Avançar para o conteúdo principal

Agradecimentos (Sentidos) Natalicios

Fruto desta quadra natalícia que se aproxima, não queria deixar de agradecer a todos aqueles que durante estes complicados 12 meses fizeram questão de me chamar "gorda", ou recomendar-me dietas, umas mais racionais outras milagrosas, ou me perguntaram se estava grávida ou, melhor ainda, me explicaram a importância de ser-se forte mentalmente para voltar emagrecer. 

Agradeço particularmente o modo "carinhoso" como me explicaram que ter-se bom aspecto e ter-se um look fantástico é meio caminho andado para ser-se feliz. Sempre a aprender. 

Com estas pequenas grandes lições de humanidade, uma pessoa sente-se melhor. Porque apesar dos 20 quilos a mais, e depois de muita analisar a questão por vários prismas, regojizo-me por ser melhor pessoa. Porque eu jamais faria a terceiros metade das coisas que me fizeram (sim, tenhamos calma, eu sou a rainha da auto critica).

Ora, quando uma pessoa está na merda, há uma corrente que acha que a terapia de choque é a solução: confrontar-nos com o nível de decadência a que chegámos, os olhares calados mas reveladores de desagrado, a monitorização do que uma pessoa come. São as "bocas", a frieza da realidade atirada sem problemas nem complexos. Não ajuda, a sério, não ajuda puto. Não vão entender, mas é tramado passarem-nos um atestado de incompetência, sobretudo quando a pessoa já não se tem em grande conta.

Outra corrente, muito em voga, é a que nos faz passar por tontinhos. Com esta premissa em mente, ensinam-nos como fazer uma dieta, porque com uma em 6 meses, vá 9, vou-me sentir muito melhor. Ou, em opção, se me alimentar de poções, agua e sumo de limão, ui... não só mostro a minha superioridade em termos de guerra ao peso, como fico de estalo num instantinho. Caso contrário, sou um ser desprezível. Além de ter ganho o direito de ser socialmente expulsa dos cânones de agradabilidade, sou um individuo fraquinho que não tem personalidade para passar fome nem fustigar-se num ginásio caro. E há sempre uma maneira discreta, en passant, para mutilar a auto estima alheia com pequenos apontamentos de "me, boazona, you simpática!"; "eu capaz de emagrecer, tu acumuladora de gordura".

Mas o top, top mesmo é: "Estás de bébe?"

Se aos demais actos de tortura mental consigo encaixar e, vá, desculpar, a isto ... espero bem que noutra encarnação quem me tenha dito isto venha sob a forma de um insecto ou réptil peçonhento. 

Sim, sim, pode ser Natal mas o raio da compreensão e não julgar é uma coisita que deve ser acto continuo ano inteiro. Assim sendo, não é na época festiva que vou esquecer-me da sobranceria de uns, a violência de outros, e a insensibilidade de uns quantos.

Vão-se lá empanturrar em doçaria de Natal, ó magros! Bah!



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…

Das razões

Quero-te pela desarrumação incompreensível que somos. Quero-te pela forma como me procuras à noite na cama, ainda a dormir, de modo instintivo, apenas para te recostares do mundo e amaciares no meu calor. Quero-te (tanto) quando sais do mar, feliz e salgado, qual criança livre agarrado à prancha como se fosse o teu bem mais precioso, a tua melhor amiga, a porta para o teu refúgio. Quero-te pelos beijos inesperados, lentos, que invadem qual descarga eléctrica, e afirmam sem hesitações desejo e amor. Quero-te pela forma como te afundas num livro e tudo à volta entra em pause-still e, mesmo assim, de repente tocas-me no joelho, no cabelo, dás-me a mão. Quero-te porque sei que acreditas em mim e não me questionas, crês que posso mudar o mundo. Quero-te pela tesão, confiança, cumplicidade e pelas saudades que temos, ainda, sempre, um do outro. Quero-te por te rires quando começo a cantar músicas que gosto e ouço a tocar, esteja onde esteja. Quero-te por dançarmos na rua se preciso entre ga…

Dos maldiitos

via boudoir photography

Agora acordo com mensagens que iluminam o telemóvel e em que dás conta de como pensas em mim antes de dormir. E que o queres partilhar comigo porque agora sentes saudades minhas. Agora recebo telefonemas sem hora nem expectativa e a voz é meiga e quente. Não ouço nada do que dizes, as palavras apenas são ditas mas há muito que já não têm peso ou impacto.
Antes foi a indecisão. O jogo dos que não se comprometem, que querem atalhos facilitados para um espaço confortável de repouso, salvação emocional momentânea, ilusão de pertença. Egoísta forma de ser que suga o querer dos outros para se sustentar, para sentir uma rede rápida de carinho e abraço mas que reclama para si a indisponibilidade de reciprocidade. Para quê? Se vos é dado grátis um sentimento para que serve o esforço de lutar por ele, qual o propósito de envolvimento, de estar, dar a mão, partilhar silêncios e perder a possibilidade de ter mais e mais, melhor, diferente, sempre mais, outras.
Era assim, ante…