Avançar para o conteúdo principal
Amigos, conhecidos, estranhos, médicos, terapeutas de todas as espécies, gurus da blogosfera com livros no prelo, todos resulta fácil dizer que temos que ser fortes, "no matter what", como se em momento algum pudéssemos ter momentos de dúvida, de exaustão, de "não quero saber". 

Não, temos que aguentar, pensar sempre mas sempre positivo para atrair energias positivas, como se vivêssemos num grande detox emocional perpétuo, eliminando aquilo que assusta os outros sejam gorduras corporais quer sejam quilos de más vibrações. Comam gojis, mirtilos, brócolos em sumo, nada de hidratos, corram quilómetros por dia, sejam saudáveis fisicamente a olho nu e na vida que supostamente devem ter. Preocupem-se com o colégio das crianças, com os baby showers, com a vida social dos pequenos sub 5, em estarem em forma para não envergonharem a vossa cara metade quando chegar a bikini season.  Caso contrário, o mundo não está preparado para vos acolher. 

Por muito terapêutico que o optimismo possa ser, a falta de esperança muitas vezes assume contornos sem cor, sem cheiro, sem nome, sem dor palpável. Só sabemos que há confortos que não voltaremos a sentir. Que um dia a seguir ao outro é isso mesmo. Não há força que valha nesses momentos. 

Comentários

Pedro Almeida disse…
O Benfica ganhou...

Beijo :-)
A Mais Picante disse…
Por vezes temos de chorar até lavar a alma. E depois levantamo-nos e continuamos a andar, um pé à frente do outro, até conseguirmos correr novamente. Vou usar um chavão mas há sempre uma janela, só temos de a encontrar e abrir.
Que se lixem os gojis. Beijinho.

Mensagens populares deste blogue

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…

I shine

Kiss me before you break my heart. There is still room to be damaged for every breath I take on myself and for myself. I regain confidence on me on every touch of you, even those that will be lost. 
The shivers running down on my spine awaken me and allow me to make you feel stronger, bolder, in love with life. 
I expand my senses while you will torn my world apart. We are under the same sky but I am meant to be a trail of light rather than a guiding star. 
I will burn your soul and you will break my heart. Yet I shine. So, kiss me and let's pretend.

Da alegria

Gosto desses olhos que se iluminam e que pausam em mim como se nada mais existisse naquele longo momento. Esse olhar decidido, seguro, revelador de um modo de estar ciente do que se quer e descomplicado.
Fazes-me rir. Como se o mundo fosse fácil. Como se salvar-me das trevas não fosse uma missão mas sim manter-me saciada, livre, às gargalhadas, serena e em silencio, a ler com as pernas esticadas sobre ti.

Gosto das madrugadas de surf, mesmo ao frio. Dos beijos salgados e daquele teu cheiro misturado com água gelada. O cheiro que ainda hoje me faz ficar apreensiva, receosa, quando acordo a meio da noite e te ouço a respirar devagarinho e aquele cheiro está encostado a mim. E como aquele cheiro me apareceu e inundou de alegria.