Avançar para o conteúdo principal

A Generosidade do Pai Natal

Adorei os meus presentes.

Tive surpresas mesmo boas como o Livro do Desassossego do Pessoa, as Alegrias e Tristezas no Trabalho do Alain de Botton, postais autografados pelo Saviola e pelo Javi Garcia, uma pulseira Mimi com camélia, uma agenda Cartier, a t-shirt dos Ramones, um porta moedas novo, cremes para o corpo e para os pés (de génio), uns cupcakes pra' enfeitar a árvore de Natal e até uma carteira da Bimba y Lola.

Mas estes 2 são muito especiais. Por quem ofereceu, claro. Mas pela beleza inerente a cada um e pelas emoções boas que me suscitam.

Obrigada Nuno, o Friends é mítico e a moldura do apartamento da Mónica é um presente original, surpreendente e com muito valor! 

Obrigada Santos, fiquei boquiaberta e maravilhada. O conjunto de gravuras é de uma qualidade brutal e deixa-nos viajar!!!!




Louis Vuitton pays tribute to Ruben Toledo’s vibrant work with the release of this collector’s box of 100 postcards. In beautiful fluorescent colors, the Postcard Box celebrates 100 illustrations Ruben Toledo has created for the Louis Vuitton City Guide since 1998; a real retrospective of images that capture a distinct vision of travel and passion for detail.


Ruben Toledo  was born in Havana, Cuba, in 1961 and is a painter, sculptor, illustrator and fashion chronicler in one. He lives in New York with his wife, fashion designer Isabel Toledo. His work has been exhibited throughout the world, including the Metropolitan Museum of Art in New York and London’s Victoria and Albert Museum. “My aim is to paint a portrait of a city and to draw out its special and eternal essence; to capture the unique tempo and character of each.” – Ruben Toledo

Já cá cantam!!!



EXACT REPLICA of MONICA'S PEEPHOLE FRAME!



You will remember the last scene of the series. the gang leaves the apartment for the last time, and the camera returns to a final pan around the room. fans of the show can see all the scenes that happened there over the past decade, and it's so sad to see it empty. finally the camera lands on the back of the door and the famous gold frame. nothing sad happens in this scene per se, but it represents a lot more..... this frame is a great representation of all that we love about friends!

Comentários

Anónimo disse…
Olá,

Será que me consegues dizer como o teu amigo conseguiu a moldura do Friends? :)

Mensagens populares deste blogue

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…

Das razões

Quero-te pela desarrumação incompreensível que somos. Quero-te pela forma como me procuras à noite na cama, ainda a dormir, de modo instintivo, apenas para te recostares do mundo e amaciares no meu calor. Quero-te (tanto) quando sais do mar, feliz e salgado, qual criança livre agarrado à prancha como se fosse o teu bem mais precioso, a tua melhor amiga, a porta para o teu refúgio. Quero-te pelos beijos inesperados, lentos, que invadem qual descarga eléctrica, e afirmam sem hesitações desejo e amor. Quero-te pela forma como te afundas num livro e tudo à volta entra em pause-still e, mesmo assim, de repente tocas-me no joelho, no cabelo, dás-me a mão. Quero-te porque sei que acreditas em mim e não me questionas, crês que posso mudar o mundo. Quero-te pela tesão, confiança, cumplicidade e pelas saudades que temos, ainda, sempre, um do outro. Quero-te por te rires quando começo a cantar músicas que gosto e ouço a tocar, esteja onde esteja. Quero-te por dançarmos na rua se preciso entre ga…

Dos maldiitos

via boudoir photography

Agora acordo com mensagens que iluminam o telemóvel e em que dás conta de como pensas em mim antes de dormir. E que o queres partilhar comigo porque agora sentes saudades minhas. Agora recebo telefonemas sem hora nem expectativa e a voz é meiga e quente. Não ouço nada do que dizes, as palavras apenas são ditas mas há muito que já não têm peso ou impacto.
Antes foi a indecisão. O jogo dos que não se comprometem, que querem atalhos facilitados para um espaço confortável de repouso, salvação emocional momentânea, ilusão de pertença. Egoísta forma de ser que suga o querer dos outros para se sustentar, para sentir uma rede rápida de carinho e abraço mas que reclama para si a indisponibilidade de reciprocidade. Para quê? Se vos é dado grátis um sentimento para que serve o esforço de lutar por ele, qual o propósito de envolvimento, de estar, dar a mão, partilhar silêncios e perder a possibilidade de ter mais e mais, melhor, diferente, sempre mais, outras.
Era assim, ante…