Avançar para o conteúdo principal

as casualidades de ser eu

Sou fã das Kimmi Dolls. Já o havia afirmado. O Pai Natal, sob a forma de duas das suas mais importantes duendes, presenteou-me com presentes ligados com a Kimmi.



Duas amigas, muito especiais, nada a ver uma com a outram, creio que nem se conhecem deram-me uma boneca e um porta cadernos, da colecção Kimmi. O verdadeiramente extraordinário foi que quer a boneca quer o porta cadernos terem como base a mesma figura, ie, a kimmidoll Seiko.



A Seiko simboliza o "Sucesso", com o intuito de inspirar e motivar quem a detém. Para que a Kimmi Seiko realize todo o seu potencial nas várias áreas da vida da sua proprietária, esta tem que aspirar a fazer o seu melhor, a usar os seus sonhos de exito como inspiração na procura para atingir os seus objectivos e ultrapassar os obstáculos.



Mensagem recebida. Excelente "kika" (kick in the ass) como diria a incompetente (e pior professora de sempre da minha vida) professora de Recursos Humanos no MBA (irónico não?). É uma mensagem de alerta... Life is a bitch, mas há que sonhar e ter ambição, mesmo quando nos arrastam para pesadelos e nos querem cortar as asas.



Estas bonequinhas são mesmo giras. As minhas amigas ainda mais. Infelizmente, é uma dura lição para mim. E ambas concordaram em dar-ma, sem se conhecerem. É assim tão óbvio? Ai Pai Natal, acho bem que tenha ficado perdida uma dose de alguma capacidade de dar a volta às nuvens negras no meio das botinhas que estavam na chaminé.



Vou à procura, virá-las todas as botas ao contrário. Já volto...


Comentários

Fuschia disse…
Já as vi por aí, achei-as giras, mas não fazia ideia de que cada uma tinha um significado. De qualquer maneira, relacionarem-na com o "sucesso" é positivo ;)
Mónica disse…
Cara Fuschia, além de giras, sim, de facto todas têm 1 significado. é uma maneira reconfortante de tentar agarrar energia positiva

Mensagens populares deste blogue

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…

Das razões

Quero-te pela desarrumação incompreensível que somos. Quero-te pela forma como me procuras à noite na cama, ainda a dormir, de modo instintivo, apenas para te recostares do mundo e amaciares no meu calor. Quero-te (tanto) quando sais do mar, feliz e salgado, qual criança livre agarrado à prancha como se fosse o teu bem mais precioso, a tua melhor amiga, a porta para o teu refúgio. Quero-te pelos beijos inesperados, lentos, que invadem qual descarga eléctrica, e afirmam sem hesitações desejo e amor. Quero-te pela forma como te afundas num livro e tudo à volta entra em pause-still e, mesmo assim, de repente tocas-me no joelho, no cabelo, dás-me a mão. Quero-te porque sei que acreditas em mim e não me questionas, crês que posso mudar o mundo. Quero-te pela tesão, confiança, cumplicidade e pelas saudades que temos, ainda, sempre, um do outro. Quero-te por te rires quando começo a cantar músicas que gosto e ouço a tocar, esteja onde esteja. Quero-te por dançarmos na rua se preciso entre ga…

Dos maldiitos

via boudoir photography

Agora acordo com mensagens que iluminam o telemóvel e em que dás conta de como pensas em mim antes de dormir. E que o queres partilhar comigo porque agora sentes saudades minhas. Agora recebo telefonemas sem hora nem expectativa e a voz é meiga e quente. Não ouço nada do que dizes, as palavras apenas são ditas mas há muito que já não têm peso ou impacto.
Antes foi a indecisão. O jogo dos que não se comprometem, que querem atalhos facilitados para um espaço confortável de repouso, salvação emocional momentânea, ilusão de pertença. Egoísta forma de ser que suga o querer dos outros para se sustentar, para sentir uma rede rápida de carinho e abraço mas que reclama para si a indisponibilidade de reciprocidade. Para quê? Se vos é dado grátis um sentimento para que serve o esforço de lutar por ele, qual o propósito de envolvimento, de estar, dar a mão, partilhar silêncios e perder a possibilidade de ter mais e mais, melhor, diferente, sempre mais, outras.
Era assim, ante…