Avançar para o conteúdo principal

a simple story




Lembro-me que fui ver o Sideways, do Alexander Payne, às Amoreiras. A sala, pequena, estava cheia. Éramos um grupo de 4. Creio, estou segura, que fui a única que gostei do filme. Aliás, eu adorei o filme. Longe de me sentir uma freak, senti-me muito satisfeita pelo dinheiro gasto e contente com uma bem sucedida ida ao cinema. O problema foi dos outros, claramente.

Take 2. Tenho duas grandes amigas que são loucas pelo George Clooney. Púnhamos as coisas nestes termos: se vamos ao cinema as 3, eu fico ao meio, porque elas, que são normalmene civilizadas, viram uma alucinação só. Até lhe acho piada (ao Clooney, não a elas!) mas não me suscita alterações hormonais (ainda que saber que ele alegadamente não suporta a Angelina, fez subir o senhor na minha consideração, e muito!) que me movam a pagar €5,10 (com desconto!) para ir vê-lo ao grande ecrã. 

Last shot... Contrariamente a uma grande parte das pessoas que apenas quer ver no escurinho do cinema histórias que fujam ao daily-basis, cada vez mais aprecio argumentos que não sendo simplistas nem banais, sejam simples e próximos da nossa existência. Porque esta comunhão é mais dificil de estabelecer na era do 3D. E porque a vida, tal como ela é, é muito mais dificil de retratar nas suas cambiantes, incongruências, emoções, expressões faciais que tudo dizem mesmo no maior dos silêncios, na sua crueza.   

Matt King (George Clooney) é um homem normal. Um bom homem. Com as suas fraquezas e falhas, mas movido por um sentido de dever e de familia muito forte. Contraditoriamente, é um pai ausente e um marido pouco empenhado, ainda que adore as filhas e ame a mulher, tão diferente dele. Matt é contido, rigoroso, "certinho" e apostado em fazer o bem para todos, a milhas de distância de uma mulher, Elisabeth, que vive para o prazer imediato, para gozar a vida, para a diversão, para ter mais. 

Quando uma mulher adultera está em coma e se percebe que o marido não era uma figura presente em casa nem no casamento, a culpa baila no ar demasiado desconfortável para cair. Parece doloroso que recaia sobre a  mulher moribunda, manietada nas suas paixões e ambições, mãe arrojada, alcoólica, filha do papá, hiper-protegida por estes dois homens da sua vida. 

Mas não é justo que o veredicto seja imputado a Matt, duas vezes ferido na asa: pelo acidente da mulher, e consequente desnorte na gestão doméstico-parental (que mantém sempre sob controlo mesmo quando parece que está prestes a estourar); e pela traição de Elisabeth, a pontos de abandoná-lo sem que ele desconfiasse, mantendo ainda assim uma luta entre a curiosidade mórbida sobre o assunto e um grande sentido de abnegação e de amor sentido. 

Com uma dignidade cambaleante entre o estar totalmente perdido e a racionalidade de manter o mínimo de normalidade possível, Matt troca com a câmara olhares tristes, profundamente íntimos mas, em simultâneo, vai reconstruindo o puzzle, recuperando as filhas: uma pré-adolescente de 10 anos, que tenta afirmar-se como rapariga (e já não menina) e reage  à situação clínica da mãe tendencialmente com agressividade, e uma adolescente problemática de 17 anos dada ao álcool e aos palavrões. 

Longe de ser o Hawaii solarengo, das praias sem fim adornadas de bikinis e de pranchas de surf a moldar o oceano, é um ambiente igual a tantos outros, com existências marcadas pelo mesmo tipo de eventos. A diferença está na beleza natural que Matt pode proteger ou no por de sol soberbo que apazigua as mágoas. De grandeza. 





Comentários

Mary disse…
Xinapá, temos crítica!

Mensagens populares deste blogue

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

Da alegria

Gosto desses olhos que se iluminam e que pausam em mim como se nada mais existisse naquele longo momento. Esse olhar decidido, seguro, revelador de um modo de estar ciente do que se quer e descomplicado.
Fazes-me rir. Como se o mundo fosse fácil. Como se salvar-me das trevas não fosse uma missão mas sim manter-me saciada, livre, às gargalhadas, serena e em silencio, a ler com as pernas esticadas sobre ti.

Gosto das madrugadas de surf, mesmo ao frio. Dos beijos salgados e daquele teu cheiro misturado com água gelada. O cheiro que ainda hoje me faz ficar apreensiva, receosa, quando acordo a meio da noite e te ouço a respirar devagarinho e aquele cheiro está encostado a mim. E como aquele cheiro me apareceu e inundou de alegria.

I shine

Kiss me before you break my heart. There is still room to be damaged for every breath I take on myself and for myself. I regain confidence on me on every touch of you, even those that will be lost. 
The shivers running down on my spine awaken me and allow me to make you feel stronger, bolder, in love with life. 
I expand my senses while you will torn my world apart. We are under the same sky but I am meant to be a trail of light rather than a guiding star. 
I will burn your soul and you will break my heart. Yet I shine. So, kiss me and let's pretend.