sábado, 31 de julho de 2010

Love is a bliss (pois sim, bébé!)

No restaurante.

Eu: "Não quero mais, estou de barriguinha cheia".

Ele: "barriguinha?" (misto trocista, critico e acusador). 

Na minha cabeça, tornamo-nos desenhos animados e ataquei-o à machadada. 

Mental note: ver menos Dexter. 

terça-feira, 27 de julho de 2010

A soberba arte de não ser "gostada"

Há pessoas que não gostam de mim. Choque? Não me parece!

Compreendo isso e a verdade é que não me importa, por norma. 

Algumas pessoas acham-me pedante ou arrogante. Confesso que isso pode ser resultado da minha notória falta de pachorra para com gente burra ou somente mediana, que não se esforça. 

Outros acham-me com a mania, facto sobremaneira irritante porque não tenho apelidos sonantes, nem venho de Cascais, logo não tenho razões para me achar qualitativamente melhor. É uma pena, mas do mesmo modo que reconheço humildemente que posso, diariamente, aprender sempre algo mais com as pessoas que convivo e com pessoas novas que vou conhecendo, também admito que sou superior a grande parte das pessoas que me aparecem pela frente. Vão-me prender por isso? 

Posso não ter nome de família, factor que já dá o direito a que uma pessoa possa achar-se "capaz", mas sei lá, uma licenciatura, uma pós-graduação, um MBA, uma tese de mestrado em standby, um curso de inglês, outro de espanhol e 5 anos de alemão, dão-me alguma legitimidade. Mas, ok, que seja a gaja que lê muito e pensa que sabe alguma coisa. A mim basta-me saber que aquilo não sei, vou querer aprender para me sentir satisfeita.

Depois há outros que não gostam porque falo muito alto e rio (ou ria-me) como se não houvesse amanhã.  A estes, simplesmente ignoro, ok amiguitos?

E, por fim, há os que não me suportam apenas... porque sim. 

É difícil de perceber porquê se me remeto para um misero 1,63m, estou longe de ser pilar de elegância, tenho tanto de esbelto como de chata, e estou longe do protótipo de beleza e/ou "gaja boa". Mais, não tive 3 filhos belos e bem comportados, tendo voltado, como por magia, a ficar fisicamente como se não os tivesse; não sou um ás na cozinha; não sou daquilo tipo de pessoas abençoadas pela sorte natural, daquelas que se tivesse carro, encontrava sempre lugar à porta; daquelas pessoas a quem todo de positivo lhe acontece, mesmo nos momentos piores, emanando um optimismo que dá comichões, de tal maneira que merecem uma valente tareia. 

Com isto tudo posso lidar, ou melhor, é-me indiferente. A sério. Já não tenho paciência para achaques de virgens ressabiados.

Ora, então não é que há pessoas que não gostam de mim porque, 1. pra' lá de ser uma pessoa que "atrai problemas", logo não sou recomendável nem para coveiro, quanto menos fazer parte do seu grupo interessante de amizade (ai, vai-me dar um fanico!); 2. sou anti-social (desculpem lá não gostar que me olhem com desdém porque não tenho um barco para apanhar sol nem tenho casa de fim de semana nem corpo digno de bikini, sim fofos?); 3. tenho a lata de não gostar que gozem comigo, reiteradamente, em publico pelo simples prazer da humilhação???

Pois, aviso, que também me dá igual ao litro. Por muito que me magoe que esta estirpe seja apoiada por quem me devia defender a mim. E isso, sim, já é lixado.


E agora perguntam vocês, raros mas estimados e mui apreciados leitores, "de onde raio veio isto hoje?". 


Estava-me atravessado. Só isso.





domingo, 25 de julho de 2010

I'm every woman...

Halston Vintage & Mykita FranzK24




Fui ver o Sex & the City 2. 
Ao contrário do que era vaticinado pelo que lera e ouvira, afinal não foi a desgraça total. Já devia saber que emprenhar pelos ouvidos é sempre uma má opção.






O filme não é uma obra prima. Também não foi feito com esse objectivo. O filme é sobre 4 mulheres, amigas, que once a upon a time andavam nos 30's, a viver em ritmo frenético a cidade de Nova Iorque e, que hoje estão nos 40's (uma já vai nos 52 anos e luta contra a menopausa com o seu pragmatismo natural).






Hoje, têm casamentos e filhos. Só quem não vive uma relação longa com outra pessoa sob mesmo tecto percebe o medo da rotina que Carrie enfrenta, com o sofá a centralizar o universo. Ou não entende a piada amarga de ter trocado a moda pela decoração.






Só quem não tem filhos não apanha o sentimento de frustração de Charlotte ou de Miranda, esgotadas pelas exigências das crianças ou pelo equilíbrio trabalho -maternidade, o dilema ad eternum. Não sendo mãe, tenho amigas que o são e atingi o que se passava na tela.






Mas um filme também não é isso, fazer o espectador rever-se no argumento? Mesmo que o estilo seja grandioso, as mensagens são simples e são pedaços da nossa vida. Com ou sem Chanel.






Ok, há exageros. Ninguém faz cupcakes de saia Valentino bege. É certo. Mas também ninguém em Nova York faz cupcakes em casa. E é um reforço da personalidade de Charlotte. Ela não iria cozinhar de calças de fato treino, está tudo doido? Nem de jeans! Charlotte é uma WASP convertida em judia, é uma Grace Kelly wannabe e aí radica todo o personagem.






Mais, se não fosse uma saia Valentino bege vintage a sofrer a vingança da filha, o saltar da tampa dela não teria o mesmo impacto de desmoronar emocional.

Apesar de não ter sido uma fã acérrima da série (via quando via), consegui identificar-me com Carrie quando, perante a comemoração de uma data importante, ela se esforça por oferecer um presente cheio de historia e significado, com abnegação própria das mulheres que adoram dar presentes a quem se gosta, e, em troca, recebe uma TV. A desilusão que lhe baila nos olhos reconheço-a à distância. Ao fim de 7 anos de relação, senti já o mesmo vezes sem conta. Não obstante, e apesar de um niquinho de egoísmo que preside à escolha de Big, malgré tout, entendo o porquê daquela escolha. Há que andar na mata para ter a visão da floresta. 






Há exagero no Médio Oriente? Há! O guarda roupa de Samantha é mau (mesmo de galdéria!). Carrie de saia rodada e sapato agulha no mercado de especiarias não é credível? 80% do que vestia na série era desadequado, mesmo em NY. Nisso sempre residiu a magia dos episódios. E, para mais, ela não é uma mulher qualquer.






Acresce que acentua o desenquadramento cultural americano às realidades exteriores. É o american way of life em qualquer parte do mundo.






Apesar de não ser o objectivo do filme, outra coisa que ele faz é desmistificar a publicidade do "novo Médio Oriente". Por entre o luxo e a hospitalidade, a tradição não muda. A mensagem pode não ser passada com a verve intelectual de um filme "sério" mas não tem pudores em mostrar o óbvio.






No entanto, e apesar das diferenças e da descoberta do lugar para onde a mulher é remetida no contexto islâmico, há um elemento agregador supra crenças ou atitudes sexuais: a moda. Esta forma de arte que inebria os sentidos une as mulheres mais extravagantes de sapatos de salto agulha de 15cm e mulheres que comem baratas fritas vestidas quase de burqha.

Sendo assim, quem não viu, gosta de trapos e marcas e até gostava das aventuras das 4 alucinadas, vejam. Vão com uma amiga como eu fui e aproveitem!




The two and just the two of us

sábado, 24 de julho de 2010

As nuvens de um sábado solarengo



A auto-estima é um tema lixado. Sobretudo quando se tem pouca. Ou nenhuma.

Está uma pessoa bem disposta, apesar deste calor infernal que, raios, não tem fim, em amena conversa com o seu gajo e a melhor amiga, quando dá de caras com a ex namorada do gajo.

Ora, isto só é chato na medida em que a "Ex", ao fim destes anos todos, continua com o seu mais de 1,75m (mesmo de havaianas), com umas pernas que acabam sei lá onde, toda ela bronze e corpo magro, não flácido.

Isto é assim como que ir à depilação a cera pela primeira vez. Vê-se a "Ex" em calções de ganga e bam! Lá vai uma tira de cera nas virilhas. Dói no momento até quase o desmaio e depois ainda fica a remoer o ardor.

Pior mesmo é questionarmos acerca da sanidade mental do gajo. É que eu mantenho o meu modesto 1,63m e pareço uma bola de Berlim redonda e cheia! O meu mundo é ruim, nestas coisas.


Vou ali ao Santinni ageladar as mágoas. 

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Pré-Temporada II (com comentários!!! Upa Upa)

      Colecção Mango FW 2010
(o que já está disponível para gáudio das hostes!)      





  cores quentes, calças muito giras, muito 80's
Apaixonada pelo lenço.
Amo o casaco

As calças são fabulosas. Por fim, voltam as calças largas, raios, que as calças justas são um martírio


Atentem às calças e ao chapéu!!!

Chapéu e blusão aprovados.


Pré-temporada

Não, não é de bola que se trata.
É da maravilhosa sensação de entrar numa loja e dar de caras com colecção nova
Até luvas já há à venda... para uma apaixonada pelo Outono, é o delírio.

Para já, e para prevenir futura histeria do mulherio, já está devidamente encomendado o 1º item da pré-época, para que mal chegue me seja confiado... 

E assim se faz uma mulher feliz! E ainda dizem que somos pessoas complicadas... É preciso ser mesmo muito má língua, raios.



terça-feira, 20 de julho de 2010

Viradinha do avesso e não é com a Kizomba!

De acordo com a Lusa, "Maria Cavaco Silva entregou ambulância e 35 mil dólares a hospital pediátrico de Luanda.



Maria Cavaco Silva visitou o Hospital Pediátrico de Luanda onde entregou um cheque de 35 mil dólares, uma ambulância e um conjunto de livros técnicos."


Juro que não entendo.

Se fosse na Guine ou em Cabo Verde ou S. Tomé, vá, agora num pais riquíssimo em q a elite rouba a sua população pra’ viver faustosamente, acho uma verdadeira que lambe cuzice.

E falta de vergonha.

Neste caso, a caridade DEVIA MESMO COMEÇAR EM CASA! Que obsessão por Angola ...  é a ver se a família real local compra o país todo de uma vez? Ou acham que as divisas vão passar a sair? E as dividas a serem pagas? Compra-se o pagamento do que é devido? Instiga-se a corrupção?

Gente estúpida.

domingo, 18 de julho de 2010

Querido, Estraguei a Casa

Adoro o Querido Mudei a Casa.

Acho que conseguem fazer verdadeiras obras de arte em divisões maltratadas pelo tempo e pelo desmazelo, ou divisões com umas medidas que mais parecem despensas do que espaços onde se realizam vidas, ou espaços limitados pelos magros orçamentos das famílias, que merecem ter algo bonito na vida.  

Mas hoje, ao ver um episódio da semana passada, assolou-me uma questão? E se as pessoas, depois da passagem dos Queridos e das câmaras, dão cabo do bom trabalho e repõem parte das coisas que foram varridas?

O trabalho foi desenrolado numa cozinha grande, em não muito mau estado, e num lar não empobrecido, mas que enfermava de um mal grave: era um quadro de misérias de mau gosto. Ele eram peixes de louça, tabuleiros com a Branca de Neve, bonecas de porcelana, a servirem de decoração numa cozinha (!!!) com móveis antigos, malfadados azulejos com a risca creme com desenhos de fruta e uma toalha de mesa de plástico assustadora. 

Como que por magia, o chão levou um pavimento champanhe, as paredes foram pintadas de um cinza acolhedor, os móveis, em linha rústica, ficaram em tons moca e a cozinha tornou-se suave, cómoda e simples. Mas bonita.

Olhando para os donos da casa, depois de limpas as lágrimas de emoção, fiquei com muito receio que, ou no dia a seguir, ou nas semanas subsequentes, o peixe de louça, com olhar esgazeado, voltasse para animar o meio da mesa de jantar.

Cá fora, na minha visão da coisa, os gnomos de louça que pululavam pelo jardim, também manifestavam interesse em passar a fazer parte do decor da cozinha. 

Medooooooo!

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Hoje deu-me pra' isto!



que imagem LINDA!






Devo estar com alguma hormona fora do sitio.
Ou isso, ou foi a boda deste casal-maravilha que me colocou no "mood for love"



terça-feira, 13 de julho de 2010

Explicai-me...como se fosse muito burra?

* Porque as pessoas na plataforma do Metro esperam que as portas se abram mesmo em cima da porta, impossibilitando os outros de saírem?

* Porque não devolvem as pessoas as chamadas telefónicas, quer deixemos ou não mensagem no voice-mail, só porque não conhecem o numero? 

* Como em tempos de crise, os vernizes da Chanel estão esgotados, o óleo de auto-bronze da MAC idem, os relógios da Michael Kors voaram e as carteiras Prada esgotaram mal a loja abriu, obrigando a marca a repor as prateleiras com colecção de Inverno?

* Porque só agora descobri as sabrinas Crocs?

* Porque há pessoas que vão ao Olivier almoçar ou jantar? 

* Porque a caução mínima obrigatória para as agências de viagens é de €25.000?

* Porque não podemos praticar boxe no trabalho?

* Porque não se inovam nos sabores dos iogurtes mas de forma normal: iogurte magro, aromas, sem pedaços nem malagueta, piripiri ou algas?

* Porque é que não há uma boa mercearia gourmet no espaço onde vivo?

* Porque será que os idiotas não civilizados aqui da vizinhança atiram para o jardim beatas, maços de tabaco, sacos e outros resíduos urbanos?

* Porque saiu o Quim do Benfica?

* Porque engordam os gelados (base da dieta ideal)?




domingo, 11 de julho de 2010

De puta madre...

A Catalunha, perdão Espanha, ganhou o Mundial.


Não me aquece nem arrefece MAS:


a) nunca pensei que tal pudesse acontecer. Admito!


b) o pais devia pôr os olhos na política desportiva de investimento que Espanha fez nos últimos 20 anos e que traz este output: estão a competir em tudo o que é desporto e a ganhar (trabalho de longo prazo mas compensado). Olé!


c) a Holanda tem uma amarga 3ª derrota numa final e isso chateia-me.


d) os guarda redes andam com problemas de sensibilidade... a 2 minutos do fim já Casillas chorava (recordo que foi Casillas que consolou Eduardo quando nos ganharam).


Já, agora, Casillas, vê lá se poupas umas pesetas e vais pôr um dente que te falta. Ficas muito pouco sexy a chorar e desdentado. Olha que a Sara é gira que se farta e há que manter-se alinhado com essas expectativas.

Viciada nos Kardashians

Isto é horrível, mas não consigo parar de ver as aventuras e desventuras da família mais disfuncional da TV depois dos Simpsons.

Não sei se é o excesso de maquilhagem das irmãs Kim, Khloe e Kourtney que retém a minha atenção, tipo efeito Baby TV, nos "piquenos"; ou se é tudo tão deliciosamente novo riquismo americano, que chega a ser dramático; ou sejam as idiotices fabricadas no seio de uma família gigantesca e cheia de mimo... mas as maratonas Keep Up with the Kardashian ou Kardashian Take Miami são viciantes.

Aquela família não existe. E, pior, multiplicam-se. Mas divirto-me à brava. 

Nada a fazer...

PS. quem podia em Portugal ser assim retratado? Ufa ... até tenho medo!


SOMOS CAMPEÕES

é pá, nem só de futebol vive o mundo... 

E não querem ver que a selecção portuguesa de rugby de Sevens, sem histeria, nem Tony Carreira, nem directos em todos os canais, nem orçamentos avultados, é campeão europeu, outra vez??? 

A selecção nacional de râguebi conquistou hoje em Moscovo o Campeonato da Europa de sevens, modalidade que se vai estrear nos Jogos Olímpicos em 2016, ao vencer na final a França por 12-5.


Antes, nas meias-finais, até ganhámos à Espanha por 17-12, garantindo o acesso à final.

No jogo decisivo, Portugal acabou por ser mais forte do que os gauleses. A equipa treinada por Tomaz Morais derrotou os gauleses por 12-5 (ensaios de Vasco Uva e António Aguilar) e recuperou o título europeu perdido no último ano para a Rússia. 


Nos últimos 10 anos, esta é a sétima vez que a selecção nacional sagra-se campeã da Europa de Sevens.


Consta que nenhum jogador reclamou com o Tomaz Morais, cuspiu ou pintou as unhas de preto. Aparentemente, jogaram bem e em equipa.


Ele há coisas... 

Ao Domingo...

O pior são os domingos. Sinto falta de acordar com o cheiro da alfazema que estava sempre no tocador e que se misturava com o teu perfume, recém saído do banho, sem colidir. 

Fizesse chuva ou sol, jornal e revistas, numa esplanada de hotel, ou numa casa de chá, de mãos dadas, os pequenos almoços de Domingo eram um momento do comunhão, momentos a dois sem pressas. O aroma de café confundia-se com a intensidade da minha felicidade naqueles momentos. Relaxava e via o mundo passar em ritmo de câmara lenta, esticava as pernas, baixava os óculos de sol e sentia-me viva. Mesmo se as pernas tremessem quando o visse aparecer ou sentisse "borboletas" no estômago, sentia-me tranquila.  

Já não tomo pequeno almoço aos domingos desde que partiste. Durmo até tarde, não tenho nem companhia nem vontade de procurar sítios com alma para passar a manhã e espero com ansiedade que o dia dê lugar a segunda feira. O meu universo tornou-se rotineiro, sem poesia.

Sinto-te a falta. O café ganhou novo sabor. E só os óculos de sol tapam as minhas dores. 

sábado, 10 de julho de 2010

"Stay with me / You're all I see..." (lindo, lindo, lindo!)

Just Breathe - Pearl Jam

"Yes I understand that every life must end, aw huh
As we sit alone, I know someday we must go, aw huh
I’m a lucky man to count on both hands
The ones I love
Some folks just have one,
Others they got none, aw huh
Stay with me
Let’s just breathe.
Practiced are my sins,
Never gonna let me win, aw huh
Under everything, just another human being, aw huh
Yeh, I don’t wanna hurt, there’s so much in this world
To make me bleed.
Stay with me
You’re all I see.
Did I say that I need you?
Did I say that I want you?
Oh, if I didn’t now I’m a fool you see
No one knows this more than me
As I come clean
I wonder everyday
as I look upon your face, aw huh
Everything you gave
And nothing you would take, aw huh
Nothing you would take
Everything you gave
Did I say that I need you?
Oh, Did I say that I want you?
Oh, if I didn’t now I’m a fool you see

No one know this more than me.
As I come clean
Nothing you would take everything you gave.
Hold me till I die
Meet you on the other side"

"Oh are you sinking?"

Unthought Known - Pearl Jam:

All the thoughts,... You never see,... You’re always thinking,...
Brain is wired,... Brain is deep,... Oh are you sinking?,...
Feel the path of every day,... Which road you taking?,...
Breathing hard,... & Making hay,... Yeh this is living,...
Look for love & evidence,... That you’re worth keeping,...
Swallowed whole in negatives,... It's so sad & sickening,...
Feel the air up above,... A pool of blue sky,...
Fill the air up with love,... Black w/starlight,...
Feel the sky blanket you,... w/gems & rhinestones,...
See the path cut by the moon,... For you to walk on,...
For you to walk on,...
Nothing left,... Nothing left,...
Nothing there,... Nothing left,...
See the path cut by the moon,... For you to walk on,...
See the waves on distant shores,... Awaiting your arrival,...
Dream the dreams of other men,... You’ll be no ones rival,...
Dream the dreams of others then,... You will be no ones rival,...
You will be no ones rival,...
A distant time,... A distant space,... That’s where we’re living ..
A distant time,... A distant place,... So what you giving?,...
What you giving?

anda tudo doido...

Não vou falar do papá moderno que paga por uma criança, a abandona recém-nascida com a avó e as tias e vai às compras e "namorar"para os States mais preocupado com as unhas dos pés pretas do que com o Júnior. Isso é perversão em prol da imagem, a versão moderna do Narcisismo mas da barraquinha.

O contexto é este: Alfa Pendular Lisboa-Porto, 7 da manhã. A minha pessoa senta-se, recosta a cadeira, espera pela mistela a que chamam café, pela revista ou jornal grátis, põe os óculos de sol e ferra a dormir, no mínimo, até Espinho. A tempo de pôr a leitura em dia e pentear-me.

À minha volta, PC's ligados todo o caminho, folhas de excel, dedos nas teclas a todo gás. Os trabalhadores pendulares ou preparam, à última, a reunião que vão ter, ou maioria dos casos, começam a laborar mal o comboio arranca. Quer sejam 7 da manhã quer seja no comboio das 6.

Isto é doentio. Eu sei do que falo, já fui assim.

Deixem-se disso, ninguém merece. Já ir de madrugada é esforço em prol do salário, desfrutem a viagem, leiam um livro, durmam. Trabalhar com tanto afã logo cedinho é o que as organizações gostam mas, esqueçam, o retorno disso é pouco. Ou nenhum. Ou nunca é proporcional às horas de sono consumido. 

O stress mata-nos. Trabalhar no comboio faz mal aos olhos.

Conselho de amiga. Não vão ganhar medalhas.


frases perfeitas

há uns anos, o alcalde de San Sebastián dizia, a quem contestava a existencia de prostitutas na zona histórica da cidade, em em directo na TV, que "A mis putas ni Dios las quita". 


Pois bem, a mim ninguém me tira as sabrinas Crocs... 


Tão confortáveis


Vejam lá ...





sábado, 3 de julho de 2010

To be a woman

Quando ouvirem alguém dizer que as mulheres se arranjam pra' impressionar os homens, neguem. Se ouvirem alguma mulher dizer que se esmera por causa de um gajo, digam-lhe que ela é uma real parva. 


Aos homens interessa que despida a roupa haja alguém de jeito em cima do colchão, de preferência de barriga lisa, nádega firme e mamoca generosa. Se não for possível, despindo-se já serve. 


Maquilhagem diferente, perfume novo, pés arranjados numa sandália de estalo, carteira de pele de veado, nem percebem a diferença!


Quanto muito, criticam que roupa nova é sinal de dinheiro gasto. 


Aula prática: estive das 12:30h às 16:30h no cabeleireiro. Sobrancelhas arranjadas, melena com nuances novas louras e franja esticada com escova marroquina para "matar" o teimoso jeito do cabelo que teima a fazer popa. 


Nem ai nem ui... Podia ter estado as mesmas 4 horas a assar sardinhas que era igual. 


Aliás, depois de uma semana difícil para esta vossa humilde escriba, fomos a um jantar de aniversário e quem levou com uma rosa (encarnada)? A mulher do aniversariante. 


A mente masculina é um intrigante milagre de idiotice. 

quinta-feira, 1 de julho de 2010

erro de casting

Faz amanha um ano e um mês que voltei ao trabalho.

Um ano queimadinho da minha vida. Cheira a enxofre.

Um ano lamentável. 

Em que não ganhei absolutamente riqueza nenhuma por fazer parte da massa trabalhadora.

Mais valia ter ido fazer voluntariado. Pelo menos não me sentia tão inútil e esvaziada, escrava das contas para pagar.

Raios, cheira mesmo a enxofre.