terça-feira, 31 de agosto de 2010

Chegou, chegou, chegou!

Já cá canta o 509 da Chanel. Sábado já brilharão as minhas belas unhas com o Paradoxal. Anseio pelo momento em que a minha Luciana vai pregar a primeira pincelada no dedo e exclamará "Minha nossa, olha que lindo!"

Toda a colecção de makeup é de ensandecer.
A sombra Toupeira Cinza (toupe grisé para os finórios( é mesmo bonita bem como o rimmel roxo escuro. Ai ... Suspiro!

E mais novidades na frente fashion da vida...

Sabem quem é o Filipe Oliveira e Costa? É "só" o novo Director Criativo da Lacoste. Tomem lá, ó sr. Escargots, que aqui a Bifana tuga é de qualidade. Vem já lá aqui a Bio do senhor que manda no Crocodilo. Muito bom. 

Para finalizar sobre coisas na moda, não me ofereçam (porque sim, porque sou porreira, porque sou boa pessoa, porque faço anos, porque sou uma simpatia, porque é Natal) o livro Comer, Orar, Rezar que me dá fanico. Medo!


segunda-feira, 30 de agosto de 2010

a ovelha negra dos Emmys



Não sou fã do Mad Men, não me identifico com a serie de paixão, critério para perder tempo a vê-la. 

Não acho piada nenhuma a Uma Família Moderna e fujo, desenfreadamente, do Glee. Alias qualquer coisa que meta musicais é meio caminho andado para me pôr a mudar de canal como doida. 

A minha onda é mais crimes e autópsias (CSI, Ossos, The Closer, Londres Distrito Criminal), mentes perversas (Mentes Criminosas, Damages) e barrigadas de riso com How I've met your mother, a Teoria do Big Bang ou o Entourage (deixemos o The City ou The RZ Project de fora que são um cruzamento de reality-entertainment com fashion wanna be in NYC).

Supostamente, tresmalhei do rebanho. Os meus "dislikes" são fora de moda. Ou raios, sobreviverei a ser a Ovelha Negra? 

Enquanto me preparo para ir ver os animais do Dia Seguinte, faço a minha declaração em 3 pontos: a) o Mad Men não me convence, Uma Família Moderna não me faz rir e assumo a minha não carneirada!; b) o Roberto continua a ser alvo a abater por um glutão*; c) aqui fica o que gostei mesmo dos Emmys:

O casal mais giro; Neil Patrick Harris & David Burtka.


Jayma Mays (black Porcelain lace dress)
Tina Fey by Oscar de la Renta

* para quem não é do tempo dos anúncios, basicamente, o Roberto é uma nódoa.


segunda-feira, 23 de agosto de 2010

O maravilhoso mundo da vida a 2

O calor ajuda a baixar-me a já de si perene barreira da tolerância. Põe-me com os nervos em franja e o lado assassino anda mais à superfície. Nada de bom pode advir disto!

Claro que quando se partilha um espaço chamado vida com outra pessoa, há muita viola enfiada no saco. Nada de sapos que odeio ao ponto de os querer matar à pedrada. 

Mas se há coisa que estes 8, quase 9, anos de convivência amorosa me dão grande conforto para desabafar sem hesitações, é que para além do amor, do companheirismo, do sexo desenfreado, da confiança, 3 coisas são fundamentais para se sobreviver na selva da "conjugalidade":

1) Ter 2 casas de banho. 
Não tenho. É uma grande merda.  
Faz muita falta. 
Desde logo, pela privacidade. Esses à vontades de um lavar os dentes enquanto o outro corta as unhas dos pés sentado na sanita... menos! Depois pela necessidade de espaço para as minhas coisinhas. 
E há mais: não ter que regular, diariamente, como sai a água, do chuveiro; não ter que gramar com cabelos pretos (nota: euros depois, a minha melena é loura!) na banheira antes de entrar; e, sobretudo, as horas... a gestão do tempo de utilização matinal da casa de banho resulta numa logistica que me lixa sempre, porque como o gajo tem um problema de horas (basicamente, são-lhe indiferentes), levanto-me sempre primeiro para me arranjar com 2 horas de antecedência.
Noutra encarnação, ou noutra casa, ou noutra relação, quero MESMO mais uma casa de banho.

2) Se o gajo gostar de ir às compras ao supermercado, deixá-lo ir.
Para mim, uma ida ao Continente, ao Pingo Doce ou ao Lidl que dure mais de 30 minutos, já é um caso sério de intolerância. Começo a ter comichões e a hiper-ventilar. Começo a arrastar-me pelos corredores a ver já tudo muito torto. E como faço uma ida à Zara, com vistoria completa, com compra efectiva, e passagem pela caixa registadora, em menos de 10 minutos, desespero com a capacidade de alguém que esbanja tempo a escolher mostarda (já chegámos há uns belos 25 minutos neste cenário), queijo (nunca menos de 10 minutos), shampoo (10-12 minutos) ou ... pão (5 minutos).
Solução: eu fico em casa a ler, ele vai às compras. Ás vezes, vou eu.

3) Ter 2 TVs.
A doutrina divide-se. 2 TVs afastam um casal. É verdade. Mas também não gera uma frustração de serial killer em atacar o outro que teima ver, sei lá, o American Pie (merece umas belas caneladas, de qualquer maneira), ou faz aquela coisa irritante de, chegando um anuncio, mudar sem parar de canal, coisa MEGA enervante.
Melhor do que ter 2 TVs, é ter 2 boxes que gravam. MARAVILHA. Ó abençoada cama, comando e tardes de Domingo a ver gravações e dvd's de coisas giras (Criminal Minds, Damages, Ossos, Closer, The City) vs. ter que gramar o Guimarães-Estrela Amadora, época 84/85, na RTP Memória ou o Campeonato Mundial de Dardos na Sport TV ou, pior, o Melrose Place (dasseeeeeeeeeeeee).
Há outra vantagem: quando nos querem obrigar a ver o programa dos Gorditos que emagrecem, num misto de pedagogia e indirecta velada, permite virar as costas, rodar os calcanhares de forma arrogante e ir ver as irmãs Kardashian!

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Goin' Chanel


À falta de uma boa esplanada com um café e boa conversa, daqui do sofá onde diariamente me sento a minha homenagem a uma mulher que aprendeu a só fazer o que queria e só depender de si!!! A minha modéstia vénia ...

As míticas 2.55


Fica bem na publicidade. 


A mulher que revolucionou a classe.



Chance, versão Fraiche, está no Top 3 dos meus all time favourites de perfumes.






Em resumo, (quase) TUDO.



Raios, porque não fico assim. A maquilhagem apropriada para o meu estilo dramático.


O meu objecto icon e vintage. Praticamente 10 anos sempre na carteira


The next one. Num xitexx até que chegue.


Queriam, certo? Roam-se, eh eh eh 


Depois dos 35 vou começar o Plano Poupança Chanel 2.55 Lambskin Silver


Excelente Audrey. Muito bom o filme

domingo, 15 de agosto de 2010

Socorro, casamento e sem nada pra' vestir

Em setembro vou a uma festa de casamento. Pânico Numero 1!

E vou ser Madrinha de boda. Pânico 2!

Desde que soube que ia haver festaça, suores frios, uma ansiedade daquelas e um medo enorme em entrar em lojas. 

Festa é uma coisa que me gera borbulhas tamanho os nervos. Socializar com outros, muitos deles estranhos, sem estar de calças de ganga e bailarinas, dá-me voltas à barriga. Geralmente, quando chega à hora da sair de casa, já estou mas é na cama, livre de chatices.  

Desta vez, porém, não posso falhar, sou Madrinha. Somos duas, de facto, se calhar ninguem daria pela minha falta. Mas é um risco alto para se correr. A nubente espeta-me com um dos seus saltos na cabeça e foi-se a minha vidinha.

O dress code é casual chic, nada elaborado nem muito casamenteiro porque ninguém gosta dessas coisas, é uma malta cool e vai ser tudo muito descontraído, muito reunião de amigos, mas raios, sou Madrinha, não posso ir propriamente como se fosse ao supermercado (nota; vou ao supermercado como saio à noite, é sempre o mais básico dos básicos mas com maquilhagem).

Para mais a nubente, vai estar brilhante e já de si é alta e magra. A outra Madrinha, é parva de gira até ao abuso. Os meus pensamentos centravam-se em: "lá vou pois, euzinha, pronta para ser apagada das fotos institucionais pelo Photoshop" (juro que já estive num casamento em que não apareci em uma única fotografia; e, sim, eu estava lá! É o cumulo ser-se ignorado pelos gajos que estão ali para fazer dinheiro, mas mesmo assim desistiram de mim dado que sou tão fotogênica como um tractor).

Bom, foram 48H de intensa sensação de que nada giro me vai servir, vou ter que ou vestir algo pavoroso mas que entre, ou algo extremamente caro que caia mesmo bem e disfarce o drama que pra' aqui vai. Até tremia só de pensar o tempo e frustração que esta tarefa me iria  consumir, terminando comigo a comprar, já em desespero, qualquer coisa e derrotada pela Lei do Retalho.

Curiosamente, e como tenho um segundo dom (o primeiro sendo a capacidade para dormir, mesmo no meio do maior desastre natural), o de ter paixões imediatas por roupa que resulta, a operação ocorreu sem espinhas, de forma até natural, e já tenho um vestido todo catita, que combina com uns sapatos lindos de êxtase. Tenho a clutch perfeita, uma pulseira que encaixa no ensemble na perfeição e uns brincos que também estarão à altura do desafio.

O vestido tem só um handicap: é de cavas. Mas aprendi algumas maneiras de usar a echarpe de forma elegante e prática, tapando os braços de sopeira que o serviço publico (e a vergonha) me obrigam a cobrir.

E, pronto, venha a festa. Com uns drunfes (dos legais!) é capaz de uma pessoa aguentar-se.

Deixa-me muito feliz esta boda. Gosto muito dos noivos. Vai ser de estalo!!!!

PS. Pânico 3... estou branca como a cal, ainda tenho que me bronzear... Uh Uh, solários aí vou eu!

sábado, 14 de agosto de 2010

Diário de uma semana

Foi uma semana catita, bastante veraneante, apesar de estar trabalhar e não pôr pézinho na praia e, por tal, estar mais branca do que se tivesse encontrado aqueles pavorosos dos vampiros da saga irritante que não acaba nunca.

Mantenho-me nas dimensões de um Hummer, o que preconiza uma constância e coerência na minha vida, que não deixa de ser cruelmente interessante.

Começou a semana com mais uma maluqueira, daquelas que só eu. Nasci abençoada por ser pestanuda mas com umas pestanas louras. Então, nos próximos 3 a 4 meses, graças à Georgia, do santo Iunique, vou ter umas sedutoras longas pestanas negras, lindas de morrer, sem necessitar de diariamente fazer as figuras estranhas a colocar rimmel, de modo a que fique bem. Estou muito satisfeita com o resultado.

Depois continuou, coberta de mel e doçura derretida pela "sobrinha" Mini Diva, que é um bébé adorável, meiga, bem comportada e tão calma que dá vontade de a cobrir de beijos. Pronto, gosta de Lady Gaga mas com 6 meses, e apesar de já manifestar clara inteligência, não se pode exigir muito discernimento, certo? O jantar que os pais nos ofereceram estava deliciosoooooooooo. Foi mesmo muito bom e apaixonámo-nos pela Mini Diva.

Ainda por estes dias de bafus horribilis estive com a Bookette, amiga de livros e conversas sem fim, alguém que percebe a minha paixão por revistas, e que já não via há meses. Foi tão bom revê-la, passear na H&M e findar nos sofás do Starbucks. Há pessoas que têm uma magia própria, uma luz tão especial quanto o brilho dos seus olhos. A Bookette é assim, agarrou a vida pela mão e passeia triunfante pela avenida. 

Este "namoro" de saudades teve direito a bónus, directamente de uma Muji de Barcelona: um magnifico e simples caderno de capinha preta para as minhas notas mentais (devaneios, vá!) e uma lima girissima com desenhos. Para uma fanática da escrita e da manicura cai como ginjas mas o que é mesmo delicioso é receber, assim, de supressa, presentes. Significa que estamos na mente e no coração das pessoas de quem gostamos, o que é muito bom. 

Por fim, Happy Hour semanal no Sky Bar do Hotel Tivoli. A vista é fabulosa, o ambiente é muito descontraido, com uns sofás estilo marroquino que convidam a sesta de fim de dia, ao som de uma musica calma, a ver o pôr de sol. Conversa de gajas num dolce far niente tão bom como confortável. 

Ainda fui a tempo de regojizar-me com uma fotografia na Nova Gente da Clara de Sousa em que se vê a dita com uma pavarosa bolsa-meia para o seu telemóvel. Adoro o nível de possidonice. Acredito mesmo que há naperons lá por casa. Ninguém me tira isso da cabeça

E, agora, fim de semana com tanta leitura para pôr em dia... E ainda vem uma Vogue Espanha a caminho e uma Visão que está algures cá em casa!



quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Pré-estágio para férias

For the heart


Dia de Corte Inglés é dia santo. Adoro deambular sozinha pelo piso 0 entre cosmética, relógios e livros, canetas, cadernos. 

Hoje era dia de ir buscar o Dragon da Chanel mas depois de esperar que umas dondocas brasileiras revirassem o corner da Chanel como se fosse a despensa delas, acabei por decidir com o meu pragmatismo trazer o Fire que é mais exuberante.

Rumando às revistas, andei sempre a esquivar-me da horda de espanhóis que, tendo invadido Lisboa de vacaciones, acampam sempre no El Corte Inglés porque há poucos em Espanha e é assim sempre simpático ver como será um ECI em terras far, far away ... deverá ser certamente diferente. Benza-os sangria!

Sendo assim, o passeio até foi rápido mas tendo em atenção o abastecimento que fizera no fim de semana tenho muito com que me entreter antes de entrar DEFINITIVAMENTE de férias. 



For the Soul

"I DIE", RZ



NO SOFÁ:

eu estou a consumir com avidez o primeiro episódio da Série 3 da Rachel Zoe (nota mental: comprar a Harper's Bazaar com a sessão "I Die", coscuvilhar aqui), apanhado algures na Internet, sem legendas.

Ele sempre a interromper-me para eu comentar algo que NUNCA vi, o programa dos gordos que emagrecem (e se emagrecem, uns heróis!).

Mas o que raio não entendem eles? É a Rachel Zoe, 3ª Série. Vai estrear sabe-se lá quando na próxima década em Portugal! Foram 40 minutos. Porquê nesses 40 minutos tinha que dar eu atenção a mais alguém? Digam lá, vá!!!!

Os homens são mesmo egoístas... não bastava estar ali na sala, ao lado dele, a fazer-lhe companhia, à espera de umas massagens meigas nos pés (que não aconteceram!)

Meninos, aprendam ... por muito que vos amemos...
Don't mess with RZ

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Breakfast with Body Balance (não soa bem, pois não?)

Há quem ande feliz a usar isto!




Eu sentir-me-ia feliz com isto



Ora, cada um sabe de si e procura o equilíbrio onde quer.


A pulseirinha ate é catita e tal, em branco até passa bem por pulseira de praia, daquelas das modas estivais (há dois anos haviam umas das Havaianas bem giras, a condizer com chinela e bikini) mas são caras (o que, diga-se, atesta o desequilíbrio de quem as compra). Para mais, o Cristiano Ronaldo usa uma. Só por si, mega argumento para fugir. Imagino a banalização que isto vai ser.

Sejamos realistas, acreditar no poder holistico da coisa é tão estranho como acreditar que o Pongolle é um bom jogador.

Hoje, tal como no passado, as pessoas ou querem estar na moda (e usar o que milhares de outros usam porque isso confere sentido de pertença, por mais disparatado que seja o elo em comum) ou querem acreditar num totem que as vai ajudar a ser melhor ou a sentirem-se melhor.

Eu compreendo. 

Eu própria, com a mania das grandezas que me caracteriza, adorava que existisse um comprimido, uma bracelete, um fio, uma bandolete ou um piercing, que me ajudasse no meu maior drama: a balança

De uma penada só, algo que fosse inibidor do apetite, adelgaçante, anti celulítico, tonificante e substituto de comida. Há que ser ambicioso e pensar que um dia as grandes mentes deste mundo param de inventar coisas de silicone que não são mais do que tontarias e resolvem esta grande questão que me aflige.

Ate lá, quem for a Nova Iorque ou a Madrid, please talk to me. 

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Sempre com o mecanismo em Modo ON

Eu continuo a achar que é um dom - encostar a cabeça seja a que hora seja, adormecer e não acordar nem que me caia um comboio em cima. Uma forma de arte que aprimorei ao nível pleno. 

Aparentemente, o meu cérebro é feito de material isolante.

Daí talvez ser tão esperta! E de dormir tanto...


Segundo a Sábado, Um estudo publicado no jornal científico "Current Biology" descobriu a explicação para algumas pessoas terem o sono mais pesado do que outras. A razão é o facto de terem um auto-mecanismo no cérebro que lhes permite bloquear o barulho exterior. E por isso têm menos tendência a acordar.



O médico Jeffrei Ellenbogen, professor assistente na Escola Neurológica de Harvard (Estados Unidos), explicou que "algumas pessoas têm um mecanismo que lhes permite reduzir o impacto do barulho, conseguindo continuar a dormir em condições adversas"

sábado, 7 de agosto de 2010

coisas que me tiram do sério!

Bimba y Lola. Sem comentários
Mango. A minha cara.
Bimba y Lola. Opção castanho.
Zara. Muito elegante. 

Rock.In-Rio em Elvas

Já passou quase um mês mas sempre que pegava no tema para o trazer à vida em formato de post, dava-me vontade de não o escrever. O tema irrita-me, mesmo!

Então, pois, passou-se assim. A 17 de Julho deste ano houve hiper mega chique casório em Elvas. Até saiu na Caras Brasil (chique a valer!)

Eu até nutria alguma simpatia pelo galã de telenovelas Ricardo Pereira; o protótipo filho que todas as mães queriam ter, o neto desejado por todas as avós, o amigo que qualquer possa pessoa quer ter, o namorado aspiracional de todas as adolescentes, o amante com quem todas as mulheres querem dormir.

Ora o belo moço casou com a menina "bem" de Cascais, Estoril ou da Parede (às vezes... nunca se sabe!). Como a tradição exige, foi boda super fina, com vestido de branco, do melhor estilista que há, com festa na herdade da família, no Alentejo (chique a valer!). Convidam-se o 400 amigos mais próximos dos noivos, desde da rádio, TV e cassete pirata, a figuras do social, pessoas da banca, tudo upa upa

A coisa começa a parecer uma grande cena de telenovela com os tiques de vedetismo. Os nubentes alardearam tanto o casório, semana sim, semana não, em tudo o que era revista (achou que só não apareceram na Dicas do Lidi), qual era a necessidade da palhaçada dos balões a tapar a noiva à entrada? Não estavam à espera que não houvesse mirones, pois não? Inocentes ou pedantes à séria?

De facto era um Carnaval e pêras, mas ó amiguinhos, e a culpa foi de quem? Quem é que permitiu que a festarola casamenteira se transformasse num Rock in Rio em Elvas? Só faltou mesmo a Ivete rodar a baiana!

Então, vejamos. Havia o carro do noivo, Seat, marca que o noivo representa, decorado a preceito para a ocasião. A Caras da semana seguinte, que dedicava 22 páginas (vinte e duas!) ao evento, tinha fotografias extraordinárias de convidados em plena promoção a marcas patrocinadoras (Patrícia Brito e Cunha sorridente a tirar 1 café Nespresso, Raquel Strada com seu olhar de tamboril, a beber uma imperial Sagres); pelo meio, ficávamos a saber as promoções do DIA (estrategicamente colocadas no meio do álbum do casamento... também chique a valer!).

Mas o melhor mesmo foram as tendas na Herdade do pai da noiva (um senhor gourmet ficávamos nós a saber, pois o menu foi feito a pensar no requintado palato do senhor!) que ostentavam o logo do Millennium, banco ao qual o noivo faz publicidade. Que acharam os accionistas desta campanha de marketing indoors? E que retorno trouxeram os milhares investidos ao banco? Ou foi presente de casamento? E o Sr. "Fuck Them" Berardo sabe? É coisa para não gostar.

Nunca na vida tive a aspiração casar. Mesmo que tivesse, já tinha mudado de ideias dado que o dinheiro que se paga por esta brincadeira é bem mais gasto numa belíssima viagem. 

O que não entendo é como se vendem fatias da historia das nossas vidas assim, como se a ficção ganhasse poderes sobre a realidade. Como se nada daquilo fosse único, exclusivo e intransmissivel.

Imagino que como souvenir da boda, os convidados tenham trazido umas t-shirts a dizer "Eu Fui!".   Chique a valer.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

conselhos à borla!









e não digam que não sou amiguinha.


Uma pessoa passeia pra' trás e pra' frente na Fnac e na Bertrand (sim, porque a Fnac tem lá muito empregado que bem precisava de aprender a atender ao publico) e dá nisto.

Há pra' todos gostos. 

O intelectual, os feministas, o romântico e a colecção de policial / ciência politica / relações internacionais. 

Sou uma gaja ecléctica. Desde que não seja nem o "enche chouriços de chorar a calçada" Nicholas Sparks, nem  "mete nojo narcisista centrado em mulheres vazios de conteúdo" da Margarida Rebelo Pinto, nem aquela italiana Sveda não sei quantas, aqui a je lê de tudo. 

Qual é o interesse de ser-se monótono e fechado ao mundo?  

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

duvidas existenciais de inicio de Agosto

Toda a próxima semana vou concentrar os meus esforços em encontrar respostas. 

1º pessoas que não são bem educadas nos elevadores. Porquê? O que custa dizer "bom dia" quando entram? Ou responder quando alguém dá uma saudação? O que é que se passa com estas pessoas? Mínimo de educação, ó gente! A vida custa a todos, cai-vos a língua sendo simpáticos numa interacção social tão básica? 

2º porque é tão difícil encontrar Vitamin Water

3º como é que ninguém nunca achou o Rei dos Gnomos uma figura, no mínimo, estranha? Numa localidade com poucas pessoas, a casinha estilo possuídos pelo Demo, e o vai e vem de jovens, não tocou a campainha de ninguém?

4º porque raio a Zara decidiu baixar consideravelmente os tamanhos? Perder clientes? Fazer-nos emagrecer até à anorexia?

5º as salas de cinema estranham perder "clientes"... já viram os preços que praticam? Hello! São um roubo!!!

6º onde andam os gravadores que o "alegado" deputado Ricardo Rodrigues GAMOU aos jornalistas da Sábado? 

7º quem foi o pensador-livre que achou que a Nayma servia para apresentadora de um programa? É que ela vai tão mal.....

8º porque ainda é difícil sustentar um caso de mobbing?