Avançar para o conteúdo principal

PdFT*

Ou seja, a *puta da falta de tempo. O grande problema da Humanidade, ou pelo menos, desta vossa humilde membro da Humanidade (ainda que às vezes duvide disso dado o ambiente pós eclosão bomba atómica que me rodeia!).
Hoje oferecerem-me, como presente de natal atrasado, mas muito bem-vindo, e de uma boa amiga, a 1ª Serie do "Quem Sai aos Seus...". Estou em pulgas... mas, falta-me tempo. Ainda não acabei sequer de ver os últimos episódios do Flashforward. Nem a ultima serie das brilhantes e fabulosas Gilmore Girls, nem a do fundamental Seinfeld ... e todo o resto de Dvds de series e filmes em atraso. Alias, eu nem arrumei ainda os CDs na respectiva torre. Eu!
O caso agrava-se com os livros. Passo a explicar, com exemplos, o drama da minha waiting list de livros para ler (sem qualquer ordem de preferência ou de por onde vou começar, apenas aleatoriamente!):
  • O Mar em Casablanca
  • Fuck It
  • Crónica de 1 Morte Anunciada
  • O Leitor
  • A minha Herança
  • Irmãos (sobre os Kennedy)
  • a bio do Churchill
  • a bio do Fontes Pereira de Melo
  • 2666 (bom, só este põe-me deprimida...)
  • A Ponte dos Suspiros
  • Filipa de Lencastre
  • Lolita (reler, li-o há 18 anos)
  • A Rainha do Sul (a reler)
  • George & Arthur
  • O Símbolo Perdido (há que ser ecléctico)
  • A Leste do Sol (estou louca para começar)
  • O Jogo do Anjo (há 15 meses que me foi oferecido, vergonha!)
  • Anna Karenina (reler, porque de 5 em 5 anos tenho que o fazer!)
  • Os Maias (reler, porque de 5 em 5 anos tenho que o fazer!)
  • Slam
  • Manhathan Transfer
  • Inquietude
  • De Luxo
  • Ladrão de Fogo
  • Catarina Aragão
  • O Amante da Rainha
  • O Perdão
  • O Espião que saiu do Frio
  • O Lado Selvagem
  • As 3 Vidas
  • Carlota Joaquina
  • Imprimatur
  • Sectretum
  • Os 30 anos de mau futebol
  • A Boa Vida
  • Caim
  • A Criança no Tempo
  • Shalimar, o Palhaço (é desta que me apaixono pelo Rushdie?)
São 41 livros mas só 0 2666 e o Anna Karenina valem mais dois. Isto está assim para o agreste.
Se juntarmos as revistas semanais e as mensais, podia-se dizer que de facto precisava mesmo de 1 break para mim própria de largas semanas, meses? Ou ser hiperactiva como o Marcelo e não dormir.
Ou então, pedir ajuda como fiz com as botas: não compro mais livros. Ponto! (para os meus anos quero o perfume Dolce & Gabbana nº3, umas luvas da Luvaria Ulisses côr camel ou um pijama ... e nada de livros).
Mas o que me chateia mesmo, enquanto na minha cabeça faço um puzzle de como / quando vou consumir estes livros (dos quais preciso mesmo, por necessidade de "agarrado"), é não ter tempo para mandar à merda quem me destrói a sensação de tempo / espaço / realidade e me mina o tempo que resta. A chamada falta de tomates, digamos...
Vou ver se acabo a Princesa de Gelo (recomendo vivamente! Os suecos para além do IKEA têm bons thrillers, nos quais se fala sempre... do IKEA!). Antes que o tempo se me acabe!

Comentários

Anónimo disse…
Olá Monica,

Ando á procura do livro Lolita acerca de 4 meses e não consigo encontrá-lo em lado nenhum.
Será que é possível dizer-me onde o comprou?
Obrigada!
Beijinhos!
Manuela
E-mail:nemedeirosribeiro@sapo.pt
Matta disse…
Olá Mónica,

Já leste este livro: A Small Death in Lisbon?

Julgo que vai ser mais um a acrescentar à lista!!! Quem é amigo?!!! eheheheheh

Mensagens populares deste blogue

Dos maldiitos

via boudoir photography

Agora acordo com mensagens que iluminam o telemóvel e em que dás conta de como pensas em mim antes de dormir. E que o queres partilhar comigo porque agora sentes saudades minhas. Agora recebo telefonemas sem hora nem expectativa e a voz é meiga e quente. Não ouço nada do que dizes, as palavras apenas são ditas mas há muito que já não têm peso ou impacto.
Antes foi a indecisão. O jogo dos que não se comprometem, que querem atalhos facilitados para um espaço confortável de repouso, salvação emocional momentânea, ilusão de pertença. Egoísta forma de ser que suga o querer dos outros para se sustentar, para sentir uma rede rápida de carinho e abraço mas que reclama para si a indisponibilidade de reciprocidade. Para quê? Se vos é dado grátis um sentimento para que serve o esforço de lutar por ele, qual o propósito de envolvimento, de estar, dar a mão, partilhar silêncios e perder a possibilidade de ter mais e mais, melhor, diferente, sempre mais, outras.
Era assim, ante…

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…

Das razões

Quero-te pela desarrumação incompreensível que somos. Quero-te pela forma como me procuras à noite na cama, ainda a dormir, de modo instintivo, apenas para te recostares do mundo e amaciares no meu calor. Quero-te (tanto) quando sais do mar, feliz e salgado, qual criança livre agarrado à prancha como se fosse o teu bem mais precioso, a tua melhor amiga, a porta para o teu refúgio. Quero-te pelos beijos inesperados, lentos, que invadem qual descarga eléctrica, e afirmam sem hesitações desejo e amor. Quero-te pela forma como te afundas num livro e tudo à volta entra em pause-still e, mesmo assim, de repente tocas-me no joelho, no cabelo, dás-me a mão. Quero-te porque sei que acreditas em mim e não me questionas, crês que posso mudar o mundo. Quero-te pela tesão, confiança, cumplicidade e pelas saudades que temos, ainda, sempre, um do outro. Quero-te por te rires quando começo a cantar músicas que gosto e ouço a tocar, esteja onde esteja. Quero-te por dançarmos na rua se preciso entre ga…