Avançar para o conteúdo principal

a importancia do perfume e a duvida existencial do mês

Olá a todos

advogo há bastante tempo que colocar perfume exalta a alma; põe-nos bem dispostos e eleva-nos o bom espírito. Há semelhança do relógio e dos óculos de sol, nunca saio de casa sem perfume, colocado consoante a minha disposição, a roupa que visto e o tempo que está. Podem rir-se à vontadinha (me da igual) mas a verdade é que sair de casa sem o perfume (tal como sucedeu hoje) é sempre sinal de sarilhos. nem mesmo umas baforadas à socapa no táxi via uma amostra que tinha na mala (caguei para o taxista) me sossegaram, ate pq não era do perfume que queria usar hoje.

E agora voltamos à 2ª parte do Assunto deste email: duvida existencial do mês
Porque é que nunca ninguém entrou numa loja do cidadão aos tiros, tipo columbine, totalmente alucinado dos reais cornos?


É porque juro que dá imensa vontade. Eu própria me passou pela cabeça mas com a minha jeiteira acabaria por acertar de imediato em mim pp antes de interromper qq coisa ou sequer darem por mim.

lembram-se de como era possível eu dormir hoje ate às 2H da tarde? Não aconteceu! Obras no prédio, logo desde das 9 da manhã que não preguei olho, o que quer dizer que era mm mt barulho pois a minha propensão para o sono é reconhecida mundialmente.

portanto, logo aí começámos mal... mas ainda não tinha falhado o perfume. O pior veio depois

Recordam-se quão exultante estava por passar a ser uma cidadão detentora do Cartão Único (vulgo, C.U.)? pois, passou-me depressa; ou melhor, passou-me devagar, para ser mais concretamente, tive a oportunidade de levar duas horas e meia a que me passasse.

Exactamente, esse foi o tempo que levou a entregarem o cartão. 2h30. Como diria o meu ídolo Barney Stinson, Legend (wait for it) ary!!!!´*

eu ate entenderia se fossem 2h30 para fazer e entregar (assim sim, seriamos um pais desburocratizado); mas para entregar???? quando para fazer, marcaram-me 1 hora, eu estava lá e fui atendida pontualmente? Quando demoram praticamente 2 meses a fazê-lo?

E depois uma pessoa nem entende o porquê de tanta demora... é tipo aquelas filas de transito monumentais com carros a andar a 20km / hora e depois de repente, puff, começa o transito a fluir e não havia nem acidente, nem buraco na estrada, nem ninguém morto... Foi o que eu senti. Quando por fim uma pessoa é chamada, basicamente a srª vai a uma pasta buscar o cartão, introduz numa espécie de terminal ATM, insere código activação, sai um papel comprovativo de levantamento que o cidadão cansado ainda consegue assinar, introduz o cartão noutro terminal para accionar a assinatura digital e já está!!!! Juro, não entendo! Mesmo tendo mudado o turno das srªs às 14H, com restart dos programas sob novo utilizador, não tem explicação!

Claro que durante 2h30 dá para uma pessoa pensar em tudo, até em formas de tortura a infligir a quem nos perturba a paz de espírito num momento delicado como aquele.

desde logo, o espertalhaço do tuga que apesar das "n" sinalizações que ASSINALAM cada deptº, insiste em interromper o trabalho da atendedora que estava a dialogar com 1 atendido para perguntar se é ali, onde está assinalado, CARTÃO DO CIDADÃO, note-se, que é a Seg. social, a EDP, o sef, a casa de banho. Lembrei-me logo do Danny Crane** e do seu habito em disparar em pessoas. Aplicável a este contexto de forma indubitável. O tuga é calão (não lê e não procura por si), é mal educado (interrompe o trabalho e a conversa dos outros) e acha que vivemos no mundo do "faça-ma lá o jeitinho!". PQP para este tuga filho-de-mãe que não evolui. Darwin tinha um treco se nos conhecesse.

Para melhorar a historia, não sei como fiquei entalada (salvo seja) entre 2 ma~es e respectivas crias: 1 Rita de 2 anos e um Eduardo de 5. A mãe 1 (da Rita), ar de choninhas e que ainda veste calças do tempo em que estava grávida (vulgo, com elástico na barriga); a mãe nr 2, grande, mt grande. As crias, umas pestes. Barulhentas, deitavam-se pelo chão, corriam, atrapalhavam quem trabalhava e quem queria passar além, e principalmente, de me estarem a irritar a MIM. Mas crianças são crianças, eu estava abismada era com as mães cuja atitude disciplinadora era, como dizê-lo, um atentado à inteligência das pp crianças. Basicamente, a atitude disciplinadora daqueles 2 espécimes era, quase em sintonia coral, expelir "Rita", "Eduardo; "Rita, anda cá", "Eduardo, pára quieto" num tom de voz praticamente angelical. perante este furor de autoridade, a Rita e o Eduardo estavam-se literalmente nas tintas e continuavam o seu momento de expressão criativa infantil nos moldes modernos dos pais modernos. Só quando alguém deixou escapar um palavrão começado por "F" e terminado em "se", só ai é que aquelas 2 mães pegaram nas crianças e desapareceram com elas para 1 café (dado que tinham tipo 70 px à frente).

Quando por fim, me deram o C.U., nem olhei para ele. Estava fartinha daquilo e vim me embora o mais depressa possível, ate pq nem sequer tinha almoçado e ja tinha lido a Visão toda, apenas para chegar a casa e encontrar a máquina de lavar louça ENTUPIDA, ie, tenho que retirar agua QUE ABUNDA e lavar filtros!!!

A culpa, meus amigos, é do Perfume!!!


PS. a pessoa do "F" + "se" foi obviamente moi meme

* ver How I´ve Met Yõur Mother, Fox Life domingos à noite
** ver Boston Legal, Fox Crime, segundas à noite

Comentários

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…