinante :)

Mas nada de forma de bolos em formato de coração ...

domingo, 19 de abril de 2009

A banda sonora de uma vida

Ontem fui a mais uma festa dos Anos 80 (Teatro da Comuna, bar aberto, algo relacionado com a Time Out, e pouco mais sei da coisa). Na sextiraa fe tinha estado no W. a dançar ao som dos hits dos 70's, 80's e 90's (foi mt divertido... Nuno, Mário, Sofia e Alexandra, vocês estavam em grande!)
Nos ultimos tempos têm sido várias as festas a que fui com base na musica "mitica" que acompanhou a minha infância / adolescência / inicio da idade adulta. E gosto. Mas começo a pensar porque há toda uma franja da população cada vez mais envolvida neste movimento revivalista.
A musica é gira, lembra-nos todo um processo de crescimento doloroso, por vezes, mas mt bom, a maioria das vezes [o balanço deve ser este :) ] e traz memórias de quando éramos mais magros (!), mais despreocupados, mais inocentes e tb mais sonhadores.
A nostalgia talvez venha daí. Estará toda uma geração desadaptada e perdida nesta entrada do milénio? Estaremos tão á deriva que achemos giro dançar ao som do "Eu sou aquele que te quer e mais ninguém..." dos Excesso?
Vi pessoas (a quem dou os parabéns pelo esforço) totalmente envolvidos no dress code (havia imitações da madonna, all stars, perneiras, barbies ao pescoço!, wayfarers), mas creio que estamos (os mid-30's e os early 40's) numa fuga para a frente mas em rewind.
Ou seja, confrontados com a instabilidade laboral, as hipotecas da casa, os preços dos colégios dos putos, os falhanços amorosos e a inconstância emocional, os discursos ocos de uma classe politica (grosso modo incompetente e irresponsável), as merdas de chefes que nasceram e vivem para nos humilhar diariamente, as viagens em massa para destinos tipificados, o mau futebol do Benfica, o carjacking, a crise e a deflação, os 1ºs cabelos brancos, o peso a mais que custa cada vez mais a perder ...encontramos conforto, nem que seja momentâneo (enquanto dura a festa ou se ouve a M80), nas lembranças do que fomos quando tinhamos maus cortes de cabelo, nos vestiamos assustadoramente e nao havia telemóveis. Procuramos conforto numa época de namoros que nos despertavam borboletas na barriga, os 1ºs beijos escondidos e a duvida do que se fazia depois, das primeiras saidas com amigos à disco, o ver nascer do sol com sabor do ultimo cigarro e do ultimo vodka, os 3 meses de ferias de verão com a pele dourada pelo sol e sem stress com os 1500 protectores solares que ninguem nos obrigava a pôr.
Não nos revemos no hoje: na batida dos Buraka Som Sistema, no jogo das palavras dos rappers / hiphop que mais parecem criminosos com as calças a cair, uma geração pós morangos com açucar sem talento, mas que se pavoneia por todo lado, na má educação, falta de fronteiras e linguagem incompreensivel dos miudos, no continuado aparecimento de bandas que acabam em 5 segundos ou vão todos para rehab depois do 1º exito.
Será um problema de incompreensão nossa? Uma geração que se refugia no passado não estará a desligar-se do futuro? A verdade é que eu propria me sinto muitas vezes desenquadrada neste contexto presente. Mas há limites. Dançar ás 3h da manhã "No want no short dick man" é mesmo mtº pouco edificante. Sobretudo quando 15 anos depois a realidade do Californication, Nip Tuck ou Swingtown * acabou com o esconderijo bafiento dos preconceitos do sexo e elevou o sexo à banalização suprema e vulgar.
* também não me adaptei a estas séries.... já sei, sou careta!!!!

sábado, 18 de abril de 2009

surreal

in Agencia Financeira

Empresas foram nacionalizadas para não falirem: Fannie Mae e Freddie Mac pagam bónus de 210 milhões

Caso semelhante aconteceu na AIG

A Fannie Mae e a Freddie Mac, instituições norte-americanas de crédito à habitação que tiveram de ser nacionalizadas para evitar a falência, vão pagar, ao longo de três anos, 210 milhões de dólares (157 milhões de euros) em bónus.

No ano passado, as duas empresas pagaram mais de 50 milhões de dólares (37 milhões de euros) em prémios e, para 2009 e 2010, têm planeado distribuir mais 160 milhões de dólares (119 milhões de euros) em bónus.

MAS

Mais dinheiro público pode ser canalizado para as duas instituiçõesAs instituições norte-americanas de crédito hipotecário Fannie Mae e Freddie Mac podem vir a necessitar de ajudas adicionais de 200 mil milhões de dólares (144 mil milhões de euros) do plano de apoio ao sector financeiro.

Se as condições do mercado imobiliário continuarem a deteriorar-se, as duas empresas poderão vir a sofrer bastante com isso, segundo a Agência Federal de Financiamento de Habitação.
Dados da Bloomberg revelam que o mercado da habitação sofreu uma depreciação de 3,3 mil milhões de dólares (2.558 mil milhões de euros).

E

Tesouro dos EUA recomenda eliminar Fannie Mae e Freddie Mac

Medida poderia facilitar aquisição de casasO secretário do tesouro dos EUA, Henry Paulson, recomendou encerrar os gigantes imobiliários Fannie Mae e Freddie Mac, que receberam a ajuda do governo, e trocá-los por uma ou duas entidades privadas com garantias públicas, informa a agência «Efe».

Segundo explicou Paulson, essa ou essas entidades comprariam e titularizariam hipotecas, algo que facilitaria o crédito e a aquisição de casas por parte dos americanos, pelo que não poderiam manter carteiras de investimento.

Assim, o governo avaliaria essas hipotecas e uma comissão determinaria as taxas de rendimento que essas entidades privadas iriam receber.

Preto sempre foi a minha cor predilecta (grande invenção)


Si a tí te gusta, a mí me encanta

Não, desiludam-se, o post não é sobre filmes pornos. Ontem ouvi a frase "Si a te gusta" num fado (leram bem, castelhano num faduncho) e imediatamente, em causa-efeito, apareceu na m/ mente "a mi me encanta".

Ontem jantei numa casa de fado para comemorar um aniversário. Eu gosto de casas de fado mas o plano estava destinado ao falhanço (desastre?) desde o inicio. E ninguem me quis ouvir. Pois... Passemos às razões:

1) fazer um jantar de aniversário numa casa de fados não é propriamente ideal, sobretudo se se faz anos no próprio dia e o telemovel toca e se atende para agradecer os parabens nos momentos mais inoportunos. Mesmo sem isso, o convivio normal de uma festa de aniversario está limitada pelos momentos de silencio imposto pelas actuações.

2) ir a uma casa de fados à experiencia neste contexto de aniversário é uma péssima ideia. Porque de facto tem que haver predisposição para o silencio e apetencia pelo fado. Falar indiscriminadamente enquanto há actuações não é "simpático" (to say the least) porque... 1ºporque não (e isso devia ser suficiente); mas caso quem não entenda, porque quem está a actuar (sendo melhor ou pior) está a trabalhar e merece respeito.

O argumento do "estou a pagar" é assustador pelo cunho de novo riquismo atroz além de que no teatro ou mesmo no cinema também pagamos e o bom senso / boa educação ditam o silencio. Por fim, as regras do fado assim o convidam (ouvir, sentir, deixar a musica bailar em nós com o seu sentimento). ir aos fados só para dizer que se foi aos fados sem entender isto, pronto... sem palavras. Com a quantidade de restaurantes que lisboa tem onde se pode socializar sem condicionalismos, não se entende ir a uma casa de fados para desrespeitosamente tratar o fado.

3) ir jantar a uma casa de fados no Bairro Alto é como ser uma galinha que pede para ser depenada. Fados no BA = turistas = preços exorbitantes. Nada contra refeições com preços acima da média mas quer dizer-se não estamos a falar da cozinha do Sá Pessoa, do Luis Suspiro, do vitor Sobral ou do Baena. estamos a falar do Forcado na Rua da Rosa, que mais kitsch não podia ser e com uma qualidade que à partida qualquer lisboeta já sabe é de evitar.

Exs: Pratos mais baratos - frango no churrasco c/ bacon €22; prato vegetariano (espargo e mais legumes, ipsis verbis) €22; lulas a €24 mas se quisermos temperos só ha pacotinhos tipo ketchup!!!!; azeite quente para o bacalhau teve que ser pedido e veio a contragosto; o pão era o very typical carcaça... por esta altura já anda a galinha toda depenada a correr sem cabeça. Pedi uma sopa para vir de imediato e passada em creme, chegou 1h40 depois normalissima; chá ... marca branca da makro (mau demais, nao sabe a nada)... toma lá para não te armares em fina, querias o quê: mariage de fréres?! Ou menos Lipton, caramba!

4) outro factor fascinante de uma casa de fados no BA: além do fado tem Folcolore ... HORROR! Antes que me acusem de anti portuguesa, eu sou uma boa cidadã: pago impostos, peço sempre recibos, voto, não cuspo para o chão nem atiro papéis para a rua. Assim, não admito que questionem o meu sentimento de portugalidade mas ODEIO folcolore. é visceral... dá-me dores de estomago, de costas, fico com palpitações e vontade de cortar os pulsos. Pois... ter que gramar isto foi a gota de água mas mais 1 prova de que é para turista ver.

5) os fadistas não eram bons nem maus, eram assim assim e queriam impingir CDs. Mas o momento alto foi o fado em castelhano (!!!???) em que a srª dizia "tiengo" em vez de "tengo". Olé

Não sei se os turistas se deixam comer por parvos ou se os operadores actuam mesmo conscientes que os turistas são uns idiotas que abrem as carteiras. E isto não é exclusivo de Portugal, porque lembro-me de ser altamente engrupida em Praga com uma porcaria de teatro negro e um jantar inanarrável por €60 em 2002 (tão mal gasto!) ou um jantar em Budapeste ao som de ciganos romani que em vez de musica tradicional cantavam o "Viva la España" e "The Girl from Ipanema". Mau, mt mau!!!

Mas, em resumo, sou parva. Porque nessa altura sabia que ia ser enganada e acedi (maldita pressão de grupo) e porque ontem sempre soube que ia ser o que foi. Mas quando se é amigo... somos parvos.

Ainda por cima, o BA não é mesmo a m/ praia. E ao FORCADO, jamais!!!!



NA: eu vou a casas de fado desde tenra idade e por isso estas coisas afectam-me. Tenho dito!!!!

quinta-feira, 16 de abril de 2009

sem palavras




quem me conhece ... percebe o significado!!!

esta malta da PSP tem cá 1 sentido de humor...


Citação constante na Visão desta semana:
«Não me parece que na PSP exista [homossexualidade]. É um mundo muito masculino»

by António Ramos, presidente do sindicato de profissionais da policia, in Jornal de Noticias


Parece-me que um dos pressupostos para que haja homossexualidade está pré-existente: ha mts homens juntos :)


Este sr. nunca deve ter visto os Village People... olhem lá bem, o gajo da frente!!!!


quarta-feira, 15 de abril de 2009

candidato PSD às Europeias

Eu não entendo o PSD. Será que eles proprios, no intervalo de espetarem facas nas costas uns dos outros, se conseguem entender?

Vejam aqui ao que chegámos:

terça-feira, 14 de abril de 2009

Peter Pan

Não gosto de chuva, ou melhor, ODEIO chapéus de chuva. Ver chover da tranquilidade do meu sofá e do aconchego da manta sabe-me lindamente. Acompanhado com chá. Uhmmm. Mas nutro um profundo desprezo pelo objecto chapeu de chuva (tenho 3 , nenhum funciona bem e raramente os abro), recuso-me até ao limite do bom senso usá-lo. O facto de andar de transportes publicos e sempre com livro / revista mais uma mala carregada não é alheio a esse desgostar: o chapéu de chuva, independentemente de ser grande, médio ou irritantemente minimo, atrapalha sempre.

Posto isto, e dado o tempo que fez hoje, acabei por ter que recolher a casa mais cedo, antes que apanhasse uma 2ª molha.

E era neste momento que o post devia começar mas faltar-lhe-ia uma abertura dramática, além que tinha mesmo que desabafar que não suporto chapéus de chuva (estão abaixo da cebola na minha lista de "NÃOS" mas ao nivel do Cr7 ou dos soutiens de alças transparentes sempre à vista!).

Estando em casa, aproveitei para arrumar mais uns caixotes para a mudança de casa. 1º apercebi-me quantos livros tinha e ía-me dando uma coisa má, porque onde vou pô-los agora???

Até ao momento, os meus livros, malas e roupa eram reis do meu universo e ocupavam o espaço que mereciam como centro do meu castelo, agora vou ter "esgueirá-los" para um sitio maior mas em que não vão ter o mesmo protagonismo e em que vão ter que lutar pelo seu espaço perante maxmen's e gq's e zilhões de dvd´s. Alguns remeti-os directamente para a assustadora caixa que diz "Arrecadação" mas grosso modo os meus livros são tão bonitos.

Fiquei tão contente de encontrar Os Maias e a Madame Bovary. Em simultaneo, um prazer imenso por ter tantos livros ainda por explorar e que me parecem, cada um à sua maneira, tão deslumbrantes e fontes de preenchimento pessoal. No entanto, à medida que os ia colocando nas caixas, o meu coração apertava.

Mudar de casa é uma experiencia penosa para mim. Não gosto, não tenho paciencia e tento esconder o processo debaixo do tapete. Correu (mtº) mal da 1ª vez e depressa descobri que andar com a casa às costas não era para mim. Nesse ponto, gosto de estabilidade (o não ser pessoa de ferias de mochila às costas ou odiar campismo, acho que ajudam a perceber the big picture).

Gosto mesmo da minha casa. Pode nao ser na lapa, ou no restelo ou no chiado, mas é o meu canto, define-me e eu dei-lhe a vida merecida. Sem ser lamechas (tentativo!), construi a minha realidade num espaço meu, de conforto, recolhimento e total encaixe habitação-"habitador".

E hoje comprámos um aspirador. De facto, estou a crescer, ate ja compro aspiradores (1800 watts, sem saco, com sistema anti alergias e em PROMOÇÃO, o paraiso do aburguesado), bem giro por sinal, que vai dar um jeitaço. E sinto que o meu Peter Pan, por mtª luta que dê, está a abandonar-me. Assumo que sofro do sindroma de Peter Pan e que tornar-me uma adulta a tantos niveis ao mesmo tempo me põe num estado de reflexão e aperto na garganta.

Sei que o salto que vou dar é uma etapa que vai ser gira. Em vez de deixar-me estar a boiar à espera que o sol dai de trás das nuvens, vou dar um mergulho. Mas não deixo de ter receio que o peter pan não regresse comigo à superficie.

Restar-me-ão os livros. 3 chapeus de chuva que não funcionam. E um electrolux azul e branco todo catita (digno de ser robot na Guerra das Estrelas).

a minha revista preferida


se tivessemos esta qualidade, alguem ligaria à má escolha / boa escolha ou à má qualidade / boa qualidade da Playboy versão tuga (e nada contra a minha homónima)?

Nuno Gomes até 2011

Vejam aqui

Alguém que dê estabilidade à equipa mesmo q se esqueça de marcar golos :)

segunda-feira, 13 de abril de 2009

as lágrimas dos outros

Chorar é um dos momentos mais libertadores e de reuniao do chorador consigo próprio. São episódios de redenção em que aliviamos dores, pancadas na alma, sofrimentos momentâneos ou alegrias transbordantes

Eu choro imenso. Quer em filmes (Bambi, Em Nome do Pai, Filadélfia, A million dollar baby, só para mencionar os piores casos) quer em momentos emocionalmente desafiantes (ir ao cemiterio, quando soube que o meu melhor amigo ia ser pai, etc). Por norma, sinto-me em seguida mt "detox" e leve. Entendo-o como um processo de banho de imersão, do qual se sai com o espirito em alta e o corpo amaciado pela ternura da água quente.

Mas hoje apercebi-me, através do desabafo de uma amiga, que mts vezes tenho chorado nos ultimos tempos por causa de outros, ie, que a pressão ou o comportamento de terceiros me levaram a iniciar um ritual de choro compulsivo (nem sempre negativo, note-se) e fiquei a pensar nesse "poder" que os outros tiveram ou têm sobre mim para me levar a um estado de tristeza tal.

Até que ponto as lágrimas dos outros que eu choro são estrelas liquidas de sabedoria? Porque deixamos os outros afectarem-nos dessa maneira ao ponto de iniciarmos um momento tão intimo fruto das acções de terceiros, sobretudo se esses terceitos nem nos são queridos ou particularmente estimados, apenas existem no nosso caminho?

A minha teoria é que a nossa auto-estima nos prega rasteiras e nos deixa embarcar no canto da sereia. Será, pois, uma questão de auto estima, mas como alguem espertinho me disse há dias, é sinal de que temos auto estima; certamente nao será um problema de cascos, porque não os temos!!!

Mas irrita-me claramente o tempo perdido e o esforço pessoal de chorar por causa das lagrimas que os Outros nos infligem e que nao merecemos mas que deixamos que nos deitem abaixo. Pela minha parte, assumo-me como sindicalista em prol das minhas lagrimas, defendendo o direito a que sejam minhas e não de outros as lagrimas que decido deixar cair.

é o meu grito do ipiranga do dia! abaixo a ditadura das lagrimas dos outros!



domingo, 12 de abril de 2009

O cão do Obama no Twitter








Noticia fresca no Twitter (digam lá que não é hiper mega querido?!)


The Obamas welcome Bo, a six-month old Portuguese water dog and a gift from Senator and Mrs. Kennedy to Sasha and Malia, recently at the White House. White House photos by Pete Souza

Louca Por compras


Ontem fui ao cinema, ou melhor, fomos... 5 gajas, ver o Louca por Compras. Eu, Mónica, me confesso, compradora deliciada. E ri-me com o filme, admito. Apesar do exagero, é impossivel uma pessoa nao ficar contagiada pelo brilho do olhar da protagonista, Rebecca Bloomwood, ao ver coisas que quer ter, no cenario magnifico de NY.
A certa altura, ela confessa que compra sem parar porque enquanto compra o mundo parece-lhe melhor. É uma frase linda. Como se de uma penada, entre a massimo dutti e a uterque (que são lado a lado no Colombo), esquecessemos os sismos em Italia que aconteceram por causa da incuria dos caciques locais, a cimeira dos G20 que pareceu uma festa e nao uma tentativa de resposta à crise (nota: falou-se mais das consortes e das suas roupas do que de facto se debateu!), da recessão, do Freeport, dos chefes que são uma peste, das taxas de juro, and so on...
De facto, comprar coisas para mim consola-me a vontade estética de ter coisas bonitas, faz-me sentir feliz e com mais auto-estima, dá-me comodidade e reforça o meu amor proprio. Tudo isto é uma grande confissao de uma gaja que compra porque gosta de comprar e que se sente tranquila carregando sacos. Até gosto de passear no Continente quando está com pouca freguesia.
Era suposto sentir-me mal comigo propria por isso e o filme, à sua escala de exagero, devia servir de lição, mas a verdade é que os auto mimos são tão bons.... e com ponderação (pensar sempre: preciso mesmo disto?), uma pessoa até se sente util por estar a agilizar o consumo = ajudar a economia. :)
Num contexto perfeito, seriamos frugais e não ligariamos à imagem exterior como reforço do nosso eu, mas nem nós vivemos nessa sociadade (sistema comunista ruiu na URSS, lembram-se??? e não vivemos em comunidades espirituais) nem queremos abandonar o mundo de estimulos que são diariamente criados pelo marketing e pela inovação.
Portanto, há que resistir no que é de resistir e gastar quando é para gastar. E tentar encontrar o equilibrio...

sexta-feira, 10 de abril de 2009

A primeira vez

Iuppi. Depois de 2 vodkas eristoff black já cá canta o tão desejado blog

É verdade que resisti a "matricular-me" por estas bandas mas dada a insitsência de amigos cá estou eu a tentar animar as hostes, animando-me por caminho, ao mesmo tempo que dou uso a um dos maiores prazeres.... observar e escrever sobre isso, por mais disparatado ou triste seja o que observo!!!!

Queria agradecer publicamente ao Mário, amigo de 17 anos, pela insistência e paciencia em criar-me um blog. O mário é uma herança da ESCU, essa grande instituição académica já deitada a baixo, e que foi o melhor liceu dos anos 91-94! Alem disso, o Mario e a Sofia são uma referência de amizade incondicional e bem disposta, pautada pelo seu bom senso, que me equilibram nesta insana realidade que me caracteriza.

As amizades são uma caixa de surpresa, mesmo ao fim de 17 anos. à medida que amadurecemos, é bom saber que mesmo quem nos conhece há tanto tempo, ainda consegue marcar a diferença e ser de facto imprincindivel ao nosso sentido de existencia. Obrigada Mário e Sofia pelo jantar, pela bela banda sonora da Amélie e pelos proximos 17 anos

segunda-feira, 6 de abril de 2009

meditar é preciso

Caríssimos

comecei hoje as aulas de meditação.
Sim, já sei tou louca... mas isso já é vox populi e está cientificamente diagnosticado e ptt... moving on

Porquê meditação? porque não rezo, não tenho fé e é supostamente uma forma de conseguir estabilizar paz interior e obter mais discernimento sobre o que é importante na vida e dar lhe a devida importância (ou não).

Isto é td mt giro mas eu não me lembraria disto se não fosse uma grande amiga ter feito o curso, que a ajudou, e ter-me incentivado a passar pela experiencia, acreditando que me ira também ajudar.

Começa bem pq o nosso "guia" é um tipo que apareceu na Visão há umas semanas numa reportagem sobre pessoas que mudaram de vida. No caso dele, passou a dar aulas de meditação, fazer surf e dedicou-se à família. Tem 43 anos altamente bem conservados (o que ajuda :) ) e um modo de estar acolhedor e divertido. Viveu 11 anos em Londres, 9 deles ligado a um centro monástico budista, e 5 desses anos viveu mesmo no centro. Depois foi para o Tibete aprender tibetano (c/ a família atrás) mas como era altamente complexo o processo de aprendizagem, andou a deambular pela Ásia em comunhão com a filosofia budista, até regressar.

Somos um grupo grande (aprox 25 pessoas) e independentemente das motivações de cada 1 para o tema, a lógica do curso é:


* Promover a compreensão daquilo que somos e de como viver contribuindo para o bem estar e felicidade de todos. * Discernir os princípios fundamentais do ensinamento de Buda (o dharma) e a sua aplicação prática face às condicionantes dos tempos em que vivemos. * Reconhecendo que cada tradição aponta para uma faceta da vasta visão do Buda, dar acesso a uma apresentação do dharma inspirada pelas várias tradições budistas existentes. * Promover o diálogo interdisciplinar entre o budismo e outras áreas do conhecimento humano com o entendimento que daqui resulta um contributo único para melhor viver. * Tendo como base os ensinamentos do Buda, contribuir para um contexto de relacionamentos e de trabalho propícios ao crescimento humano.


Fizemos 2 peqs exercícios e em ambos me parecia que estava a estampar-me contra a parede mas mm assim ele dai retirou 2 ensinamentos positivos.
Podem-se rir porque de facto visto de fora, e sobretudo se forem cépticos (eu tb era, mas até hipnose já experimentava; ou vudu!!!), é algo ridículo mas no meu humilde ponto de vista de Loura foi mt elucidador:

exercício 1:
tínhamos que observar, contemplar com todos os sentidos, saborear, mastigar e por fim comer 3 passas; 1 de cada vez, repetindo sempre o mm processo de analise. Ora, eu odeio passas. E no fim comentei que não senti nada com aquele exercício: fi-lo com rapidez, não vi em nenhuma passa nada de interessante, gerava-me stress pensar que tinha que comer as malfadadas passas e sentia-me aliviada na 3ª passa por ter acabado

Lição: apesar de ser uma experiencia que não me agradava, eu lidei com ela, conclui-a até ao fim e estava a falar disso de forma tranquila sem estar chateada.
isto pode replicar-se na nossa vida quotidiana e basicamente é levar a teoria da relativização das coisas a um patamar não imaginável para a minha pessoa


exercício 2: estávamos só a sentir e a observar o presente (ignorando pensamentos sobre sits a acontecer, ou coisas que ocorreram no passado; focar apenas no presente, no que sentíamos, ouvíamos, etc).
No meu caso, só consegui centrar-me nos sons e movimentos do exterior mas consegui eliminar pensamentos sobre outras coisas.

Lição: na meditação não pensamos no passado nem especulamos sobre o futuro, absorvemos as ideias do momento; se só consegui "ouvir" os outros, é porque essas eram importantes e tenho que valorizar; como estamos num processo, chegara ao momento em que vou estar centrada em mim


Provavelmente acham que isto é tudo uma parvoíce, mas basicamente gostei mt da experiencia e senti-me mt bem e queria partilhar convosco isso
Darei mais novidades nas próximas 4 semanas que dura o curso com, se Stª Prada deixar, os meus progressos.