terça-feira, 31 de maio de 2011

Como nós somos

No Facebook, um senhor inteligente lançou uma questão pertinente. Queixava-se ele de que, observando os condutores, no seu caminho casa-trabalho, em poucos minutos tinha observado 5 pessoas a conduzir e a falar ao telefone (ODEIO, é das coisas que menos suporto nas pessoas!).

Ao falar com uma amiga, apeteceu-me apertá-la com mimo entre os braços, retirando-lhe parte da dor de ter assumido uma relação com um gajo egocêntrico, mentiroso, que geriu o andamento da coisa à medida dos seus interesses e caprichos. 

O que uma coisa tem a ver com a outra? TUDO. 

Ambas situações encaixam na minha ideia de que, fundamentalmente, somos (ou nos fomos transformando) uma sociedade altamente egoísta. Centrá-mo-nos no "Eu" e perdemos a noção do "Nós". Somos seres individualistas mesmo quando vivemos em comunidade ou estamos em família. 

Daí a falta de respeito pelo outro. 

Eu quero / preciso falar ao telefone enquanto conduzo, não me interessa o perigo dos outros e a lei comum a todos. Quando estamos numa relação, o "eu" tende a querer sobrepor-se e as não cedências ou o empenho (necessário) que dá trabalho, leva às separaçoes porque cada uma das partes "puxa para o seu lado" e não lhe apetece a trabalheira de ter objectivos comuns. Daí, também, o modo como lixamos e somos lixados no local de trabalho; ou as disputas tontas com tios,  irmãos ou  primos; ou a falta de civismo para quem é vizinho, ou partilha a mesma praia, etc. Primeiro está o "eu". 

Como filha única (com uma irmã à distância, tema que não interessa para agora), a fama de egoísta já a tenho e, algumas vezes, dou-lhe uso. Mas há uma diferença entre a auto-protecção do egoismo e o modus operandi da egotrip

Ilustrando com um exemplo concreto, que me delicia pela perversidade incoerente da coisa. No sitio onde eu vivo há uma tendência para que parte dos moradores achem que isto é o Melrose Place mas sem a piscina. São festas nas casas dos vizinhos, são confraternizações nocturnas aproveitando o clima quente, são encontros espontâneos pós-praia com pizzas mandadas vir, são jantares de convivio, são romances de cama, são beer mobs. Até parece que vai haver festa de Santos Populares (menos, tão menos!). 

Catita, não é? Porém, depois temos música em altos berros às 8 da manhã; berbequins pela noite dentro; cinza e beatas atiradas pelas janelas sem sequer olhar para quem pode eventualmente estar a passar; elevadores imundos depois de uma festa; condução contra-mão na garagem "na maior"; nem um "bom dia" ou "boa tarde" quando se entra ou se sai do elevador: num lugar de estacionamento está um carro, uma bicicleta, uma mota, calhando uma carroça, ocupando espaço indevido; se não se tivesse fechado o acesso pedonal os carros andariam por todo o lado, à velocidade que entendessem e estacionados quase à porta de casa ... perceberam o género? 

Civismo, nulo. Consideração pela colectividade, nula. Mas só gente porreira! Que existe, claro. Não obstante, há muitas reais bestas que partilham o mesmo espaço com um grande numero de pessoas. E, indicador neste micro-cosmo, de que raros são os que pensam "gostava que me fizessem isto?"

Pense nisso da próxima vez que estacionar em 2ª ou 3ª fila para ir ao supermercado ou à farmácia; ou que atirar lixo para o chão; que decidir mudar a mobilia na casa inteira às 10 da noite; que atraiçoar o/a seu/sua companheiro/a numa saida à noite, pelos copos e pelo "poder" de o fazer; ou que fugir aos impostos. 

essa é que essa

A minha amiga atenta às noticias Mari, alertou-me para esta grande verdade:



‎"O castigo não é a prisão. Seria o trabalho a favor da comunidade" 

 comentário de Miguel Sousa Tavares no Jornal da Noite na SIC sobre a violência entre jovens.






Eu acrescento que para além dos trabalhos forçados, a alimentação e gastos de deslocação teriam que ser assegurados pela família ou os próprios. Nada de mama à custa do Estado. Já cá faltava...

Ying & Yang

YES 






NO





Wishlist Dia da Criança #6

Fujifilm Instant Camera

É tão cute... Adoro, adoro. Mesmo gira...




via fujifilm

Whislist Dia da Criança #5

Chance Eau Fraîche

VOILE HYDRATANT POUR LE CORPS




Please, please, please.... Da colecção Chance de Chanel, linha Eau Fraiche. 

Deram-me uma amostra. Loca, loca, loca


Wishlist Dia da Criança #4

Arriscado mas acho piada


Duas Palavras

BRADLEY COOPER

na capa da Esquire ... nada mais a dizer. Aquele sorriso diz tudo!!!


segunda-feira, 30 de maio de 2011

Zara Revolution


Zara, a cadeia principal do grupo Inditex, vai ter a sua imagem renovada de modo a estimular o consumo nos consumidores e a relançar as vendas (informações no site El Economista avançadas pelo OJE).
O grupo espanhol, que enfrenta há três anos uma estagnação nas vendas do mercado doméstico, redesenhará a imagem de todas as lojas Zara que abram a partir de agora, em qualquer ponto do mundo. O projecto tocará também as principais lojas da marca em espaços mais modernos, com destaque para o interior dos estabelecimentos.
A insígnia de vestuário vai investir 800 milhões de euros (!!!) na inauguração de 450 a 500 novas lojas (Oi? Perdão? Como?)Destas, 200 serão na China, no âmbito da estratégia de expansão do grupo no mercado asiático (que representa já metade do crescimento da empresa espanhola). 

Até ao final de 2011 a Inditex espera estar presente em 80 países, com a entrada em mercados como da África do Sul, Peru, Azerbaijão (!!!) e Bósnia-Herzegovina.
Também a plataforma online da Zara será adaptada, de forma progressiva, à nova imagem da marca. Ao El Economista, Pablo Isla, conselheiro delegado da Inditex, afirmou que todas as cadeias do grupo vão contar com uma loja online durante a próxima colecção de Outono-Inverno 

Oh Desgraça!!! Arauto da alucinação. Vai ser a rambóia TOTAL.

via  Marketeer

Red Carpet

Confirma-se, Ana Rita Clara (agora já sei o nome!) levou aos Globos um vestido pavoroso.


Na passadeira encarnada, também Lili Caneças, Ana Moura e Claudia Jacques (claramente, stripper style) estavam, de fugir! 


Parte das meninas do Fama qualquer coisa pareciam que tinham vindo à festa de Cacilheiro. Sobretudo, a Andrei Rodrigues, zero sofisticação.


A Manuela Sousa Rama também pecava pelo mau gosto. 


Andreia Vale, vi a foto 5 vezes até estar segura: não gostei. Nada, mesmo.


Sónia Brasão e Sylvie Dias, vulgares como só elas.


Vanessa Oliveira, toda boazona e tal, mas aquele cabelo ... A mulher é pirosa e tem orelhas grandes e não me convence.


Conceição Lino, registo desastre total.


Exagero: Uso e abuso do encarnado. Arre.


Ana Moura e o excesso.



Inês Folque  e Ana Marques estavam girissimas. 


Maria Bradshaw estava engraçada, adequada à sua idade e a cor do vestido era fantástica. 


Liliana Campos, confirma-se que gostei mas é um vestido que podia ter corrido muito mal!


Sofia Cerveira, escapa porque é linda. E bronzeada. Parte daquele vestido quase cegava uma pessoa.


Parece-me que a Rita Ferro Rodrigues estava catita e o cabelo bem enquadrado com o estilo. 


Top, Top: Sofia Carvalho, de estalo. 





Ana Marques. Só a companhia deixa tanto a desejar.

Inês Folque, by H&M. 

Wishlist Dia da Criança #3

Snu e a Vida Privada com Sá Carneiro, Cândida Pinto






Um bom livro faz sempre falta! 




Alimentar uma ideia.






Foi criado para o Banco Alimentar o “Alimente esta ideia… agora também online link externo", um portal de doação de alimentos pela Internet. Complementar as recolhas obtidas nos canais tradicionais de retalho é o objectivo da iniciativa.
O portal dará aos doadores online, durante os períodos de recolha física dos alimentos, a possibilidade de seleccionar produtos como leite, azeite, óleo, atum, salsichas e açúcar, e pagá-los de forma electrónica. A aceitação de donativos estender-se-á até 5 de Junho, coincidindo com a duração da Campanha Ajuda Vale nas redes de retalho.
A funcionalidade de compra online será desactivada assim que termine acampanha de recolha física. O portal permanecerá online após este período com o intuito de construir e alimentar uma comunidade online de doadores e envolvê-los emocionalmente com o acto da doação.
A recolha física de alimentos efectuada entre 28 e 29 de Maio nos canais de retalho resultou a angariação de mais de 2300 toneladas de alimentos, de acordo com informações da Lusa avançadas pelo Expresso. Um aumento de 14,9% face à campanha de Maio de 2010.

Wishlist Dia Criança #2




Hidratante com Cor, Clinique: Moisture Surge Tinted Moisturizer SPF 15


PORQUÊ:
- hidratação intensa, com água de Aloé Barbadenisis
-  cor de longa duração que se mantém inalterável durante um período de até 12 horas.
- SPF 15 proporciona protecção solar-
- Alergicamente Testado.
- 100% Sem Perfume.
- Dermatologicamente Testado.
- Oftalmologicamente Testado.
- Sem Óleo.
- Não Acnegénico.

Especialmente para os dias em que acordo tarde ou para fins de semana. Ou seja, quando não há nem tempo ou não é necessário recorrer à hidratação bonitinha e à base perfeitinha.

Para mim deve ser ou Neutral ou Beige.

Houve festa ontem, não?

Parece que ontem houve Globos de Ouro.

Confesso que vi tipo 10 minutos e intervalos.

O suficiente para me ir deitar porque era mau demais.

Considerações Gerais:

- constou-me que a Simone ganhou prémio carreira. Não sei se ela já sabia ou não, se o discurso foi ou não bom, mas é merecido. Acho-a uma "gaja" com eles no sitio, que de facto tem mérito porque de facto, sei lá, sabe cantar como o caraças e porque é boa actriz. É uma pessoa de ideias feitas e frontal e essa merda irrita as pessoas. Azar. Gosto mtº dela e da Desfolhada. Merecidissimo.

- o prémio revelação, mesmo sendo para o homem do rato morto na cabeça, aceita-se. Mais uma vez, mérito concreto, apesar de ser um idiota.

- Conceição Lino, sopeiral até ao tornozelo, péssimo vestido, a cor, e o cabelo.

- Vi 2 fatos da Bábá, gostei muito do dourado. Não é um modelo fácil, paillettes douradas, mas ela tem corpo, tem altura e tem um tom de pele que é aceitável, e especialmente numa gala (não é 1 casamento, podem cometer-se excessos qb).

- Bábá esforça-se. Está mais solta, mais feliz. Mas não tem muita piada. Também não a ajudam: contra o ignóbil Rouxinol e os irritantes Homens da Luta, não há pachorra. Maus, maus, maus.

- Bábá tem mamas. Deus, caiu o Carmo e a Trindade. Se fossem falsas, ui,lá tinhamos outra foleirosa tipo Luciana Abreu ou Maya, a armar-se. São dela, também leva criticas. Acho muito bem que ela as assuma. São suas e são bonitas. Os homens gostam.  E ficam-lhe bem. Meninas que tenham estilo "maminhas que ficaram em casa", menos veneno, sim?

- Miguel "Teresa/Júlia" Guilherme, mascar pastilha em palco é uma FALTA DE EDUCAÇÃO, seja V.Exma um génio ou não.

- Áurea belíssima e magistral. Chamar imitação da Duffy é triste. É sinal que não ouviram os 2 discos da Duffy nem o da Áurea. É dizer mal por dizer, porque ela portuguesa, fez-se à vida, e é boa no que faz. A inveja é uma coisa fodida. E sobretudo quando é uma mulher e portuguesa. Somos mesmo uma raça com pouco pedigree. De facto.



* Até agora só vi umas poucas fotografias do Passadeira, mas parece-me que gostei do modelo da Liliana Campos e creio ser uma Ana Clara qualquer coisa que estava de morrer, também num modelo encarnado, mas mau. Horror

Wishlist Dia da Criança

Apesar da idade (inspira, expira, inspira, expira), ADORO o Dia da Criança

Tive um pai que me habituou a receber presente nesse dia até ao dia em que me tive que despedir dele.

Mesmo assim, gosto mesmo de receber qualquer coisa no dia 1 de Junho (rebuçados e chupa-chupas, não contam, mesmo).

O meu 1º wish present nem é pago, é grátis, só gostava que alguém fosse comigo tipo no próximo domingo ver a exposição inédita "Marylin Monroe: A ultima sessão", na qual estão expostas 60 fotografias do seu ultimo ensaio fotografico, que ocorreu 6 semanas antes da sua morte.





A exposição resulta de uma iniciativa da Fundação D. Luis I e da Camara Municipal de Cascais e decorre no Centro Cultural de Cascais (ver aqui), até 17 de Julho.


sexta-feira, 27 de maio de 2011

As pessoas são umas queridas

Teimam em dar-me o lugar nos transportes públicos por acharem que estou grávida.

Amorosos,  não?

Uma merda, é o que é.

Depois admiram-se que existam pessoas que se passam e começam aos tiros por todo o lado. Querem uma FdP de uma razão?

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Para a Luisa e para a Odete

Conheço a Luísa desde que vim ao mundo. Ou seja, ela já me anda a aturar há muitos anos. Três décadas e meia para ser mais exacta (esperem um bocadinho que vou ali suicidar-me e já volto...).

Não sei bem o que ela achou de mim quando me viu. Mas dela, desde que me lembro, foi paixão. Total. Adorava ir buscá-la ao aeroporto. Havia sempre uma caneca ou sandes de avião aqui para a tonta. E Oreos. Eu comia Oreos antes de sequer alguém saber que existiam. 

A Luísa enchia-me de presentes, o que para mim é meio caminho andado para eu ADORAR a pessoa, admito. Depois fazia-me rir: porque arranjava discussão com quem quer que fosse que andasse connosco, em bando, tipo acampamento de ciganos. 

Quando penso na Luísa, recordo dos passeios forçados à beira de água, na Foz do Arelho; comer caracóis ao fim do dia, farturas à noite; sumo de laranja aos pequenos almoços nuns copos de vidro que pareciam bordados; dormir no chão lá de casa; um brutal escaldão em dia de nevoeiro que me levou as unhas ao negro e o corpo a tremer e ela a besuntar-me de creme, no Baleal, metidas numa casa de banho de uma esplanada de praia, aflitas para que o pai não se apercebesse da gravidade; das saladas de fruta que ela me fazia quando eu estudava para os exames na faculdade e a mula gozava férias; de me levar às farmácias canadianas e eu andar por ali extasiada a ver as prateleiras; das alergias estranhas que a atiravam ao tapete; as idas à tourada.

A Luísa era a pessoa que me puxava o cabelo quando fazia o sacana do rabo de cavalo; que me dizia para encolher a barriga, sempre, para não criar estômago (eu tinha 5 anos!); que me mandava parar de ler que era uma chata sempre com livro agarrado às mãos; que me chamava chata e comichosa (admito, sou filha de pai e sou muito de nojos e nada de saltar rchas e coisas assim fora do "certinho").

E a festa que era quando ela decidia irritar tudo e todos quando decidia uma coisa e mudava de ideias duas a tres vezes em menos de 10 minutos sobre os planos para o dia. Era sempre como ela queria.

No entanto, é essa Luísa que sempre admirei.  Forte, decidida, frontal, senhora de si mesma. Um modelo. A Luísa representa o que para mim é família. Deu-me amor, carinho e a mão quando eu mais precisava. Apesar da distância é uma força que nunca me deixou cair. Todos os anos desejava que eles voltassem para Portugal. Fazem-me falta. Tanta. 

A Luísa foi alguém que esteve à altura de quem me abandonou. A Luísa é mãe da minha irmã e avó da minha afilhada. Dava a minha vida pela Luísa (e pelo meu padrinho também!).

Há 18 anos, no seu desvario muito próprio, a Luísa entregou-me a outra mulher de excepção. Só podiam ser grandes amigas. A mesma energia, pelo na venta e determinação. E a gargalhada. Apesar de todas as merdas que acontecem na vida, estas senhoras (com "S" maiúsculo) não esmorecem, não baixam os braços e dão o corpo às balas. E depois fazem disparates e é a risada total. 

Naquele Verão a Odete, de repente, tornou-se importante para mim. Toda ela é vida, boa disposição e cabeça erguida. E mente jovem.

Disseram-me há uns tempos que tive muitas vidas passadas e, por isso, tendencialmente dou-me melhor com pessoas mais velhas que eu. Ou é isso, ou é do facto de vocês serem especiais de corrida, a verdade é que vos adoro. 

Ao saber que diariamente me visitam aqui no Blog, fez-me chorar desalmadamente. De saudades, de falta do vosso mimo, e de orgulho.

Muito, muito obrigada! 

Beijos às duas!


Para a minha amiga Lina

Amiga Lina

Ainda que estejas a ser frugal nos teus pedidos de presente, e te tenha "baixado"a crise e o FMI, acho que mereces mesmo coisinhas giras, vulgo:

Kate Moss for Longchamp

Longchamp Le Pliage tote-bag


Dihn Van Bubbles 2011 Collection (falta a estrela que é a mais gira!!!)

Dihn Van Menotte - silver
Mais Dihn Van Bubbles
Classica Dihn Van Pi Chinois - gold

Carta Aberta ao Ken de Massamá

Exmo. Senhor

se restavam algumas dúvidas, estas dissiparam-se hoje. 

V.Exma. é um imbecil.

Obrigada pela atenção.

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Feira do Livro, Feira das Vaidades

Este ano não fui à Feira do Livro. Uma bizarra combinação de circunstâncias entre cansaço, calor, chuva e contenção financeira assim o ditaram.

Ao ver as fotografias do pós Feira do Livro, nas revistas cor de rosa, uma questão assaz pertinente assoma-se à moleirinha... Tanta gente que faz outras coisas e, de repente, escreve livros... Hmmm!  Pessoas que até achava que nem sabiam escrever, andaram por lá a distribuir autógrafos.

Giro! 

Graças à Margarida Rebelo Pinto (prometo que não lhe chamo nomes, hoje estou zen), passámos de um povo que não lia, para uma nação de leitores compulsivos. Agora, chamar-se livros a algumas das coisas que aparecem nos escaparates, é ir muito longe! 

Porém, da mesma maneira que foi moda dormir com cromos da bola, depois DJ's e agora pilotos de automóveis ou modelos 10 anos mais novos, ou vestir calças cor de laranja, também cozinheiros, actores, call girls, princesas, comentadores de qualquer coisa ou ASPONES* passaram a usufruir da moda de escrever um livro. Vá, como se tira uma fotografia.

Sim, acho assim pró' treta. Mas há quem compre as folhas-de-papel-encadernadas-que passam por-putativos-livros, portanto alimentemos o bicho com adubo que o faça crescer. Mudar a alimentação, aparentemente, não é opção. 

Não confundir a minha náusea com dor de corno. Eu sei que dificilmente escreveria um livro. Eu gostava. Mas tenho perfeita noção de que me falta genialidade, paixão, talento e disciplina. Logo, nem me posso queixar da falta de oportunidades. Eu não tenho capacidade de escrever um livro, não me atordoa que haja quem consiga publicar ... como dizer, vá, coisas poucachinhas. 

Não obstante, não deixa de ser interessante, em termos sociológicos, que se lancem poucos (pouquíssimos) bons livros portugueses (e não estou a contemplar livros técnicos, que podendo ter muita qualidade, estão relegados para os seus nichos) mas fantochadas saiam para a rua como se fossem a ultima coca-cola do deserto.

Curioso este país. É de cortar os pulsos.  


*ASPONES = Assessores de Porra Nenhuma